sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Guiné 63/74 - P15103: FAP (89): Op Mar Verde: e se os MiG, que existiam de facto, mesmo que pouco operacionais, tivessem sido localizados e destruídos ? (José Matos)

A. Juntando os últimos três  comentários do José Matos ao poste P15100 (*)


[José Matos, nosso grã-tabanqueiro, investigador independente em história militarm, autor do artigo "A ameaça dos MiG na guerra da Guiné", originalmente publicado na Revista Militar, nº 2559, abril de 2015, pp.  327-352,  e no nosso blogue em quatro postes recentes]

Olá,  amigos

Agradeço os comentários. Sobre o Mar Verde dedico uma pequena parte do artigo a isso e gostava de esclarecer alguns pontos.

1- Os guineanos tinham alguns MiG e por pura sorte (para eles) estavam em Labé no dia da [Op] Mar Verde, senão tinham sido destruídos no aeroporto de Conakry pelo pessoal do [cap para] Lopes Morais [, a equipa Sierra].

Isso foi apurado no terreno na altura e temos o testemunho do Alpha Abdoulaye Diallo [,  membro do governo de Sékou Touré, secretário de estado da juventude e desportos, mais conhecidos por "Portos", ] , que telefona para Labé nessa noite a pedir os MiG. Do outro lado da linha, o [cap] Sylla Ibrahima [, responsável da aviação militar,] responde-lhe dizendo que está tudo inoperacional ou melhor dizendo que naquele momento não estavam em condições de voar, pois tinham voado para Labé uns dias antes e não deviam ter nenhum avião preparado. Portanto, temos várias fontes a dizer que estavam em Labé.

2- Mas os guineanos lá conseguiram meter um a voar e apurei através de fonte cubana que era pilotado pelo tenente Hady Canté, que sobrevoa Conakry, a baixa altitude, por volta das nove da manhã, quando as forças portuguesas já tinham embarcado, e detecta na baía de Conakry um barco que julga ser inimigo, mas que era na verdade o Conrado Benitez cubano e abre fogo de canhão contra este barco por engano.

3- Portanto, o Canté vem de Labé com o MiG-17, sinal que os MiG estavam lá.

4- O que falhou na Mar Verde foram as informações… se a malta tivesse sabido que os MiG não estavam em Conakry, teria adiado a operação e podia esperar que voltassem à capital para dar o golpe.

5-Já agora foram para Labé (se não me falha a memória) porque o Sekou Touré,  que era um tipo paranóico,  teve por essa altura um receio qualquer de um golpe militar dentro do seu próprio exército e mandou retirar os MiG da capital por uns tempos… sendo Labé a única opção que tinha. Em Labé, as condições para os MiG também não seriam grande coisa até porque a base teve obras em 1973, como eu digo no artigo, mas, em 1970, era a única opção que havia em relação a Conakry.

Um outro aspecto que eu gostava ainda de salientar nesta discussão é de facto a baixa operacionalidade dos MiG e  a aselhice dos pilotos guineanos. Podem facilmente imaginar o que era, naquele tempo, em Conakry manter operacional uma pequena esquadra de MiG, quando o pessoal da manutenção era uma desgraça, quando por vezes (ou muitas vezes?) não havia dinheiro para sobressalentes, nem para combustível, quando os pilotos voavam poucas horas por ano, quando a malta da manutenção desviava combustível e peças e por aí fora…portanto imaginem o que era manter uma pequena esquadra operacional, nestas condições!

Os cubanos quando chegaram em 1973 até meteram as mãos à cabeça com o que viram e tiveram logo que chamar o pessoal deles para meter ordem na casa e conseguir ter dois aviões a voar. Acho que o artigo dá uma boa panorâmica sobre isso.

Obviamente que os poucos pilotos guineanos que existiam qualificados para voar MiG, tinham pouco experiência de voo e não admira que depois da chegada dos cubanos voassem sempre com eles e nunca sozinhos.

Não vem no artigo, mas posso contar-vos que uma vez um vai voar com o Trujillo e, se não me falha a memória, o guineano perdeu-se do líder da parelha e o Trujillo nunca mais o viu, só no regresso a Conakry. Portanto, estamos a falar de malta com este tipo de experiência. O caso do Canté em 1970, na Mar Verde, também é engraçado. Então o tipo chega a Conakry e confunde um navio de carga com um navio de guerra?? Então o tipo não vê que já não há barcos de guerra no porto?? Isto mostra bem a falta de experiência.

Calculo que não seria muito diferente com os futuros pilotos do PAIGC. Seriam como os guineanos.

