domingo, 12 de junho de 2016

Guiné 63/74 - P16193: As minhas crónicas do tempo da Diamang, Lunda, Angola (1972-1974) (José Manuel Matos Dinis) - Parte IV: algumas estórias da "kamanga"

Quarta crónica enviada a  31 de maio último, com uma nota de 2 de junho:

Meus Caros:
Aquando do envio da parte III juntei um anexo com 4 fotografias. Se acharem bem, podem servir para ilustrar a parte que anteontem [31 de maio] vos dirigi, se a quiserem publicar, cujo tema incide sobre os clandestinos ["kamanga", tráfico ilegal de diamantes (*)]. Numa, vê-se uma ponte que idealizei e mandei construir para atravessar um canal. Na outra, vê-se de viés uma formatura em marcha da tropa privativa da CDA [Diamang].

Abraços,
JD

[Nota dos editores - Certamente por erro humano ou falha técnica,  o anexo com as 4 fotografias ainda não chegou à nossa caixa de correio. Aguardamos segunda via].

[Foto acima: o José Manuel Matos Dinis, ex-fur mil at inf, CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71, nosso grã-tabanqueiro e adjunto do régulo da Magnífica Tabanca da Linha, Jorge Rosales,  depois do seu regresso a casa, a Cascais, em janeiro de 1972, vindo da Guiné, rumou até Angola, em maio de 1972, para ir viver e trabalhar na Lunda, na melhor empresa angolana na época, a famosa Diamang - Companhia de Diamantes de Angola, com sede no Lundo; aqui casou (por procuração), aqui viveu e trabalhou, aqui nasceu o seu primeiro filho: desafiado por nós  justamente a falar da sua experiência angolana em meia dúzia de crónicas memorialísticas,  aceitou galhardamente o desafio e está a cumprir o prometido.] (**)


1. As minhas crónicas do tempo da Diamang, Lunda, Angola (1972-1974) (José Manuel Matos Dinis) - Parte IV: algumas estórias da "kamanga"

Os diamantes são eternos, título de um filme da séria James Bond, refere-se a bens não registados, mas de alto valor transaccionável, dependendo apenas do peso em quilates do material a negociar, do sistema de cristalização, da pureza do cristal, brilho, e eventual coloração, sendo que uma pedra de vinte quilates, vale mais do que o conjunto de cinco que perfaçam o mesmo peso e características.

De serem tão desejados, a carestia acentua-se conforme o produto colocado em venda é de origem legal ou clandestino. Havendo, portanto, a possibilidade de obter diamantes com menor custo, e havendo mercado paralelo, é natural que algumas pessoas procurem o mercado paralelo (kamanga, em Angola) para satisfazerem os seus desejos pelo melhor preço.

Mas a kamanga também pode ver os diamantes canalizados e negociados pelo mercado oficial, com intenção de reduzir o mercado paralelo e desincentivar o negócio clandestino. Algumas pessoas negociaram no clandestino sem conhecer os diamantes, ou o processo de os levar aos lapidadores, os profissionais que lhes fazem várias arestas e faces com o objectivo de aumentarem os brilhos reflectidos.

Tive conhecimento de várias maneiras de intervir na kamanga. Por um lado, alguns nativos, já familiarizados com a extracção promovida pela CDA, dedicavam-se à mineração rudimentar, quer em zonas de colinas com desmonte de terras e cascalho, quer pela prospecção dos aluviões com recurso a redes e ao garimpo. Teriam sempre que agir com o maior cuidado, dadas as penas a que eram sujeitos todos os indivíduos apanhados na actividade não licenciada, que era exclusiva das companhias (até ao inicio dos anos 70 era exclusivo da Diamang, logo surgiu a Condiama).

Um dos primeiros casos de que ouvi falar, foi o de um ex-empregado da CDA, que teria sido aliciado por um cunhado "próspero" industrial de camionagem, que lhe teria dado quota na organização que dominava a coberto do negócio oficial. Um dia, o ex-empregado apareceu morto com um tiro dentro do "boca de sapo", em simulação de suicídio. Nada foi provado, mas constou-se que o "industrial kamanguista" ter-se-ia apercebido de que o cunhado já negociava por conta própria na área em que fora iniciado, e deu instruções para liquidação do traidor a quem dera sociedade. Esta "estória" faz lembrar alguma coisa de "cowboiadas" e máfias representadas no cinema. Quero apenas sublinhar que o "negócio" era a sério e sem tibiezas.

