sábado, 19 de maio de 2018

Guiné 61/74 - P18651: XIII Encontro Nacional da Tabanca Grande (26): o Jaime Bonifácio Marques da Silva, o grande embaixador da aguardente DOC Lourinhã


O Jaime Bonifácio Marques da Silva - Seixal / Lourinhã [BCP 21, Angola, 1970/72] é um dos meus amigos e camaradas mais generosos que eu conheço... Este ano aceitou o convite para estar presente no XIII Encontro Nacional da Tabanca Grande... E fez questão de trazer consigo duas garrafas de aguardente DOC Lourinhã... Da sua garrafeira particular... E quis partilhá-las com todos nós... As duas garrafas desapareceram, mas chegaram para todos, incluindo os empregados que nos serviram à mesa... Autarca e professor de educação física em Fafe durante 40 anos, antes de voltar definitivamente à sua terra, Seixal, Lourinhã, o Jaime despediu-se dos seus vizinhos oferecendo a cada um um garrafa de aguardente DOC Lourinhã, uma produto único, de excelência, que é já também uma marca de Portugal... Em relação ao Cognac e ao Armagnac, a aguardente DOC Lourinhã não tem complexos de inferioridade quando apreciado em provas cegas... O único problema é o da escala de produção... mas também de marketing e de história... A Aguardente Doc Lourinhã tem um quarto de século de existência, legal... Mas há mais de 200 anos que a Região da Lourinhã fornece aguardentes para a a região demarcada do Douro...


Tanto o Jaime Silva como a Alice Carneiro são membros da Colegiada de Nossa Senhora da Anunciação da Lourinhã que tem justamente "como principais objectivos a defesa, o prestígio, a valorização e a divulgação da Aguardente Vínica da Região Demarcada da Lourinhã"... Foi o que fizeram os dois no nosso XIII Encontro Nacional da Tabanca Grande, em Monte Real...


O Jaime, o Eduardo Magalhães Ribeiro e o J. Casimiro Carvalho, que ficaram na mesma mesa...


Brindando ao passado, ao presente e ao futuro, à Tabanca Grande, à amizade, à camaradagem...


Os brindes foram-se alargando...


"No céu não há disto... e em Guileje também não havia!", parece querer dizer o régulo da Tabanca da Maia, o J. Casimiro Carvalho...


"Se para o ano houver mais disto, prometo voltar" (confidenciou-me o "herói de Gadamael")...


Os brindes alargavam-se ao Agostinho Ribeiro e ao Hélder Sousa (na ponta esquerda...)


Da esquerda para a direita. Agostinho Ribeiro, Hélder Sousa, Alice Carneiro, Jaime Silva, Eduardo Magalhães Ribeiro e J. Casimiro Carvalho


Miguel Pessoa & Giselda Pessoa - Lisboa [Bissalanca, 1972/74], com o António Martins de Matos pelo meio ouvem o Jaime Silva, ex-alf mil paraquedista do BCP 21 (Angola, 1970/72) a falar de um produto de que ele é "connaisseur": a aguardente DOC Lourinhã.... Só 3 regiões demarcadas de aguardente vínica no mundo: Cognac, Armagnac e... Lourinhã!


O Jaime Silva a explicar ao nosso ten gen  pilav ref, António Martins de Matos - Lisboa [Bissalanca, 1972/74] que a Lourinhã não é só a capital dos dinossauros...


O Jaime Silva e o Arménio Santos - Lisboa [Aldeia Formosa, 1968/70]: o antigo deputado da Assembleia da República e dirigente sindical da UGT


O António Mendes (Carapinheira / Montemor-o-Velho) que o nosso editor Luís Graça vem a descobrir que é pai da sua colega da ENP/NOVA, a professora Sílvia Lopes... Mais uma vez o Mundo foi Pequeno e a Nossa Tabanca... foi Grande.

Monte Real > XIII Encontro Nacional da Tabanca Grande > 5 de maio de 2018 >

Fotos (e legendas): © Miguel Pessoa (2018). Todos os direitos reservados [Edição:  Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]
__________

Nota do editor:

4 comentários:

Bispo1419 disse...

É muito boa a DOC Lourinhã, lá isso é, mas "dói" na carteira (na minha, sim). Há pouco tempo, se a quis ter, tive de deixar cerca de 40 euros na loja. Já "voou" toda e deixou-me a lamentar não a poder "beijar" frequentemente mas ... "um dia não são dias" e creio que nos voltaremos a encontrar.

Manuel Joaquim

J. Gabriel Sacôto M. Fernandes (Ex ALF. MIL. Guiné 64/66) disse...

Amigo Jaime Bonifácio , que pena não poder ter ido ao almoço da Tabanca Grande em Monte Real, este ano, para podermos trocar conversas sobre a nossa ida à Bélgica e França na evocação do centenário da Batalha de La Liz e a merecida homenagem aos militares portugueses que nessa altura morreram ao serviço da sua Pátria. Quanto à aguardente vínica da Lourinhã, já minha conhecida à bastante tempo, para mim é a melhor do mundo.
Um abraço,
JS
PS: Encontramo-nos no almoço da Magnífica Tabanca da Linha, no dia 24 de Maio?

Tabanca Grande disse...

Não sabia que tu, João, e o Jaime tinham estado juntos nas comemorações da batalha de La Lys. Não sei se o meu amigo, conterrâneo e camarada vai poder estar presente na Tabanca da Linha, no próximo dia 24 e eu próprio muito provavelmente não poderei ir, por conflito de agenda... Mas estamos de acordo: a aguardente DOC Lourinhã é um produto de excelência que nos orgulha a todos...

Tabanca Grande disse...

Temos a obrigação de defender e promover o que é nosso, e é único, como o caso da aguardente DOC Lourinhã... Nada acontece por acaso, há mérito, há trabalho de muitas gente:


(...) Durante mais de duzentos anos, as casas produtoras dos melhores Vinhos do Porto beneficiaram da Aguardente de Lourinhã para produzir os seus afamados vinhos licorosos. Nos últimos trinta anos com o apoio científico da Estação Vitivinícola Nacional sediada em Dois Portos foi testada e confirmada a sua superior qualidade, a qual apenas encontra paralelo, a nível europeu, nas aguardentes francesas das regiões do “Cognac” e do “Armagnac”. (...)

http://www.doc-lourinha.pt/