sábado, 2 de junho de 2018

Guiné 61/74 - P18702: (D)o outro lado do combate (31): Os dois aviões DO-27-A1, da FAP, nºs 3333 e 3470, abatidos em 6 de abril de 1973... Fotos do médico holandês Roel Coutinho (Jorge Araújo)



O nosso coeditor Jorge Alves Araújo, ex-Fur Mil Op Esp/Ranger,
CART 3494 (Xime-Mansambo, 1972/1974).



GUINÉ > (D)O OUTRO LADO DO COMBATE > OS DOIS AVIÕES DORNIER, DO 27-A1,  ABATIDOS POR MÍSSEIS SAM 7 STRELA EM 6 DE ABRIL DE 1973  NA FRENTE NORTE




1. INTRODUÇÃO

Durante o XIII Encontro Nacional da Tabanca Grande, realizado no passado dia 5 de Maio em Monte Real, tive a oportunidade de conversar com os nossos ilustres aviadores da FAP, e camaradas, Miguel Pessoa e António Martins de Matos a propósito dos acidentes da aviação militar durante a guerra na Guiné e, de entre estes, sobre os dois Dornier - DO 27-A1, com as matrículas FAP 3333 e FAP 3470, abatidos em 6 de Abril de 1973, na região Norte do território, pelo grupo de artilharia antiaérea do PAIGC, do cmdt Manuel dos Santos, 'Manecas', com recurso a mísseis Sam 7 Strela.

No aprofundamento desta temática,  apresentei-lhes um conjunto de imagens recolhidas na Net pertencentes à colecção de fotos do médico holandês Roel Coutinho que cooperou, nos anos de 1973 e 1974, com o PAIGC, tendo prestado apoio clínico aos guerrilheiros na Região Norte, tanto em bases no interior do território como no hospital em Ziguinchor, no Senegal.

E as imagens apresentadas tinham a ver com aqueles dois Dornier abatidos. No final, concluímos que sobre estes dois casos não se conhecem registos fotográficos dos "acidentes" pelo que é credível estarmos perante "imagens únicas",  gravadas pela câmara do clínico holandês.

De acordo com a decisão tomada pelo doutor Roel Coutinho [hoje reputado médico microbiologista, epidemiologista e professor universitário jubilado] de autorizar o uso das suas imagens para qualquer finalidade, desde que a sua autoria seja devidamente atribuída, conforme consta na caixa abaixo, decidi partilhá-las convosco como provas históricas, e "memórias", gravadas durante a nossa presença no CTIGuiné.



Wikimedia Commons > ASC Leiden > Coutinho Collection > G05 > Ziguinchor, Senegal > Infirmary ambulance stuck in the mud [Ambulância atolada na picada; Roel Coutinho, o médico e fotógrafo holandês, junto à viatura, do lado do condutor]

[Foto da série  Roel Coutinho Guinea-Bissau & Senegal Photographs (1973 - 1974) Fonte: Wikimedia Commons, com a devida vénia].





2. OS AVIÕES DORNIER - DO 27-A EM 6 DE ABRIL DE 1973

Foram dois os aviões abatidos no dia 6 de Abril de 1973 - "DO 27-A1, matrícula «FAP 3333» e DO 27-A1, matrícula «FAP 3470».

Segundo informações recolhidas no blogue Acidentes da Aviação Militar, no poste de 28 de novembro de 2016, "Dornier DO 27, o "DO 3333" cai em Guidaje, tendo falecido o piloto furriel Fernando António Carvalho Ferreira e mais três ocupantes [vidé caixa abaixo].

De acordo com o referido por Nuno Mira Vaz, coronel de cavalaria na reserva, no seu livro "Guiné -1968 e 1973 – Soldados uma vez, sempre soldados!" (Tribuna da História-Edição de Livros e Revistas, 2003, p.60), "este avião nunca mais foi visto".




Será que a imagem abaixo é a do DO 27-A1 3333 [submerso],  desaparecido,  que foi captada pela câmara do doutor Roel Coutinho? É possível.

Fonte: Wikimedia Commons, com a devida vénia].


Quanto ao outro "DO 3470", e de acordo com a mesma fonte anterior, este é perdido em Talicó, tendo falecido o piloto furriel João Manuel Baltazar da Silva e mais dois tripulantes [vidé caixa abaixo].

Ainda, segundo Nuno Mira Vaz, este refere no livro acima citado, p. 60,  que "um DO-27 pilotado pelo furriel Baltazar da Silva partiu de Bissalanca para uma missão de apoio a um sector de batalhão a norte do rio Cacheu. Numa das movimentações, transportando um médico e um sargento de Bigene para Guidaje, o avião não chegou ao destino. […] O DO-27 desaparecido acabou por ser localizado algures no mato, entre Bigene e Guidaje. Transportado de imediato para o local, em helicópteros, um pelotão de paraquedistas limitou-se a constatar a morte de quatro [três?] ocupantes".



Eis algumas imagens do DO 27-A1, matrícula FAP 3470,  caído entre Bigene e Guidage, como é referido na literatura consultada, obtidas pela câmara do doutor Roel Coutinho, que se encontra ao centro da foto acima reproduzida [Foto nº D09]

Mais fotos do DO 27-A1, FAP 3470, abatido pelo PAIGC, por uma míssil SA - 7, Strela, em 6 de abril de 1973.