Outra "estória", agora com graça, referia-se a um sujeito que chegou a Malanje com pressa para enriquecer. Terá procurado alguém que o pudesse iniciar e ajudar na compra de diamantes clandestinos. Alguém bastante compreensivo alertou-o para o risco de fazer anunciar tal intenção, pelo que o aconselhava ao princípio da discrição como alma do negócio.

Conselheiro e comprador empatizaram e, pelos vistos, o comprador dispunha de uma quantia generosa que lhe permitiria a aquisição de um "contra-mundo", um daqueles calhaus que só estão ao alcance de árabes milionários, quando querem impressionar uma nova "maria". Pelos vistos também eram clientes clandestinos. O comprador, sempre muito bem assessorado pelo súbito vendedor, passados alguns dias, foi aconselhado a encontrar-se com o mais "consagrado" dos vendedores, um homem possuidor das melhores raridades, que teria um fabuloso diamante para venda, cujo preço se enquadrava com a disponibilidade anunciada.

No encontro, simulando grande surpresa, um "avaliador independente", formulou uma avaliação que excedia o capital do comprador, mas, mediante a sugestão da grande dificuldade da venda de tão rara gema pelo preço "justo", ainda que renitente, o vendedor acedeu a fazer o necessário e substancial desconto. Não terá sido fácil, mas com uns wiskies e outras "estórias" que reforçavam a confiança entre as partes, a cabeça de galheteiro com mais umas marteladas acabou por ser negociada, numa transacção de cujo desfecho hilariante, em breve terá corrido pelas esplanadas da cidade, gerando a maior inveja entre outros "reputados" vendedores.

Uma situação insólita e verdadeira ocorreu com um empregado da Companhia que profissionalmente não tinha contacto com diamantes. Tinha um "land-rover" distribuído para as actividades que exercia, e fazia-se acompanhar de uma arma. Em dias mais ou menos certos abatia uma pacaça e dirigia-se às aldeias com intuito de a vender para alimentação local. Dessa maneira ganhava algum dinheiro suplementar, e também ganhou a estima dos nativos.

Um dia, o "ajudante" recebeu ordem para carregar de novo a caça, porque o chefe da aldeia não tinha dinheiro para a pagar. Mas logo o chefe o chamou de lado, mostrou-lhe alguma coisa, e a contra-ordem foi dada, e a pacaça novamente descarregada. Dali para o futuro, terá afirmado o "negociante", os pagamentos passariam a ser feitos naquela "espécie". E assim foi. Este empregado tinha um Ford do inicio dos anos 70 e, clandestinamente, aos fins-de-semana deslocava-se a Luanda (mais de 2000 km de ida e volta) onde residia o sogro, que era incumbido de ir ao Brasil onde se fazia venda livre de diamantes. O esquema estava montado, e ele teve tanta sorte, que ficou incólume de um acidente provocado pelo sono. Depois do golpe, no regresso forçado ao "Puto", levou uma vida de causar inveja e até hoje não consta que tenha tido que trabalhar para viver.

Seguem-se duas "estórias" um bocado engenhosas que ocorreram no âmbito do trabalho nas estações de escolha. A primeira foi no MD-5 do Luxilo, e só foi descoberta por mero acaso de alguém que passava na outra margem do rio, e achou que junto a uma drenagem estava um tipo a correr risco de vida. As estações tinham em permanência equipas de auxiliares para diferentes tarefas, indivíduos que ali ficavam durante um mês, passando mais tarde durante quinze dias. O tal que corria risco, numa dessas permanências pediu licença ao chefe para fabricar um martelo no equipamento disponível no MD-5 (acho que o torno, onde se aplicava ao martelo um cabo em tubo de aço). E foi esse instrumento que o inculpou da ilegalidade, quando quem o auxiliava a safar-se da corrente do rio alcançou o martelo pendurado dentro do tubo de descarga de águas. De facto, esse trabalhador estava pouco confiante para sair com o martelo autorizado que teria o alegado fim de ser utilizado em obras em casa, e acabou por levantar justas suspeitas pelo arrojo de o ir resgatar em condições e num local inapropriado. O cabo soldado ao martelo e fechado na extremidade, afinal, tinha um conteúdo mais valioso que muitos martelos juntos.

