quinta-feira, 31 de maio de 2018

Guiné 61/74 - P18698: Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino da Silva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capítulos 53 e 54: "Vai haver uma estrada alcatroada até Gampará, e vamos ter artilharia em Fulacunda"



Guiné > Região de Quínara > Fulacunda > 3ª CART / BART 6520/72 (1972/74) > 1973 > O José Claudino da Silva junto ao obus 14

Foto (e legendagem): © José Claudino da Silva (2017). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



Guiné > Região de Quínara > Fulacunda > 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > "Porto fluvial", no Rio Fulacunda > Montagem de segurança > Um obus 14, rebocado por uma Berliet.

Foto (e legendagem): © Jorge Pinto (2014). Todos os direitos reservados.[Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Continuação da pré-publicação do próximo livro (na versão manuscrita, "Em Nome da Pátria") do nosso camarada José Claudino Silva [foto atual à esquerda] (*)

(i) nasceu em Penafiel, em 1950, "de pai incógnito" (como se dizia na época e infelizmente se continua a dizer, nos dias de hoje), tendo sido criado pela avó materna;

(ii) trabalhou e viveu em Amarante, residindo hoje na Lixa, Felgueiras, onde é vizinho do nosso grã-tabanqueiro, o padre Mário da Lixa, ex-capelão em Mansoa (1967/68), com quem, de resto, tem colaborado em iniciativas culturais, no Barracão da Cultura;

(iii) tem orgulho na sua profissão: bate-chapas, agora reformado; completou o 12.º ano de escolaridade; foi um "homem que se fez a si próprio", sendo já autor de dois livros, publicados (um de poesia e outro de ficção);

(iv) tem página no Facebook; é avô e está a animar o projeto "Bosque dos Avós", na Serra do Marão, em Amarante;

(ix) é membro n.º 756 da nossa Tabanca Grande.

2. Sinopse dos postes anteriores:

(i) foi à inspeção em 27 de junho de 1970, e começou a fazer a recruta, no dia 3 de janeiro de 1972, no CICA 1 [Centro de Instrução de Condutores Auto-rodas], no Porto, junto ao palácio de Cristal;

(ii) escreveu a sua primeira carta em 4 de janeiro de 1972, na recruta, no Porto; foi guia ocasional, para os camaradas que vinham de fora e queriam conhecer a cidade, da dos percursos de "turismo sexual"... da Via Norte à Rua Escura;

(iii) passou pelo Regimento de Cavalaria 6, depois da recruta; promovido a 1.º cabo condutor autorrodas, será colocado em Penafiel, e daqui é mobilizado para a Guiné, fazendo parte da 3.ª CART / BART 6250 (Fulacunda, 1972/74);

(iv) chegada à Bissalanca, em 26/6/1972, a bordo de um Boeing dos TAM - Transportes Aéreos Militares; faz a IAO no quartel do Cumeré;

(v) no dia 2 de julho de 1972, domingo, tem licença para ir visitar Bissau, e fica lá mais uns tempos para um tirar um curso de especialista em Berliet;

(vi) um mês depois, parte para Bolama onde se junta aos seus camaradas companhia; partida em duas LDM para Fulacunda; são "praxados" pelos 'velhinhos' (ou vê-cê-cês), os 'Capicuas", da CART 2772;

(vii) faz a primeira coluna auto até à foz do Rio Fulacunda, onde de 15 em 15 dias a companhia era abastecida por LDM ou LDP; escreve e lê as cartas e os aerogramas de muitos dos seus camaradas analfabetos;

(viii) é "promovido" pelo 1.º sargento a cabo dos reabastecimentos, o que lhe dá alguns pequenos privilégio como o de aprender a datilografar... e a "ter jipe";

(ix) a 'herança' dos 'velhinhos' da CART 2772, "Os Capicuas", que deixam Fulacunda; o Dino partilha um quarto de 3 x 2 m, com mais 3 camaradas, "Os Mórmones de Fulacunda";

(x) Dino, o "cabo de reabastecimentos", o "dono da loja", tem que aprender a lidar com as "diferenças de estatuto", resultantes da hierarquia militar: todos eram clientes da "loja", e todos eram iguais, mas uns mais iguais do que outros, por causa das "divisas"... e dos "galões"...

(xi) faz contas à vida e ao "patacão", de modo a poder casar-se logo que passe à peluda; e ao fim de três meses, está a escrever 30/40 cartas e aerogram as por mês; inicialmente eram 80/100; e descobre o sentido (e a importância) da camaradagem em tempo de guerra.

