quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

Guiné 61/74 - P22942: O que é feito de ti, camarada ? (15): Abel Rei, ex-1º cabo, CART 1661 (Fá, Enxalé, Bissá, Porto Gole, 1967/68), autor do livro, "Entre paraíso e inferno, de Fá a Bissá, memórias da Guiné, 1967/68... O João Crisóstomo manda-te um "hello", de Nova Iorque



O Abel Rei, foto atual  da sua página no Facebook.



Abel de Jesus Carreira Rei – Entre o Paraíso e o Inferno: De Fá a Bissá: Memórias da Guiné, 1967/1968. Prefácio do ten gen Júlio Faria de Oliveira. Edição de autor. 2002. 171 pp. (Execução gráfica: Tipografia Lousanense, Lousã. 2002).



O Abel Rei autografando o seu livro (, presume-se que pro volta de 2002, numa sessão de lançamento). Foto da sua página no Facebook.



Almeirim > 10 de maio de 2014 > XXIII Encontro do pessoal da CCAÇ 1439, Pel Caç Nat 52, Pel Caç Nat 54, e Pel Mort 1028, que passaram pelo Enxalé (1965/67). 

 O Abel Rei é o primero da primeira fila, do lado direito. Alguns camaradas nossos conhecidos (e membros ds Tabanca Grande): Henrique Matos (Pel Caç Nat 52), José António Viegas (Pel Caç Nat 54), Júlio Pereira (CÇAÇ 1439). 

O "Mafra" é a alcunha do Manuel Calhanda Leitão, também já convidado para integrar a Tabanca Grande: foi o organizador do último encontro do pessoal em 18 de maio de 2019, na Ericeira... 

Em 2010, houve um encontro histórico, deste pessoal, o 19º Encontro, onde estiveram presentes, entre outros, o Henrique Matos, o Mário Beja Santos, o Jorge Rosales, o João Crisóstomo, o madeirense António Freitas (um dos quatro alferes da CCAÇ 1439), o João Neto Vaz, o Luís Cunha, e outros.

Foto (e legenda): © Henrique Matos (2014). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem de João Crisóstomo (ex-alf mil at inf, CCAÇ 1439, 1965/67; a viver em Nova Iorque, desde 1977):

Data - sábado, 22/01, 17:01 (há 4 dias)
Assunto - Contacto do Abel Rei


Meus caros Luis Graca e Carlos Vinhal,

Numa das vezes que estive em Portugal num dos encontros/convívios em que tive oportunidade de estar presente ( deve ter sido em Monte Real, mas não tenho a certeza) deparei com o Abel Rei que na altura até me autografou o seu livro “Entre o Paraíso e o Inferno”. 

 Quando cheguei arrumei o livro com intenção de o ler logo que oportunidade surgisse mas o tempo foi passando e o livro acabou mesmo por ficar esquecido no meio de muitos, alguns deles esperando que tempo e ocasião se proporcionassem. 

Tenho quase vergonha do meu lapso mas a verdade é que, tendo várias vezes ouvido e lido das duas memórias me esqueci completamente que tinha o livro dele comigo. E ontem ao procurar algo na estante deparei com o livro dele. Comecei logo a lê-lo e já vou quase a meio.

Procurei mas o nome do Abel Rei não consta na lista que o Carlos Vinhal fez o favor de me enviar em Julho do ano passado. Talvez vocês ou algum outro camarada tenha essa informação. Se for o caso podem-me ajudar?

Embora tarde quero-o contactar; não só para o felicitar pelo seu livro, como para lhe pedir desculpa de só agora o fazer. Foi falta grande da minha parte, "mea culpa mea culpa”, mas... antes tarde do que nunca! 

 Até porque ao ler o livro verifico que nos meses de Fevereiro e Março de 1967 andamos pelos mesmos sítios: eu ainda estava na Guiné, quase de saída; e ele, ainda periquito descreve as suas primeiras impressões de Enxalé, Finete, Porto Gole, Mato Cão… escrevendo :” fiz a mais dura viagem… numa estrada com quase trinta quilómetros… cheia de buracos…com perto de um metro de fundo…"

Nas páginas 38 e 39 descreve uma saída, que já eu tinha esquecido, mas que ao ler o livro me veio à memória com muita nitidez. Porque na zona de Bissá havia muito gado bovino era lá que a nossa companhia “ se abastecia” … Recordo bem que nessas saídas ao mato, procurando víveres,   nunca faltava o nosso furriel/enfermeiro Geraldes que a si mesmo tinha chamado o cargo de cuidar das vacas e bezerras,( o que deu azo a muitas peripécias de morrer a rir, que agora me vêm à lembrança.

Eu fiz parte dessa saída que o Abel Rei menciona e que me parece merecer ser descrita: ”Saímos a pé, por uma enorme bolanha, toda coberta de capim com mais de dois metros de altura, pelas três e meia da madrugada, com destino a Bissá, onde chegámos às sete meia, para fim, quase exclusivamente, de compra de gado bovino.”