A Estação Central de Escolha, em Andrada, era uma espécie de pequena fortaleza, com muros altos, talvez de dois metros, sem locais de apoio para os saltar para o exterior. Além disso, havia máquinas de filmar nos corredores das portas de saída. Não havia tecto, mas havia uma rede de malha mais ou menos larga e grossa para impedir qualquer forma de ultrapassar as paredes. Uma ocasião, constatou-se que no terreno capinado anexo à estação, havia um individuo à procura de alguma coisa, o que pareceu uma atitude estranha. Verificou-se tratar-se de um trabalhador que saíra de véspera, e procurava por pequenos diamantes envoltos em papel colorido, que havia projectado para o exterior através da malha da cobertura e com o recurso de uma fisga. A ingenuidade para a recolha, voltou a denunciar outro "habitante" das estações de escolha, locais onde se concentrava a produção multi-milionária.

Eu próprio, um dia, deparei com um belo diamante num canto de um degrau de uma tremonha de rejeitado, o que só podia ter acontecido por iniciativa de alguém que o desviara do circuito da Empresa. Nada disse, e também não quis saber quem tivera aquela iniciativa. Não que sentisse medo de consequências ou represálias, mas porque se a Companhia tinha tantos meios, também podia adquirir equipamento adequado para dissuadir a kamanga.

No meu tempo em Andrada ainda ocorreu outra coisa interessante. Por qualquer razão uma senhora casada com um empregado pediu ao filho para ir ao rio buscar um balde com areia. Por acaso, notou que a areia continha diamantes, pelo que a operação repetiu-se com alguma frequência. Por qualquer motivo foi detectada e descoberta, do que resultou ter sido imediatamente expulsa da área da CDA. Foi decidido reciclar aquele rejeitado da ECE na lavaria dos ensaios, e veio a constatar-se ter sido descoberto novo "corte rico" (designação dos cortes com elevados índices de teor do material explorado) e durante alguns dias a produção oscilou entre várias centenas e mais de milhar de quilates.

Desta maneira dediquei uma parte que não esgota as "estórias" sobre a kamanga, as mais recentes das quais estão plasmadas num livro infelizmente célebre da autoria de um oposicionista ao actual regime angolano: "Diamantes de Sangue, Corrupção e Tortura em Angola", de Rafael Marques, editora Tinta da China, Lisboa, 2011, 240 pp. [foto da capa à direita]. (***)

(Continua)
______________

Notas do editor:

(*) Vd. o nosso pequeno dicionário de "angolês" > 26 de junho de 2012 >  Guiné 63/74 - P10074: Em bom português nos entendemos (8): O angolês, termos angolanos que podem dar jeito integrar no nosso léxico (LuísGraça, com bué de jindandu para o Raul Feio e demais kambas kalus)

(**) Postes anteriores da série  >

6 de maio de 2016 > Guiné 63/74 - P16055: As minhas crónicas do tempo da Diamang, Lunda, Angola (1972-1974) (José Manuel Matos Dinis) - Parte I: de Cascais até à Portugália / Dundo...

(...) Em Janeiro de 1972 tinha saído da tropa, dava passeios e namorava pelo litoral de Cascais, onde outros casais nos faziam concorrência. Os meus amigos estavam na vida militar, acabavam os cursos, ou já tinham iniciado actividades profissionais. Já não era como antes, quando a malta se reunia como seita para a paródia, ou para entusiásticas futeboladas. Namorava com envolvimentos familiares, e tinha a obrigação de procurar definição de vida. Não queria trabalhar debaixo de um tecto, e por isso, ficava excluída uma preparação profissional que tinha iniciado antes da tropa.(...)

