quarta-feira, 20 de junho de 2018

Guiné 61/74 - P18759: Parabéns a você (1457): Cherno Baldé, Amigo Grã-Tabanqueiro, Gestor de Projectos, natural da Guiné-Bissau, nosso colaborador permanente, assessor para as questões etno-linguísticas

____________

Nota do editor:

Último poste da série de 19 de junho de 2018 > Guiné 61/74 - P18754: Parabéns a você (1456): Henrique Cerqueira, ex-Fur Mil Inf do BCAÇ 4610/72 (Guiné, 1972/74) e Dr. Leopoldo Amado, Amigo Grã-Tabanqueiro, Historiador, natural da Guiné-Bissau

16 comentários:

José Marcelino Martins disse...

Abraço de parabéns.

admor disse...

Caro Camarigo Cherno Baldé,

Muitos parabéns e um dia com tudo de bom.

Muita saúde, felicidades e um grande abraço.

Adriano Moreira

Tabanca Grande disse...

Já em tempos, em 25 de junho de 2009, saudei o Cherno Baldé nestes termos, que convirá recordar, para os os membros da Tabanca Grande, "periquitos", os mais novos:

(i) nasceu na antiga província portuguesa da Guiné, em Fajonquito, na zona leste, junto à fronteira com o Senegal, no início dos anos 60, numa sociedade sem escrita, sendo educado na cultura do seu povo, um povo de pastores, fulas, muçulmanos, tendo como vizinhos, pouco amistosos, os mandingas...

(ii) aos cinco/seis anos, em 1965, viu pela primeira vez homens brancos, armados e equipados para a guerra, que se instalaram em Cambajú onde o pai era empregado de uma casa comercial;

(iii) a primeira visão foi de "terror", disse ele... mas a irresistível curiosidade infantil veio ao de cima: a descobertas das diferenças, dos cheiros dos corpos, dos comportamentos sociais;

(iv) aprendeu com a tropa de Fajinquito as primeiras letras da língua de Camões, e hoje ele pertence ao mesmo mundo desses homens brancos: quando o império soviético estava em colapso, formou-se em Kiev, na Ucrânia, como economista (e não como engenheiro...), fazendo uma pós-graduação em Lisboa, no ISCTE, na área da gestão;

(v) deixou-se fotografar no seu antigo gabinete de trabalho, no Ministério das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, em Bissau onde exerceu as funções de director do gabinete de estudos e planeamento; em fundo, havia dossiês com palavrões como Segurança, Ambiente, Gestão de Estaleiros, Auditoria, Análise de Projectos, Gestão de Contratos, Formação de Formadores, Fiscalização de Obras de Conservação de Estradas, etc., palavrões ("buzzwords") que eram completamente inteligíveis para ele em 1965;

(vi) com a chegada dos homens brancos, passou o ser Chico, do "djubi", o nosso "menino e moço"...

Em 2009, eu saudei a sua crónica nº 3 (,da série "Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé)" como uma verdadeira peça de antologia etnográfica: nela ele descreve a maneira como viu e viveu a chegada dos primeiros homens brancos à sua aldeia... Achei "absolutamete fantástico" o texto, em que alguém faz a descoberta do outro, o estrangeiro, o que provoca terror e fascínio... Nunca tinha então lido nada parecido, da autoria de um guineense, sobre nós, homens brancos.... Deliciado, li e reli o texto várias vezes, e fico rendido ao talento literário do Cherno...

Ao fim destes anos todos, ele é "um de nós", membro de pleno direito da Tabanca Grande, "homem grande", ouvido e lido com respeito por todos os "amigos e camaradas da Guiné", mesmo quando, num ou noutro ponto, podemos não estar de acordo.

Ele não sabe exatamente o dia e o mês em que nasceu, mas no seu BI elegeu este dia, 20 de junho, para comemorar o seu aniversário... Saibamos ser generosos com ele e mandar-lhe um grande abraço do tamanho da distância de Lisboa a Bissau, onde ele vive...

Meu amigo e irmãozinho, um xicoração do Luís em dia de festa!...

Tabanca Grande disse...

O que é feito da malta de Fajonquito ?


18 DE JUNHO DE 2009
Guiné 63/74 - P4550: Tabanca Grande (153): Cherno Baldé (n. 1960), rafeiro de Fajonquito, hoje quadro superior em Bissau...


https://blogueforanadaevaotres.blogspot.com/2009/06/guine-6374-p4550-tabanca-grande-153.html

Mário Beja Santos disse...

