quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16991: (D)o outro lado do combate (Jorge Araújo) (4): O I Congresso do PAIGC em fevereiro de 1964, em Cassacá, a sul de Cacine, e a importância social da saúde e da instrução literária, analisada na base central do Morés em março de 1964 - Parte I


Guiné > Região de Tombali > Carta de Cacine (1960) > Escala 1/59 mil > Posição relativa de Cassacá, a 15 km a sul de Cacine, região também como conhecida como Quitafine.

 Fonte: Infogravura: Blogue Luís GRaça & Camaradas da Guiné (2017)


Capa do livro de memórias de Luís Cabral [1931-2009]: Crónica da Libertação.  Lisboa, Edições ‘O Jornal’. Publicações Projornal, 1984. 464 pp. O autor foi uma testemunha privilegiada deste congresso, o 1º e único a que assistiu Amílcar Cabral.  Sobre o local em que se realizou (a 15 km a sul de de Cacine, e não na ilha do Como...), vd. poste de Carlos Silva, de 3/4/2009  (*)



[O nosso colaborador assíduo do blogue, Jorge Araújo (ex-Fur Mil Op Especiais da CART 3494. Xime e Mansambo, 1971/74): tem já mais de 110 referência no nosso blogue; ainda está no ativo, é professor universitário, doutorado em ciências do desporto. Este texto, a publicar em duas partes, foi submetido ao blogue em 4 de janeiro de 2017]


O I CONGRESSO DO PAIGC EM FEVEREIRO DE 1964 NO SUL E A IMPORTÂNCIA SOCIAL DA SAÚDE E DA INSTRUÇÃO LITERÁRIA, ANALISADA NA BASE CENTRAL (MORÉS) EM MARÇO DE 1964 

1. INTRODUÇÃO

Concluído o tradicional ciclo festivo anual, onde as dimensões tempo e espaço são reservadas, maioritariamente, para os núcleos familiar e sociais mais próximos, primeiro o Natal e depois a despedida do ano velho, alargado a outros pares por razões diferentes, retomamos quase sempre as rotinas anteriores, ainda que se reformulem expectativas e se acrescentem outras, em resultado de novos desejos e objectivos, na maioria das vezes influenciados pelo imemorial ditado popular «ano novo, vida nova».

Dito isto, e nesta oportunidade, ainda venho a  tempo de vos desejar  um Melhor Ano de 2017.

Quanto à temática prospectiva das minhas narrativas, que espero e desejo dar continuidade neste espaço plural, elas continuarão a cruzar os territórios de cada um dos lados do combate, relevando as diferentes acções e o sentido de cada uma delas, visando alargar a sua dimensão historiográfica como um contributo para memória futura.

Assim, como causa/efeito para a elaboração do presente trabalho de investigação histórica está o estudo sociodemográfico relacionado com o bigrupo do cmdt Mário Mendes (1943-1972) [apresentado no P16865], a que se adiciona os comentários do meu/nosso camarada Pereira da Costa [P16891], em particular quando se refere à baixa preparação literária dos guerrilheiros, considerada como realidade inquestionável.

Porque cada comentário, independentemente da sua pertinência ou assertividade, nos permite abrir uma ou mais “janelas” de novas abordagens, o presente texto é disso consequência e/ou exemplo concreto.

Uma vez que só a partir de 1966 foram elaboradas pelo organismo de Inspecção e Coordenação do Conselho de Guerra as listas das FARP referentes à constituição dos bigrupos existentes em cada Frente, onde em muitas delas nada consta sobre a variável «formação escolar» de cada individuo, procurámos indagar sobre o que pensavam, naquela época, os principais dirigentes do PAIGC sobre esta problemática.

Para o efeito utilizámos uma vez mais, como fonte de informação privilegiada, a Casa Comum, Fundação Mário Soares, que agradecemos, reforçada com consultas ao vasto espólio do nosso blogue, com especial destaque e a devida vénia aos trabalhos de recensão - «Notas de Leitura» - do camarada Beja Santos.