Finalmente sobre a Mar Verde, a decisão do [cmdt Alpoim] Calvão em retirar foi a mais acertada a partir do momento que percebe que não conseguiu eliminar a componente aérea. Fez bem em sair, agora vamos imaginar que a malta tinha apanhado os MiG em Conakry, aí o resultado tinha sido outro…

Se não fosse a incerteza dos MiG nós tínhamos dominado a capital, a cidade já estava de pantanas ao fim da madrugada e o golpe teria tido outra evolução. Foi mesmo falha nas informações… A PIDE devia ter mandado alguém para capital uns dias antes para ver o que se passava, para ver se os MiG estavam lá ou não e recolher informações…não fizeram nada disso e deu no que deu…

Ab

José

B. Sugestão de leitura adicional para os nossos editores:

MARINHO, António Luís - Operação Mar Verde: um documento para a história. S/l: Círculo de Leitores, 2005, 301 pp. [Com introdução de  Guilherme Alpoim Calvão, escrita em Bolama, julho de 2005, pp. 8-11].

Há mais de 50 referências no nosso blogue sonre a Op Mar Verde.



Tira da banda desenhada “Operação Mar Verde”, da autoria de A. Vassalo [ex-fur mil comando Vassalo Miranda, nosso camarada da Guiné], uma edição da Caminhos Romanos, 2012.
__________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 10 de setembro de 2015 > Guiné 63/74 - P15100: FAP (88): A propósito da Op Mar Verde, dos MiG e do artigo do José Matos: Labé ainda hoje não tem uma pista capaz de receber MiG, se eles existiam mesmo só podiam estar em Conacri...Será que a malta foi mesmo ao aeroporto ? (António Martins de Matos, ex-ten pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74)

7 comentários:

Anónimo disse...

Luis
desculpa o nº de telefone do Armando Teixeira
é
259470209
S.João- Cerva
Ribeira de Pena

Luís Graça disse...

José: Tomei a liberdade de juntar as "3 peças" e fazer um texto único, acaba de saír na série FAP, às 12h45.

Que será feito do ex-cap paraquedista Lopes Morais ?

Conheci pessoalmente, em Bambadinca e Fá Mandinga, em 1970, ao tempo da formação da 1ª CCmds Africanos, o ten Januário que. no decurso da Op Mar Verde, se recusou a ir ao areoporto e acabou por se entregar às autoridades locais, sendo depois usado para denunciar o "golpe", condenado e executado umas semanas depois, mais os 20 homens, fulas... Pertencia à equipa Sierra, do Lopes Morais. Ouvi, na rádio, com angústia e pena, os seus interrogatórios, em francês, propagandísticos e desmoralizadores...

Ab. Luís

Cherno Balde disse...

Caro Luis Graca,

Esta tua conclusao carece de contraditorio e foi usada pelo regime ou pelo generalato do CTIG, na altura, para justificar o falhanco da operaca na sua generalidade. O Ten. Januario e os seus homens eram COMANDOS AFRICANOS...COMANDOS AFRICANOS...que podiam nao concordar com certas ordens superiores, mas nunca poderiam pactuar com o inimigo.

Ja se discutiu sobre o tema aqui no blogue e existe a versao de que foram abandonados na precipitacao da retirada. No caso vertente, convem esgotar todas as hipoteses antes de proferir afirmacoes que podem ser erroneas e nao dignificam a prestacao de homens que sempre foram leais ao seu juramento de honra.

Com um abraco amigo,

Cherno Balde

Ultramar Naveg disse...

... everybody knows: "What If", apenas em filmes!

Ultramar Naveg disse...

... resposta a Luís Graça: veja o que consta aqui >
ultramar.terraweb.biz/LuisBettencourt_2012_03_06.htm

Ultramar Naveg disse...

... Cherno Baldé, está equivocado: a equipa comandada pelo Ten CMD Januário, desertou, de facto (seja, passou-se para o outro lado... mas apenas por poucos meses, pois todos vieram a ser fuzilados em Conackry, a mando de Sekou Touré). Pf não construa "teorias de conspiração", para justificar a sua ideia sobre o que qualifica como «falhanço da operação na sua generalidade».
Na realidade, houve um grupo que não logrou chegar à zona do cais a tempo de reembarcar nos zebros e foi abatido pelos perseguidores: os nomes de 20 militares da 1ªCCmdsAfr, constam a pp.22/3 de um pdf online no portal UTW (Mortos na Guerra do Ultramar, nascidos na Guiné).

Ultramar Naveg disse...

... (rectificação: onde se lê 20, leia-se 18; 2 'comandos' tinham falecido em combate, aquando do assalto ao quartel da guarda republicana; são os militares cujas naturalidades se encontram referidas no citado documento)