terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Guiné 61/74 - P18362: Agenda cultural (629): Conferência Internacional "Amílcar Cabral: O 'Combatente Anónimo' pelos Direitos Fundamentais da Humanidade". Lisboa, 1, 2 e 3 de março de 2018, Universidade NOVA de Lisboa, Instituto de História Contemporânea, Av Berna, 26 C


Organização: Instituto de História Contemporânea (IHC) da Universidade NOVA de Lisboa,
e Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da Universidade de Coimbra.

 A conferência procura "promover o diálogo entre os estudos mais recentes que exploram as inúmeras facetas de Amílcar Cabral". Infelizmente não conseguimos apurar se o evento é aberto ao público não académico, se há inscrições prévias, como é nornal,  etc. Lamentavelmente, os académicos funcionam às vezes "em circuito fechado", falando apenas uns para os outros... 

Tentei, esta tarde, ligar, em vão, para o nº de telefone do IHC: Tel.: +351 21 7908300 ext. 1545 / Email: ihc@fcsh.unl.pt.

Aqui  fica o programa do evento que nos pediram para divulgar. Aqui fica também a página do Instituto de História Contemporânea.da NOVA .


Amílcar Cabral: O “Combatente Anónimo” pelos Direitos Fundamentais da Humanidade

Conferência Internacional
Lisboa, Portugal
Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa
Salas Multiusos 3 e 2, Edifício I&D, Piso 4
1, 2 e 3 de março de 2018

PROGRAMA

1 de março, 5* feira


9:00h-9:30h – Sessão de abertura

9:30h-10:15h – Conferência inaugural

Julião Soares Sousa – Universidade de Coimbra; Universidade Nova de Lisboa
Amílcar Cabral, a “Justum Bellum” e o Direito (Jus) dos Povos Oprimidos à Solidariedade e à Felicidade

10:15h-10:30h – Coffee break

10:30h-11:30h – Painel I

Helena Wakim Moreno – Universidade de São Paulo
Amílcar Cabral na Casa dos Estudantes do Império: Circulação de Ideias, Atividade Política e Produção Literária

Luciana Bastos – Universidade de Lisboa
Entre Vários Fogos: O Lugar da Ideologia Marxista no Discurso de Amílcar Cabral

11:30h-12:30h – Painel II

Aharon Grassi – University of California
Amílcar Cabral as an Early Engaged Political Ecologist: Relational Studies of Lusophone Land, Production and Capital Circulation, 1948-61

Maria-Benedita Basto – Institut des Mondes Africains
(Título a definir)

12:30h-14:00h – Almoço livre


14:00h-15:00h – Painel III


Suzana Martins – Universidade de Coimbra; Universidade Nova de Lisboa; Escola Superior de Educação de Lisboa
Amílcar Cabral e a Construção da Unidade Contra o Colonialismo Português


Artemisa Monteiro e Basualdo Gomes – Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
Processo de Mobilização para Adesão à Luta Armada do PAIGC


15:00h-16:00h – Painel IV


Branwen Gruffydd Jones – Cardiff University
The Weapon of Culture: Anticolonial Thought and Practice from Paris and Dakar to Havana and Algiers

Vincenzo Russo – Universidade de Milão
“A Resistência Continua!”: Amílcar Cabral e o Terceiro-Mundismo da Esquerda Italiana

16:00h-16:15h – Coffee break

16:15h-17:00h – Conferência final

Mamadou Kabirou Gano – Université Cheikh Anta Diop
Amílcar Cabral, Anthropologue de la Tension

2 de março, 6ª feira


9:00h-9:45h – Conferência de abertura

Mustafah Dhada – California State University
Amílcar Cabral as an Object of Academic Studies

9:45h-11:10h – Painel V

Luís Carvalho – Universidade Nova de Lisboa
Sofia Pomba Guerra, Uma Mulher Portuguesa na Oposição ao Colonialismo e a Relação de Amílcar Cabral com o Movimento Operário Português

João Manuel Neves – Université Sorbonne Nouvelle-Paris 3
Amílcar Cabral, o Homem: Um Testemunho de Tomás Medeiros


José Augusto Pereira – Universidade Nova de Lisboa
Amílcar Cabral e a Luta de Libertação Nacional nas Ilhas de Cabo Verde na Encruzilhada da(s) Memória(s)

11:10h-11:30h – Coffee break

11:30h-12:50h – Painel VI


Frank Gerits – Utrecht University; University of the Free State 
Amílcar Cabral, the Diplomat and the PR Threat (1964-1974)

Marcos Cardão – Universidade de Lisboa
Amílcar Cabral, PAIGC e os Black Panthers. História de uma Ligação Imaginária

Leonor Pires Martins – Universidade Nova de Lisboa
As Pequenas Biografias de Cabral


12:50h-14:00h – Almoço livre

14:00h-15:20h – Painel VII

Renata Flavia da Silva – Universidade Federal Fluminense
De Nunga a Himba: A Propósito do Homem Novo

Erica Bispo – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
Cabral Vive: A Permanência do Discurso de Amílcar Cabral na Literatura da Guiné-Bissau

Jusciele Oliveira – Universidade do Algarve
”Nossa Inspiração Deve Vir dos Aspectos Positivos da Nossa Sociedade”: Discurso e Memória de Amílcar Cabral nas Representações Cinematográficas de Flora Gomes