Neste contexto e como cronologia de partida, recuámos ao ano de 1964, em particular aos fundamentos que levaram à realização do I Congresso do PAIGC, organizado numa área próxima da tabanca de Cassacá, situada a cerca de quinze quilómetros a sul de Cacine (*), e que serão resumidos no ponto seguinte.


2. I CONGRESSO DO PAIGC – CASSACÁ [FRENTE SUL] 
 DE 13 A 17 DE FEVEREIRO DE 1964

O tema sobre a realização do I Congresso do PAIGC, organizado entre 13 e 17 de fevereiro de 1964, por proposta de Luís Cabral (1931-2009), em Cassacá, base situada a quinze quilómetros a sul de Cacine e a trinta da fronteira com a Guiné-Conacri, foi já abordado nos P4122 (Luís Graça) e P4137 (Carlos Silva) (*).

Ainda assim, voltamos a ele com uma dupla intenção.  Por um lado, recuperando o processo histórico mais global, e por outro adicionando-lhe outros elementos particulares incluídos na organização e na vida interna do PAIGC, nomeadamente nas bases criadas no interior do território, como instrumentos de mobilização e motivação para prosseguirem a luta.

É de relevar que os antecedentes do Congresso, a visita de Luís Cabral à zona de Quitafine e tabanca de Cassacá em finais de 1963 [quiçá na perspectiva de “ano novo, vida nova”], as informações recolhidas em todos os contactos estabelecidos com os combatentes e aquelas que lhe chegavam das frentes, levaram a que o irmão [Amílcar Cabral; 1924-1973] aceitasse, como necessária, a realização de uma reunião geral dos quadros responsáveis pelo Partido, no sentido de se poder discutir e aprofundar esta questão, de maneira a tirar dela todas as lições para o futuro, numa altura que estava concluído o primeiro ano da luta armada.

Os fundamentos que estão na base deste projecto de intenções, bem como o desenvolvimento de cada uma das diferentes acções previstas para antes, durante e depois deste I Congresso podem (devem) ser consultadas no livro de memórias de Luís Cabral: “Crónica da Libertação”, (1984), Lisboa, Edições ‘O Jornal’. Publicações Projornal. [Vd. imagem da capa, em cima. ]

Por isso, é da mais elementar justiça referir aqui o importante trabalho de recensão realizado pelo camarada Beja Santos sobre esta obra que, em função do seu valor e extensão, teve de ser dividido em cinco partes: – P7216; P7223; P7232; P7241 e P7259.

Com a devida vénia, aproprio-me, neste contexto histórico, de uma passagem da sua autoria [P7232] onde refere: 

“Em finais de 1963, Luís Cabral faz a primeira visita ao Quitafine, a partir de Sangonhá, depois partiram para a base de Cassacá, onde foi recebido por Manuel Saturnino [da Costa; n-1945-]. Em Cacine estava instalado o primeiro quartel das tropas portuguesas, a que se seguiu Gadamael. Segundo Luís Cabral, as tropas portuguesas estavam confinadas a Cacine. 

As viagens eram morosas e dolorosas, entre a estrada de Boké e a fronteira. Depois vem uma frase enigmática: o Amílcar e o Aristides [Pereira; 1923-2011] foram as únicas pessoas com quem falei sobre os graves problemas que existiam nalgumas zonas do Sul do país. Este facto trazia-nos dados completamente novos sobre a luta, e provou a fragilidade das imensas conquistas obtidas, postas em causa unicamente por falta de informações precisas e controladas sobre a situação real nas diferentes zonas do país. 

A experiência acabava de mostrar que os jovens responsáveis da guerrilha eram capazes de esconder ao Secretário-Geral informações de importância capital, quando elas pudessem pôr em causa outros responsáveis. O que se estava a passar era que um conjunto de chefes de guerrilha exercia um poder despótico sobre as populações, chegando a cometer crimes inanarráveis. Independentemente de serem jovens, é incompreensível como tais crimes sistemáticos eram escondidos dos quadros políticos. Como se verá no Congresso de Cassacá, estes criminosos (cuja relação nunca vai aparecer talhada em qualquer documento) serão sumariamente executados, no termo desta reunião”.