Meu estimado Cherno, Desejo-te do coração as maiores venturas, as maiores alegrias pessoais e profissionais, que Deus te ampare e à tua querida família. Espero que não te tenhas esquecido do pedido que te fiz para reveres o Diário da Guiné, do Inácio Maria Góis, detetaste nomes incorretos na região de Fajonquito, ajuda-me, por favor, para eu poder entregar uma obra asseada ao editor. Ando a pensar visitar a Guiné, mas o meu guião ainda não tem consistência, será a última viagem, morro de saudades. Um abraço do Mário

Anónimo disse...

Amigo Cherno Baldé, que este dia seja para ti muito especial junto da tua família com muita saúde e esperança, companheiras indispensáveis para uma vida melhor.

Parabéns um abraço

António Eduardo Ferreira

Juvenal Amado disse...

Caro Cherno recebe um grande abraço de parabéns e o desejo de muitas felicidades para ti, família e uma Guiné mais sorridente

Parabéns

Valdemar Silva disse...

Parabéns Cherno Baldé.
Muitas felicidades e muitos anos de vida.

Valdemar Queiroz Embaló

Tabanca Grande disse...

Cherno: tentei ligar-te para casa mas o nº de telefone (+ 245 559 9044) parece não estar "em serviço"... Manda-me o teu nº de telemóvel... Boa continuação do dia. LG

Anónimo disse...

CARO AMIGO CHERNO BALDÉ,

De Almada para Bissau segue um forte abraço de PARABÉNS por mais um Aniversário.

Que estes se repitam por muitos e longos anos, vividos com muita saúde e felicidade, para que se concretize uma plena realização pessoal e profissional.

PARABÉNS.

Jorge Araújo.

José Nascimento disse...

Parabéns amigo Cherno. Muitas felicidades. Um grande abraço
José Nascimento

Anónimo disse...

Saúde, amigo Cherno. Abraço do VBriote

José Botelho Colaço disse...

Um abraço de Parabéns.

Cherno Baldé disse...

Caros amigos,

Quero agradecer de todo o coraçao as palavras de amizade e de estima, por ocasiao do meu aniversario natalicio. Como ja tive oportunidade de explicar, fui oficialmente registado em 1972, com os dados extraidos do registro de matricula de 1969 do nosso primeiro Professor, Manuel Mambucar Sanha que escolheu a data e o mes por conveniencia, de modo a poder frequentar a escola publica, pelo que oficialmente sou do ano de 1964.

Na realidade, acho que sou 4 ou 5 anos mais velho, porque com o inicio da Guerra no Norte da Guiné em 1963/64 e aquando do primeiro ataque a nossa aldeia (3/4 Km de Fajonquito), que ainda guardo na memoria, eu e o meu irmao mais velho estavamos entregues a nossa avo materna e, nesse dia fatidico, durante a fuga em direccao incerta, na escuridao da noite, ficamos encalhados no meio duma bolanha extensa, com capim alto e de folhas cortantes. Os tiros que ouviamos de longe eram da arma que chamaram de costureirinha.

Ao amanhecer, conseguimo-nos orientar melhor e seguir para Cambaju, onde trabalhava o meu pai e estava concentrado o resto da familia. Mas, ainda nem tudo estava resolvido, pois que o mais velho dos meus irmaos que tinha problemas de audiçao e que nao conseguira acompanhar a gente so apareceria passados 3 dias apos o ataque. Coisas da vida.

Um abraço amigo a todos,

Cherno Baldé

PS:
- Caro Luis Graça, o numero de telephone continua valido, mas as comunicaçoes nem sempre sao fiaveis.

- Caro Mario Beja Santos, o ficheiro enviado era enorme e nao foi possivel abrir, favor separar e enviar em ficheiros menos densos.

Anónimo disse...

Caro amigo Cherno:
Já ontem tive a oportunidade de mandar os parabéns, noutro poste de comentários, e tenho de me penalizar que só após ver a tua foto e o dia 20 de Junho, me lembrou que a minha mãe fazia anos nesse dia, e eu não me tinha lembrado, por isso aqui fica o meu reconhecimento, ainda tive tempo de ir à igreja para me lembrar dela. Nasceu em 20 de Junho de 1920 e faleceu em 7-7-2005, com 85 anos de idade. Espero pelo menos chegar até à idade da minha mãe.
De qualquer modo e apesar da divergência de data e dia de nascimento, fico com essa lembrança para sempre. Não cheguei a perceber em que ano realmente nasceste? 69, 72, ou por volta do inicio dos ataques na zona de S. Domingos? - 1963?

O importante agora é que haja muita saúde, o bem mais precioso da vida. Com saúde ainda aguentamos com as balas, sem ela estamos fritos...

Um AB,
Virgilio

Anónimo disse...

Luis onde posso encontrar essas cronicas nº 3 do menino e moço - Cherno Baldé?
Gostava de dar uma olhada, não sei procurar isto.
Obrigado.
Ab, Virgilio