(xii) como "responsável" pelo reabastecimento não quer que falte a cerveja ao pessoal: em outubro de 1972, o consumo (quinzenal) era já de 6 mil garrafas; ouve dizer, pela primeira vez, na rádio clandestina, que éramos todos colonialistas e que o governo português era fascista; sente-se chocado;

(xiii) fica revoltado por o seu camarada responsável pela cantina, e como ele 1º cabo condutor auto, ter apanhado 10 dias de detenção por uma questão de "lana caprina": é o primeiro castigo no mato...; por outro lado, apanha o paludismo, perde 7 quilos, tem 41 graus de febre, conhece a solidariedade dos camaradas e está grato à competência e desvelo do pessoal de saúde da companhia.

(xiv) em 8/11/1972 festejava-se o Ramadão em Fulacunda e no resto do mundo muçulmano; entretanto, a companhia apanha a primeira arma ao IN, uma PPSH, a famosa "costureirinha" (, o seu matraquear fazia lembrar uma máquina de costura);

(xv) começa a colaborar no jornal da unidade (dirigido pelo alf mil Jorge Pinto, nosso grã-tabanqueiro), e é incentivado a prosseguir os seus estudos; surgem as primeiras dúvidas sobre o amor da sua Mely [Maria Amélia], com quem faz, no entanto, as pazes antes do Natal; confidencia-nos, através das cartas à Mely as pequenas besteiras que ele e os seus amigos (como o Zé Leal de Vila das Aves) vão fazendo;

(xvi) chega ao fim o ano de 1972; mas antes disso houve a festa do Natal (vd. capº 34º, já publicado noutro poste); como responsável pelos reabastecimentos, a sua preocupação é ter bebidas frescas, em quantidade, para a malta que regressa do mato, mas o "patacão", ontem como hoje, era sempre pouco;

(xvii) dá a notícia à namorada da morte de Amílcar Cabral (que foi em 20 de janeiro de 1973 na Guiné-Conacri e não no Senegal); passa a haver cinema em Fulacunda: manda uma encomenda postal de 6,5 kg à namorada;

(xviii) em 24 de fevereiro de 1973, dois dias antes do Festival da Canção da RTP, a companhia faz uma operação de 16 horas, capturando três homens e duas Kalashnikov, na tabanca de Farnan.

(xix) é-lhe diagnosticada uma úlcera no estômago que, só muito mais tarde, será devidamente tratada; e escreve sobre a população local, tendo dificuldade em distinguir os balantas dos biafadas;

(xx) em 20/3/1973, escreve à namorada sobre o Fanado feminino, mas mistura este ritual de passagem com a religião muçulmana, o que é incorreto; de resto, a festa do fanado era um mistério, para a grande maioria dos "tugas" e na época as autoridades portuguesas não se metiam neste domínio da esfera privada; só hoje a Mutilação Genital Feminina passou a a ser uma "prática cultural" criminalizada.

(xxi) depois das primeiras aeronaves abatidas pelos Strela, o autor começa a constatar que as avionetas com o correio começam a ser mais espaçadas;

(xxii) o primeiro ferido em combate, um furriel que levou um tiro nas costas, e que foi helievacuado, em 13 de abril de 1973, o que prova que a nossa aviação continuou a voar depois de 25 de março de 1973, em que foi abatido o primeiro Fiat G-91 por um Strela;

(xxiii) vai haver uma estrada alcatroada de Fulacunda a Gampará; e Fulacunda passa a ter artilharia (obus 14)

3. Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino da Silva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capºs 53 e 54


[O autor faz questão de não corrigir os excertos que transcreve, das cartas e aerogramas que começou a escrever na tropa e depois no CTIG à sua futura esposa. E muito menos fazer autocensura 'a posterior', de acordo com o 'politicamente correto'... Esses excertos vêm a negrito. O livro, que tinha originalmente como título "Em Nome da Pátria", passa a chamar-se "Ai, Dino, o que te fizeram!", frase dita pela avó materna do autor, quando o viu fardado pela primeira vez. Foi ela, de resto, quem o criou. ]


53º Capítulo  > O GRAVADOR E AS BOMBAS


Sem que nada o fizesse prever, chateei-me com o Moreira e, por aquilo que escrevi, a culpa foi minha. - Desculpa Moreira!

"Ainda hoje estive a discutir com o Moreira que dorme no meu quarto, por uma coisa insignificante, coitado do rapaz. Estou sempre nervoso, nunca estou bem em lado nenhum, para mais um amigo de Penafiel que foi para Bissau para condutor do delegado da companhia, teve um acidente com o Jeep e está no hospital ferido. O Jeep ficou desfeito e nem sabe se irá embora quando a comissão terminar é uma situação muito chata porque parece-me que foi ele o culpado e os condutores tem de pagar os concertos.