2.1. FOTOGALERIA DO I CONGRESSO DO PAIGC - 1964


Fotos a seguir reproduzidas, com a devida vénia, do portal Casa Comum, desenvolvido em boa hora pela  Fundação Mário Soares , e donde constam, entre dezenas de outros, dois preciosos arquivos, o Arquivo  Amilcar Cabral e o Arquivo Mário Pintio de Andrade, que são duas fontes valiosíssima para o conhecimento da guerra colonial, em particular  na Guiné, e que devem ser devidamente divulgados pelos antigos combatentes de ambos os lados.



Amílcar Cabral veio de base de Boké, na Guiné-Conacri, no barco a motor que se vê ao fundo. Em março de 1973, o PAIGC havia capturado, no porto de Cafine, dois barcos comerciais, o “Mirandela” e o “Arouca”- Depois de rebatizados, passam a servir no transporte de homens e material. O barco que se vê seria um destes dois que foram aprisonados. Passou a ser chamado "Unidade". Sabemos, pela descrição detalhada feita por Luís Cabral (e é a única de que infelizmente dispomos, unilateral, e aparentemente credível),  que a Amílcar e a sua comitiva vieram de Boké, de noite, desembarcando, com a maré alta, na ilha de Canefaque. Seguiram até Cassabetche, a pé, e aqui foram transportados de canoa, com escolta. A viagem até Cassacá foi feita a pé, utilizando  troço da estrada que seguia junto à fronteira...

O congresso realizou-se nas proximidades de Cassacá, num local bem protegido pela floresta. A aldeia de Cassacá, a 15 km a sul de Cacine, a 30 km, a oeste da fronteira com a Guiné-Conacri,  tinha sido destruída pela aviação portuguesa, mas fora reconstruída. O PAIGC considerava já Quitafine como "área libertada". As tropas portuguesas estavam confinadas a Cacine,  mas havia já a norte  um pequeno destacamento em Gadamael Porto. (Recorde-se que estamos  em plena batalha.do Como, Op Tridente.).

Tirando Manuel Saturnino Costa, então com 19 anos, já não deverá haver mais dirigentes e comandantes do PAIGC, vivos, que tenham estado em Cassacá, em fevereiro de 1964. A versão, publicada, de Luís Cabral será, assim,  aquela que "ficará para a História"... 

  [ Fonte: adapt de Luís Cabral [1931-2009]: Crónica da Libertação.  Lisboa, Edições ‘O Jornal’, 1984, pp. 162 e ss.] (*)


Pasta: 05359.000.020
Título: Amílcar Cabral e outros companheiros a caminho do I Congresso do PAIGC
Assunto: Amílcar Cabral e Armando Ramos, entre outros, a bordo de uma canoa, a caminho do I Congresso do PAIGC, em Cassacá.
Autor: Luís Cabral
Inscrições: A caminho de Cassacá 
Data: 1964
Fundo: DAC - Documentos Amílcar Cabral

Citação: Luís Cabral (1964), "Amílcar Cabral e outros companheiros a caminho do I Congresso do PAIGC", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43297 (2017-1-3)


Pasta: 05224.000.047
Título: Amílcar Cabral e grupo de dirigentes do PAIGC a caminho do Congresso de Cassacá
Assunto: Amílcar Cabral, Quecuta Mané, Armando Ramos, entre outros, a caminho do I Congresso do PAIGC, em Cassacá, na Frente Sul.
Data: Quinta, 13 de Fevereiro de 1964 - Segunda, 17 de Fevereiro de 1964

Observações: O Congresso de Cassacá (que decorreu em simultâneo com a Batalha de Como) reuniu os principais dirigentes políticos e militares do PAIGC e delegados vindos de todas as regiões do país. Entre as principais decisões do Congresso figuram a reestruturação do partido no plano político, o reforço da mobilização e organização das massas populares, e a reorganização da luta armada (criação de comandos inter-regionais, do Conselho de Guerra, e das FARP - englobando a guerrilha, as milícias e o exército popular).

