quinta-feira, 31 de maio de 2018

Guiné 61/74 - P18697: Bom dia, desde Bissau (Patrício Ribeiro) (6): Os meus passeios: de Buba a Cassumba, passando por Cacine, Sangonhá, Cameconde, Cassacá e Campeane, março de 2018 - Parte III


Foto nº 20 > Cassacá, hoje.. Foi aqui que o PAIGC realizou, em 1964, o seu 1º Congresso...


Foto nº 21 >  Cassumba: "onde montámos as tendas"



Foto nº  22 >  Cassumba: na foz do rio Cacine


Foto nº  23 > Cassumba: já no outro lado da Guiné-Conacri


Foto nº 24  > Cassumba: o efeito da erosão


Foto nº  25 > Cassumba: pôr do sol


Guiné-Bissau > Região de Tombali > Península de Quitafine > Cassumba > 11 de março de 2018

Fotos (e legendas): © Patrício Ribeiro (2018) Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Continuação da publicação das fotos da viagem de Buba a Cassumba, de 11 de março último (*)

[ Patrício Ribeiro é um português, natural de Águeda, criado e casado em Angola, com família no Huambo, ex-fuzileiro em Angola durante a guerra colonial, a viver na Guiné-Bissau desde meados dos anos 80 do séc. passado, fundador, sócio-gerente e director técnico da firma Impar, Lda.]

(Continuação)


Foto [nº 20] do monumento que o PAIGC construiu com os restos de uma casa da família Regala, “que alguém deitou abaixo”.

Por aqui, decorreu o 1º congresso do PAIGC, (em 1964, como se pode ler no blogue). Na tabanca há postes de energia elétrica nas ruas, que já funcionaram, tem abastecimento de água, centro de saúde, escola secundária, etc. Aqui também estive a trabalhar.

Praia de Cassumba:

Algumas fotos [, de 21 a 26]: lugar muito bonito, lá montamos as tendas à beira mar para dormir, junto ao rio Cacine, por lá comenos a usual lata de atum, abrimos uma garrafa de vinho, para dormir bem.

Bom lugar para uns “desembarques”, praia só de areia sem lodo.

Para chegar à praia, passamos por lindas matas e por uma savana só de capim, com mais de um metro de altura e vários quilómetros de comprimento. Do outro lado, um mato de palmeiras impenetrável, onde certamente muita gente se refugiou. Muito bonito.

Enviarei outras fotos tiradas este ano, de outros passeios em outros lugares.

Abraço

Patricio Ribeiro

IMPAR Lda
Av. Domingos Ramos 43D - C.P. 489 - Bissau, Guiné-Bissau
Tel, 00245 966623168 / 955290250

3 comentários:

Tabanca Grande disse...

Não é que isso tenha importância para a história da humanidade, e mesmo para a história dos nossos dois povos, Portugal e a Guiné-Bissau, mas a verdade é que topónimos como Sangonha, Cacoca ou Cameconde são hoje "lusófonos" e são pesquisáveis na Net...

Se procurarem no Google Imagens, por Sangomnha, ou por Cacoca ou por Cameconde, a esmagadora maioria da imagens que aparecem são do nosso blogue, o blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné...

Quem por lá andou, combateu, penou, viveu, sofreu ou até morreu, de um lado e do outo, não será esquecido... Afinal, são pequenas terras com história... E hoje voltaram a ter vida...

Cherno Baldé disse...

Caro Patricio Ribeiro,

De facto é uma praia vislumbrante, a ultima vez que la estive foi em 1997, em pouco mais de 20 anos de distancia, constato que a erosao das aguas ja comeu (devastou) uma vasta area das margens. Cassumba destaca-se particularmente pela exuberancia da natureza a volta e pela paz de espirito que habita aqueles poucos que conseguem la chegar.

Um abraco amigo,

Cherno Baldé (Bissau)

António Tavares disse...

Camarigos,

O cabo-verdiano Francisco Augusto Regalla era um conhecido comerciante da Guiné.
Foi vítima de um ataque do PAIGC em Campeane, na região de Tombali, onde perdeu todos os seus bens.
Conheci-o em 1970/72, em Galomaro. Aqui reiniciou a sua vida. Tinha um café /restaurante. Negociava com mancarra e castanha de caju. Alugava a sua camioneta às tropas aquando dos reabastecimentos aos quarteis.
Faleceu há cerca de 42 anos num desastre automóvel.

Abraço.