12 de maio de 2016 > Guiné 63/74 - P16080: As minhas crónicas do tempo da Diamang, Lunda, Angola (1972-1974) (José Manuel Matos Dinis) - Parte II: Um "estado dentro do estado"...

(...) Mas afinal, que negócio é esse dos diamantes? É um "fétiche", direi eu. De facto, os diamantes servem para muito pouca coisa, e os que servem, são os industriais, precisamente os de menor valor. Os outros, os que cintilam de brilhos e são usados como adornos, não prestam para nada. Mas valem muito dinheiro, são atributos de riqueza e de poder. Destas razões é que resulta o grande fascínio ou interesse pelos diamantes. (...)

25 de maio de 2016 > Guiné 63/74 - P16131: As minhas crónicas do tempo da Diamang, Lunda, Angola (1972-1974) (José Manuel Matos Dinis) - Parte III: A vida na mina Munguanhe 2

(...) A mina de que me tornei responsável, e que já descrevi em pinceladas rápidas, era o Munguanhe-2, uma colina explorada sob o método clássico, com o desmonte de cascalho por padejamento, linhas para vagonetas que transportavam o cascalho para uma lavaria de "pans". Os meios mecânicos empregues eram escassos, e a rentabilidade ficava muito longe das minas mais rentáveis. Imagino que se mantinha este modelo de exploração, porque, apesar da escassa produção diamantífera, era mínimo o desperdício e não deixava de ser rentável. Agora não me ocorre o valor médio da produção diária, que talvez não excedesse os 20 quilates em pequenas gemas. (...)

(***) Sobre esta "mítica" empresa, a Diamang, ver ainda no nosso blogue as seguintes referências:


3 comentários:

Antº Rosinha disse...

Quantos tiros se teriam ouvido naqueles remotos lugares de Canquelifá e na Ponte de Caium, com o fito naquelas pedrinhas da Lunda?

É que os antigos heróis fundadores do PAIGC, tinham o mesmo ADN do MPLA, nunca nos devemos esquecer deste pormenor histórico.

Agora já não se consideram nem primos, quanto mais irmãos, mas isso é para se esquecerem de quem foi o "papé", como nos chamou Machel.

JD, tu já uma vez disseste que não te consideras retornado, e nem deves, pois não tens os requisitos necessários.

Penso que ainda não contas-te nem metade do que foi ser funcionário da Diamang, e o que era preciso para lá chegar.

Cumprimentos

Tabanca Grande disse...

Rosinha, o Dinis já fez a sua declaração de conflito de interesses: tinha um tio na Diamang, que lhe mandou... a carta de chamada. A Diamang não era para todos... Era uma empresa muito bem vista e conceituada, talvez do melhor que o "nosso colonialismo" criou... Ou não ? Acho que devemos ter orgulho em empresas como esta...Não tínhamos muitas, e hoje temos que fazer justiça a esta e a outras como as do grupo CUF...que desapareceram na voragem da história... Foram dois exemplos de "grandes escolas" para a gestão e a engenharia portuguesas...

Antº Rosinha disse...

Luís Graça, não pretendo expiolhar a vida privada de JD, nem de ninguem em particular aliás, apenas que quem lá esteve como ele, possa explicar quais eram os critérios da empresa para recrutar os seus funcionários.

Seria um privilégio para o teu/ nosso blog retratar uma vida colonial, muitíssimo restrita, reservada a muito poucos portugueses.

Havia muitos boatos e algumas certezas sobre o funcionamento da Diamang, mas isto que JD faz aqui ao vivo, com certos pormenores, é caso virgem.

Mesmo eu se sei alguma coisa em concreto foi porque estive acantonado lá dentro durante um mês no estudo de uma pequena estrada.

Davam-me alojamento e alimentação junto dos solteiros, mas só se falava de bola à refeição.

Claro que cunhas e padrinhos, obviamente é uma matriz que se mantem nacionalmente, a não ser para limpar escadas.

Mas os boatos iam muito além da cunha devido à responsabilidade inerente à função.

Cumprimentos