15:20h-16:00h – Conferência final
Natalia Telepneva – Warwick University
Amilcar Cabral and the Socialist Countries: New Findings

16:00h-16:15h – Coffee break


16:15h-17:00h – Filme
Apresentação: Rui Lopes – Universidade Nova de Lisboa
Labanta Negro (1966) – Pierro Nelli

3 de março, sábado


9:00h-9:45h – Conferência de abertura

Ângela Coutinho – Universidade Nova de Lisboa
Amílcar Cabral e a Participação de Mulheres no Movimento Independentista Liderado pelo PAIGC (1963-1973)

9:45h-10:45h – Painel VIII


Redy Lima – Universidade Nova de Lisboa; Universidade de Lisboa; Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais
“Street Soldjas”: Uma (Re)Leitura do Pensamento de Cabral a Partir das Narrativas dos Jovens em Situação de Marginalidade em Cabo Verde

Davidson Gomes e Paulino Canto – Universidade de Cabo Verde
O Legado de Amílcar Cabral Reproduzido em Jovens Líderes Comunitários Cabo-Verdianos


10:45h-11:00h – Coffee break

11:00h-12:20h – Painel IX

Adilson Barbosa A. Neto – Universidade de Cabo Verde
A Integração Económica dos Estados da África Ocidental na Perspetiva de Amílcar Cabral: O Exemplo da Unidade Guiné-Cabo Verde

Sílvia Roque – Universidade de Coimbra; ISCTE-Instituto Universtário de Lisboa
Amílcar Cabral: Memórias Transgeracionais

Paulo Cunha e Catarina Laranjeiro – Universidade de Coimbra
Amílcar Cabral: Representações, Imagem e Memória no Cinema


12:20h-14:00h – Almoço livre


14:00h-14:30h – Painel X


José Neves – Universidade Nova de Lisboa
Apresentação do Projecto “Amílcar Cabral, da História Política às Políticas da Memória”


14:30h-17:00h – Mesa Redonda: Fontes e Preservação da Memória de Amílcar Cabral

Moderador: António Leão Correia e Silva – Universidade de Cabo Verde
Pedro Verona Pires – Fundação Amílcar Cabral
Alfredo Caldeira
Centro de Investigação Para o Desenvolvimento Amílcar Cabral
Leopoldo Amado

_____________

Nota do editor:

Último poste da série >  18 de fevereiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18330: Agenda cultural (628): Apresentação do livro "Guiné-Bolama, História e Memórias", da autoria de Fernando Tabanez Ribeiro, dia 26 de Fevereiro de 2018, pelas 15 horas, no Salão Nobre do Palácio da Independência, Largo de São Domingos, 11 em Lisboa (António Estácio)

3 comentários:

Tabanca Grande disse...

A poder ir, gostaria de ouvir, entre outras, a conferência inaugural, do nosso amigo guineense Julião Soares Sousa, autor da melhor biografia, dizem (, ainda não a li...), sobre o Amílcar Cabral... Conheci-o, em 2008, por ocasião do Seminário Internacional de Guileje (Bissau e Guileje, 1-7 de março de 2008).

O titulo não deixa de ser intelectualmente estimulante:

"Amílcar Cabral, a 'Justum Bellum' e o Direito (Jus) dos Povos Oprimidos à Solidariedade e à Felicidade"...

O "justum bellum" (a "guerra justa") é uma "figura jurídica" que nos vem do tempo dos romanos...

Tabanca Grande disse...

Tamb+em gostaria de poder estar, no sábado, 14:30h-17:00h, na Mesa Redonda: Fontes e Preservação da Memória de Amílcar Cabral

Moderador: António Leão Correia e Silva – Universidade de Cabo Verde
Pedro Verona Pires – Fundação Amílcar Cabral
Alfredo Caldeira
Centro de Investigação Para o Desenvolvimento Amílcar Cabral
Leopoldo Amado

Recordo que o Alfredo Caldeira é o Administrador do Arquivo & Biblioteca da Fundação Mário Soares desde a sua criação em 1996. E que o Leopoldo Amado é um dos nossos grã-trabanqueiros da primeira hora... O comandante Pedro Pires foi um dos braços direitos de Amílcar Cabral e um das raras memórias vivas desses tempos de luta. Preside agora à Fundação Amílcar Cabral.

A referência, no programa, ao CIDAC parece estar incorreta, O CIDAC é o Centro de Intervenção Para O Desenvolvimento Amílcar Cabral e não para a INVESTIGAÇÃO... Também não se percebe quem pertence ao CIDAC: se o Alfredo Caldeira, se o Leopoldo Amado...Pequenas gralhas que o programa definitivo espero que corrija...

antonio graça de abreu disse...

Meu caro Luís Graça

Num post mais acima dizes que Amílcar Cabral era "egocêntrico, vaidoso e ingénuo".
Alguém irá referir estas qualidades do líder, no Congresso em apreço? Creio que estarão quase todos no endeusamento político do revolucionário Amílcar Cabral, o Amílcar Cabral que,Luís, consideras "egocêntrico, vaidoso e ingénuo." Eu, que nada sei de revoluções, mas atento à complexidade dos homens, subscrevo as tuas palavras.

Abraço,

António Graça de Abreu