 Foto, a seguir,  do DO 27-A1 3430, cruzando os céus da Guiné… como exemplo.



O Dornier DO 27 é um avião monomotor, asa alta, trem de aterragem convencional fixo com a capacidade de transportar seis passageiros ou o equivalente em carga. [Fonte; Blogue Últimas curiosidades > 19 de março de 2012 >  Guerra Colonial - O Dornier DO 27 na Guerra do Ultramar, com a devida vénia...]

Com um forte abraço de amizade e votos de muita saúde.

Jorge Araújo.

31MAI2018.

___________________

Nota do editor:

5 comentários:

Tabanca Grande disse...

... Foi um tempo duro para os nossos camaradas que estavam no TO da Guiné... De repente, o chão começou a fugir dos "nossos pés"... Houve uma escalada da guerra, que se internacionalizou com o assassinato de Amílcar Cabral. Os russos aumentaram a parada, o Strela modificou a correlação de forças... Não decidiu a guerra, mas deixou-nos mais fragilizados e desmoralizados. O correio passava a chegar mais tarde, os helis passavam a voar mais perto da copa das árvores, e os Fiat mais alto, a 6 mil pés... O que viria a seguir ? Podia.se especular... O outro grande golpe, quer se queira quer não, foi a proclamação unilateral da independência e o crescente reconhecimento da Guiné-Bissau...por parte de dezenas de Estados )não alinhados, mais os do bloco soviético)... A verdade é que ficámos "desarmados", no duplo sentido da palavra...

Era bom que mais camaradas que estiveram lá, neste tempo, viessem aqui dar o seu testemunho... O que é que sentiam ? O que é que pressentiam ? Que notícias e boatos chegavam aos seus aquartelamentos e destacamentos ? Como estava o "moral" das NT ?

Ab, Luís

Tabanca Grande disse...

Estas fotos não enganam, o PAIGC movimentava-se com relativa liberdade, nas zonas fronteiriças, a norte, a leste e a sul da Guiné... Podemos discutir o conceito de "áreas libertadas", mas a verdade é que o PAIGC sempre teve, ao longo da guerra, alguns santuários que só podíamos alcançar por "via aérea" (operações cirúrgicas, helitransportadas, bombardeamentos da FAP e da nossa artilharia) ou então por "via terrestre", na época seca (entre janeiro e março), com grandes efetivos (8 grupos de combate, no mínimo).

Anónimo disse...

jorge araujo

2 JUN 2018 20:30

Caro Luís,

Não tenho muito a acrescentar em relação ao que diz a literatura sobre este tema e que, grosso modo, está publicado.

A DO 3333 abatida em Guidaje, que na foto do Roel Coutinho aparece submersa, é muito provável que tenha caído na linha de fronteira, num plano de água de um afluente do rio Casamansa, no Senegal.

A DO 3470 abatida em Talicó, essa não deixa dúvidas... A sua queda foi em território da Guiné, entre Bigene e Guidaje (mapa de Binta).

Por outro lado, se a sequência das fotos do Roel Coutinho corresponderem à ordem dos locais por onde passou ou esteve acampado, entre 1973 e 1974, então as primeiras imagens dos DO foram as do 3470, seguindo-se a outra que está submersa, a do 3333. É que a chegada à Guiné do Coutinho aconteceu dois/três meses antes e a primeira referência que faz aos locais por onde andou foi Campada (base situada entre S. Domingos e Ingoré).

Anexo 3 mapas para melhor análise.

Bom domingo,

Ab. Jorge Araújo.

Afonso Sousa disse...

De Talicó* á fronteira com o Senegal, são (em linha reta) cerca de 8 Km. Portanto há uma quase garantia de que a DO abatida junto a Talicó, caiu em território da Guiné.
Esta era uma zona de grande atividade operacional, uma espécie de zona tampão na baixa entre Talicó e Sambuiá por onde passava o chamado corredor de Sambuiá, através do qual o IN fazia abastecimentos da sua base de Morés, desde o Senegal. Morés, recorde-se, era um dos grandes acampamentos do PAIGC, onde se concentravam todas as operações e comandos da chamada “Frente Norte”.

* zona onde a CART 2412 teve a sua primeira e única baixa, em combate, em 21 set.1968

Anónimo disse...

Camaradas,

Para os devidos efeitos, dá-se conta que este poste foi publicado no sítio especialistasdaba12.blogspot.com (Especialistas da Base Aérea 12 Guiné 65/74) no «VOO 3516» - com o título "O que muitos de nós desconhecíamos".

Cito o conteúdo da introdução:

"Companheiros,
Mais uma vez a fraterna relação de amizade entre a nossa “Base” e o Blogue do Luis Graça & Camaradas da Guiné, se evidência.
A notícia é para muitos de nós uma verdadeira surpresa, não só nas fotos, mas recordo que sempre pairou entres nós a incógnita sobre o acidente do Fur. Pil. Ferreira, desde o ser abatido a se ter “passado” para o lado de lá, tudo se disse".

Um bom domingo para todos.

Abraços, Jorge Araújo.