terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Guiné 61/74 - P18360: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XIX: Visita ao território, do Presidente da República Almirante Américo Tomás, com início em 2/2/1968 - II (e última) parte


Foto nº 12


Foto nº 13


Foto nº 14


Foto nº 15


Foto nº 16


Foto nº 17

Foto nª 18

Guiné > Bissau > 2 de fevereiro de 1968 > Início da visita do alm Améri o Tomás à Guiné, acompanhado da esposa, dona Gertrudes Rodrigues Tomás. e do ministro do ultramar. Silva Cinha.


Fotos: © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

1. Continuação da publicação de um seleção de fotos do  álbum do nosso camarada Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69), e que vive em Vila do Conde, sendo economista, reformado. 

Virgílio Teixeira
II (e última) parte da visita presidencial à Guiné, iniciada em 2/2/1968, sendo governador e comandante chefe o gen Arnaldo Schulz (*)-

Esta visita presidencial teve uma extensa cobertura televisiva por parte da RTP. Ver aqui em RTP Arquivos a reportagem do dia 2/2/1968 (39' 49'').

Vd. também:


5 comentários:

Tabanca Grande disse...

Confesso, Virgílio, que gostei mais da tua reportagem anterior , a da visita a Bissau do presidente do conselho de ministros, prof Marcelo Caetano... Andaste mais misturado com o povo de Bissau, em abril de 1969... Mas também tive dificuldade em distinguir algumas fotos, que vieram em duplicado... Optei por não as incluir neste lote da visita oficial à Guiné do presidente Américo Tomás, em fevereiro de 1968...

De qualquer modo, estas imagens (compplementadas pelos vídeos da RTP Arquivos) ajudam-nos a recordar Bissau e outros sítios por onde andámos... quando éramos "meninos e moços"...

Um grande abraço, Luís

Anónimo disse...

Concordo que não é a mesma coisa, são diferentes e há mais de um ano de diferença. Depois também eu próprio não distingo bem quais algumas fotos que podem ser de outra reportagem, são muito parecidas. Julgo que a minha ligação às fotos, eram captar as paradas militares, os desfiles, as nossas tropas, a população estava em segundo plano, era da idade... Em 2-2-68 eu estava lá com a minha máquina fotográfica, e talvez não estivesse tão motivado para fazer reportagens, foi por mero acaso. Se o Alm Américo Tomas foi a Nova Lamego, não sei, nunca ouvi falar, e de qualquer maneira nesse dia e seguintes estava em Bissau não poderia lá estará, mas nunca se falou nisso, eu teria de saber.
Um abraço e obrigado pela sinceridade, gosto de ver estas criticas honestas.

Virgilio Teixeira

Carlos Vinhal disse...

Caro Virgílio,
Tu que estavas no terreno, diz-me o que depreendes deste parágrafo do jornalista Joaquim Letria, incluído num dos seus livros, a propósito da visita do Almirante Américo Tomaz à Guiné: "Entretanto, no desembarque do presidente da República na Guiné, há um ataque e morrem 11 soldados portugueses. Isto acontece muito perto do sítio onde estávamos, a uns 9 ou 10 quilómetros. Consegui ter toda a informação através de um médico militar: disse-me quantas eram as baixas, onde tinha sido o ataque, tudo. Aquilo, claro, era notícia: presidente da República desembarca e a 9 quilómetros um ataque mata 11 soldados. Mandei a matéria para a redação do Diário de Lisboa. Ou melhor: julguei que tinha mandado…”.
Tanto quanto pude pesquisar, não houve nenhum morto naquele dia na Guiné. No dia 30 de Janeiro houve um morto em combate em Susana, como sabemos "mesmo às portas de Bissau", e: no dia 3 de Fevreiro um morto por afogamento; dia 4 um morto por acidente com arma de fogo e outro por acidente de viação. Tentou contactar-se o referido jornalista mas não foi possível.
Ouviste algum rumor?
Abraço
Carlos Vinhal
Co-editor

Anónimo disse...

Olá Carlos Vinhal:

Nada, zero.
Isso seria uma das coisas que logo se saberia na 5ª Rep - Café do Bento - onde se sabia de tudo, eu ia lá todas as noites quando estava em Bissau, que era este caso.
Essa noticia que já tinha lido antes, é uma grande mentira. Esse homem que nunca me caiu bem, andou a 'arranjar' a sua vida ora com uns, ora com outros, mas não tem nenhuma credibilidade. Mas ainda se vê na TV, há dias lá estava ele a dizer qualquer coisa que nem sei, não gosto de ouvir a personagem 'vira casacas'.
A 9-10 km só poderia ser até Bissalanca, em Tite do lado de lá do Geba, em Quinhamel onde não se passava nada, Safim já eram 30 km, por isso vamos dizer aqui e bem alto, que aquela noticia foi fabricada por alguém com algum objectivo que não consigo entender, nem há 50 anos, nem hoje.
A não ser que tenha sido no Pilão!!

Tantos mortos dava nas vistas de um cego e surdo.

Não vamos dar importância a estes comentários, ou seja, devíamos dar, desmentindo tudo e desmascarando esta noticia.

Um Abraço,
Virgilio Teixeira

Carlos Vinhal disse...

Obrigado amigo Virgílio.
Assino por baixo
Carlos Vinhal