Fundo: DAC - Documentos Amílcar Cabral
Tipo Documental: Fotografias

Citação: (1964-1964), "Amílcar Cabral e grupo de dirigentes do PAIGC a caminho do I Congresso de Cassacá", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43071 (2017-1-3)


Pasta: 05360.000.030T
Ttulo: Amílcar Cabral e outros responsáveis do PAIGC no I Congresso do partido em Cassacá, na Frente Sul
Assunto: Amílcar Cabral e outros responsáveis do PAIGC, entre os quais Domingos Ramos, durante o I Congresso do partido em Cassacá, na Frente Sul.
Data: Quinta, 13 de Fevereiro de 1964 - Segunda, 17 de Fevereiro de 1964
Fundo: DAC - Documentos Amílcar Cabral
Tipo Documental: Fotografias

Citação: (1964-1964), "Amílcar Cabral e outros responsáveis do PAIGC no I Congresso do partido em Cassacá, na Frente Sul", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43300 (2017-1-3


Pasta: 07223.002.043
Título: I Congresso do PAIGC em Cassacá
Assunto: I Congresso do PAIGC em Cassacá [região libertada do sul da Guiné-Bissau]. Amílcar Cabral (na mesa), comandantes (sentados em redor da mesa), milicianas (de pé) e população.
Data: Fevereiro de 1964
Fundo: Arquivo Mário Pinto de Andrade
Tipo Documental: Fotografias

Citação: (1964), "I Congresso do PAIGC em Cassacá", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_85095 (2017-1-3)


Pasta: 05224.000.046
Título: Abdulai Barry, Arafam Mané, Amílcar Cabral, Domingos Ramos e Lai Sek no I Congresso do PAIGC, em Cassacá.
Assunto: Abdulai Barry, Arafam Mané, Amílcar Cabral, Domingos Ramos e Lai Sek, durante o I Congresso do PAIGC, em Cassacá, na Frente Sul.
Data: Quinta, 13 de Fevereiro de 1964 – Segunda, 17 de Fevereiro de 1964.

Fundo: DAC – Documentos Amílcar Cabral.
Tipo Documental: Fotografias.

Citação: (1964-1964), "Abdulai Barry, Arafam Mané, Amílcar Cabral, Domingos Ramos e Lai Sek no I Congresso do PAIGC, em Cassacá", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43444 (2017-1-3)

3 comentários:

Tabanca Grande disse...

Em história tem que haver sempre alguém que faça o papel de "cardeal diabo"... E se o congresso não foi mesmo em Cassacá ? E se foi já dentro do território da Guiné-Bissau ? Contrariamente ao local onde foi proclamada a independência da Guiné-Bissau, motivo de controvérsia no nosso blogue (, definitivamente não foi em Madina do Boé, nem talvez no território da ex-Guiné portuguesa...), Cassacá parece-me ser mais pacífico... Mesmo assim, terá uma escolha arriscada... Uma simples bomba da aviação portuguesa (... mas havia não havia a BA 12, nem os Fiat G-91) e toda a cúpula do PAIGC seria dizimada...

Tabanca Grande disse...

Não conheço em detalhe a versão do Aristides Pereira sobre o congresso de Cassacá, mas julgo que vai no sentido da versão de Luís Cabral.

A importância histórica deste congresso tem sido sublinhada por diferentes historiógrafos, marcando, entre outros, o triunfo do princípio fundamental do PAICG, o da subordinação do poder militar ao poder político... 'Nino' Vieira terá subvertido este princípio, com o golpe de Estado em 1980, abrindo a "caixinha de Pandora"...

António José Pereira da Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.