Lembro bem que o capitão Pires ( da nossa CCaç 1439) fazia questão de ser sempre ele mesmo a fazer essas negociações, como muito bem descreve o Abel Rei : 

”Instalámo-nos em redor das tabancas, para montar segurança ao capitão da CCaç 1439 ( ele diz Cart nº 1439) enquanto (este) negociava com os nativos , vistos os mesmos tanto nos venderem a nós, como aos nossos inimigos. “ (...).  “foram mais de cindo horas, de aldeia em aldeia"… “o calor era intenso”…” e com imenso desgaste de energias até à exaustão”. 

E o Abel Rei, então ainda periquito, pergunta-se e pondera:” hoje pude avaliar quão grandes teriam sido as dificuldades que os nossos antecessores sofreram, e eu ainda terei de sofrer(?)”…" bebia-se todo o líquido que nos aparecia, quer nas poças do terreno, ou nos poucos cursos de água, fosse ela da cor que fosse”...

Nas páginas 55 do seu livro menciona:  “...a 26 de Março ( 1967) esta companhia passou do aquartelamento de Fá para o de Enxalé a fim de render a CCaç 1439….”

 Ora eu lembro-me ter partido/saido de Missirá onde estive estacionado nos últimos dias antes do regresso; portanto não estava em Enxalé quando ele chegou, com a Companhia dele,  para render a CCaç 1439. Por isso não recordo ter feito conhecimento com ele na altura . Mas gostava mesmo de o chamar pelo telefone; e se não for pelo telefone será mesmo por E-mail...( talvez ele me forneça depois o número dele ).

(...) Se tiverem não se esqueçam do contacto do Abel Rei, OK?

Aos dois, e às vossas melhores metades, e demais queridos um grande abraço
João e Vilma


 2. Comentário do editor LG:

João, o Carlos Vinhal já te forneceu o endereço de email do Abel Rei. Não temos o seu número de telemóvel. Sabemos que mora na Marinha Grande, mas o nosso camarada Joaquim Mexia Alves, seu vizinho,  também não tem notícias dele. Faz anos a 30 de março, mas não tem feito a competente "prova de vida"... 

A sua página no Facebook está inativa desde 31 de março de 2021, o que pode não ser bom sinal...  Nessa altura agradeceu os parabéns que lhe deram amigos  e camaradas, incluindo o José António Viegas, do Pel Caç Nat 54, e o Henrique Matos, do Pel Caç Nat 52.

O Abel de Jesus Carreira Rei, ex-1º cabo, CART 1661 (1967/68), ou simplesmente Abel Rei, tem 17 referências no blogue, é amigo da página do Facebook da Tabanca Grande, é autor de um livro de memórias sobre a sua passagem na Guiné, já participou num dos nossos encontros nacionais, o IV, em Ortigosa, Monte Real, Leiria, em 2009. Mas, por lapso nosso, só foi registado formalmente como membro da Tabanc Grande em 2019 (**)


3. Mensagem do João Crisóstomo dirigida ao Abel Rei:

Data - domingo, 23/01/2022, 14:13  
Assunto - Hello de Nova Iorque



Caro Abel Rei,

Estou em dívida para contigo. Num encontro passado tive a oportunidade de te cumprimentar e na altura até me autografaste o teu livro diário sobre a tua experiência na Guiné. Tinha intenção de o ler logo que chegasse, pois várias vezes tinha ouvido falar de ti; mas não o fiz logo e…mea culpa mea culpa, o tempo foi passando. 

Ontem ao vascular prateleiras deparei com ele. Peguei-o e comecei a ler. Só interrompi a leitura porque tinha de ir a Nova Iorque. Mas quando voltei peguei nele de novo e foi de uma assentada até à ùltima página. 

Verifico que calcorreamos muitos lugares comuns, novidade para mim. Foi uma enxurrada de emoções. Mas sobre estas coisas não dá para falar muito por E mail. Na próxima oportunidade que estiver em Portugal , dentro de alguns meses, espero, temos de nos encontrar, pode ser? Entretanto, se não te importas, dá-me o teu contacto telefónico e eu ligo para ti.

Quero-te dizer pessoalmente da minha admiração, quase inveja , pela tua ideia de ires escrevendo as tuas impressões e experiências na Guiné quando as ias vivendo. Ao fazê-lo enriqueceste a tua vida e a de muitos outros , como a minha agora. Obrigado.
Um grande abraço com muita amizade

João Crisóstomo, Queens, Nova Iorque 

[ Seguem na mensagem os contactos e a morada do nosso camarada luso-americano, que não publicamos por razões de privacidade e segurança, embora ele se nos autorize a sua divulgação ]

______________

Notas do editor:
 

1 comentário:

Eduardo Estrela disse...

Na fotografia do almoço em Almeirim realizado em 10 de Maio de 2014, o camarada assinalado como Joaquim Viegas é mais exactamente o Joaquim Teixeira, meu querido companheiro e decano dos amadores do Grupo de Teatro Lethes de Faro.
Abraço fraterno.
Eduardo Estrela