Vá lá que ao menos veio o gravador de cassetes que tinha encomendado e a lancha já trouxe as bombas”.


Antes de continuar a transcrever o texto que tenho em mãos, quero voltar a apelar para a compreensão dos leitores se, por vezes, o texto é confuso. A razão é simples: transcrevo tal qual o original. 

“Hoje tenho mais uma notícia para te dar.

Daqui até Gampará que é o quartel mais próximo de nós, vai ser feita uma estrada de alcatrão, ora como os “turras” não querem que se façam estradas de alcatrão pois assim não podem colocar armadilhas, vão decerto procurar evitar que ela se construa, mas para nós os fazermos pôr ao largo veio hoje uma lancha militar trazer bombas de obus e no dia nove vem para cá três obuses.

O obus é uma arma Maior que um carro e que atinge 20 km de distância. Por isso agora, vamos estar mais seguros se eles se lembrarem de nos atacar.

Cada bomba pesa 36 kg e num raio de 500 metros onde explodir devasta tudo, agora estaremos suficientemente armados para dar cabo destes reles terroristas”


Para mim, o mais importante mesmo foi a chegada do gravador de cassetes. Em breve iria começar a enviar as minhas gravações.


54º Capítulo  > O MORTO VIVO


Já não me lembrava disto, como não me lembro de muitíssimas outras coisas que se passaram naqueles dolorosos tempos, e a que eu tentei dar, muitas vezes, pouca importância, pondo amor e humor em muito do que escrevi. O que vos passo a contar está escrito num “aero”,  datado de 07/05/1973:

“Mais uma vez tive azar não veio avioneta por isso lérpei e não tive correio, talvez venha amanhã. Hoje tenho uma notícia a dar-te que considero invulgar, pois creio que não conheço nenhum caso idêntico.

Um camarada meu teve um irmão em Moçambique em 1966. Estava lá há sete meses, quando foi dado como morto. Mandaram o corpo dele para a Metrópole e fizeram-lhe o funeral. Na passada sexta-feira o meu camarada recebeu aqui notícias que o irmão está vivo. Disse-me que as informações que tiveram foram estas.

O irmão ia numa viatura que passou sobre uma mina que explodiu, morreram 13 soldados, e ele caiu a uns metros de distância, ficou ferido, os camaradas não o viram e deixaram-no ficar, os “turras” depois encontraram-no e levaram-no para o Senegal [lapso do Dino, deve ser Tanzânia], esteve lá até agora tendo conseguido fugir, embora com sete anos de prisão ele está bem vivo o que não deixa de ser uma infinita alegria para a família. Este meu camarada, portanto, irmão do morto vivo, até parece que dá em maluco.”


Desconheço o que posteriormente se passou e se na urna estaria ou não algum cadáver. O que posso concluir é que, para a família, foi algo maravilhoso e inesquecível.

Nunca saberemos se os desaparecidos em combate estarão mortos ou vivos e, como vamos envelhecendo e morrendo, nós, os que participaram nesta guerra, se temos algum testemunho como este que relato, deviam divulgá-lo, porque o luto numa família faz, pelo menos aos que crêem, acreditar que um dia se encontrarão algures, na vida eterna.

Recebi o requerimento assinado para vir de férias nesse dia e no dia seguinte tomei a vacina para poder viajar. Refiro-me a isso porque nunca percebi qual a razão de sermos vacinados para vir à metrópole.
___________

Nota do editor:

Último poste da série > 23 de maio de 2018 > Guiné 61/74 - P18669: Guiné 61/74 - P18626: Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino dSilva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capítulos 50 e 52: (i) tivemos o primerio ferido em combate, numa sexta-feira, 13 de abril de 1973, sendo evacuado por helicóptero; e (ii) o correio está a chegar atrasado depois de aparecerem os Strela...

1 comentário:

Tabanca Grande disse...

Alguém sabe desta história do "morto-vivo" que foi levado pela FRELIMO para a Tanzânia ? Em que ano é que isto foi ? Como se chamava o irmão do nosso camarada da 3ª CART / BART 6520/72 ? O Dino deve lembrar-se pelo menos do apelido... Esta história é parecida com a do nosso saudoso António da Silva Batista, o nosso "morto-vivo", que infelizmente já morreu de vez.

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.com/search/label/Ant%C3%B3nio%20da%20Silva%20Batista