terça-feira, 30 de outubro de 2012

Guiné 63/74 - P10596: Memória dos lugares (194): Ilhavo, Costa Nova... a terra do meu amigo e irmão mais velho e, porque não ?, meu camarada, o arquitecto Zé António Paradela, que hoje celebra 3/4 de século de existência, antigo marinheiro da pesca do bacalhau, último representante de um povo que tem o mar no ADN!... (Luís Graça)


Ílhavo > Costa Nova > 21 de agosto de 2012 > Ao centro, eu e o Zé António; e à nossa esquerda, a Alice Carneiro e a Matilde (esposa do Zé António); à nossa direita, o Jorge Picado e o Jorge Paradela, o caçula do casal Zé António & Matilde. A foto foi tirada pelo filho mais velho, o Marco, que anda na Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.


Ílhavo > Costa Nova > 21 de agosto de 2012 > O nosso comum amigo, meu e do Zé António, e nossoo grã-tabanqueiro Jorge Picado, depois de termos trocado dois dedos de conversa... Outro amigo que encontrei nesse dia, foi o João Vizinho, outro ilhavense ilustre com casa na Costa Nova. Médico do trabalho, meu velho amigo e companheiro das lutas da saúde ocupacional. Também vi nesse dia, à tarde, lá para os lados da Bruxa, o José Manuel Bastos Cachim, que foi nosso camarada no BENG, no CTIG, em 1966/68.

O Jorge lá foi ter com a neta...da! Gostei de o ver, em boa forma!


Ílhavo > Costa Nova > 21 de agosto de 2012 > Os  antigos palheiros (cabanas de madeira onde os pescadores tradicionalmente guardavam as redes e os demais apetrechos de pesca), agira transformados em restaurantes e bares... ou inspirando a arquitectura das casas de veraneio. Um regalo para a vista. Um postal turístico. Um verdadeiro ex-líbris desta famosa estância de veraneio que pertence ao concelho de Ílhavo, terra de marinheiros, pescadores, tripulantes da marinha mercante...


Ílhavo > Costa Nova > 21 de agosto de 2012 > Uma das muitas belas janelas das casa de praia...


Vagos > Praia da Vagueira > Restaurante Caravela > Largo  Parracho Branco > 21 de agosto de 2012 > Pintura a óleo, de António Carlos. A arte da Xávega. 1998. Pormenor I.  Fomos lá comer uma bela caldeirada de enguias.


 Vagos > Praia da Vagueira > Restaurante Caravela > Largo  Parracho Branco > 21 de agosto de 2012 > Pintura a óleo, de António Carlos. A arte da Xávega. 1998. Pormenor II


Vagis > Praia da Vagueira > Restaurante Caravela > Largo  Parracho Branco > 21 de agosto de 2012 > Pintura a óleo, de António Carlos. A arte da Xávega. 1998. Pormenor III.  Fomos lá comer uma bela caldeirada de enguias.


Ilhavo > Gafanha da Encarnação Ria  de Aveiro > Largo da Bruxa > 21 de agosto de 2012  > Um barco moliceiro, com o seu belo perfil fenício,  agora modificado para o transporte turístico de passageiros... Ao fundo, a Costa Nova, vista do outro lado da ria...


Ilhavo > Galhanha da Encarnação > Ria  de Aveiro > 21 de agosto de 2012  > A praia da Barra vista da zona portuária


Ilhavo > Gadafanha da Encarnação > Ria  de Aveiro > Cais acostável, junto ao largo da Bruxa >  21 de agosto de 2012  > Jovem em posição acrobática de mergulho para a água... Ao fundo, a Costa Nova


Ilhavo > Gafanha da Encarnação >  Ria  de Aveiro > Largo da Bruxa > 21 de agosto de 2012 > A Bruxa, misto de tasca, café, bar, cervejaria e esplanada...


Ilhavo > Gafanha da Encarnação >  Ria  de Aveiro > Largo da Bruxa > 21 de agosto de 2012 > A Bruxa.... onde ao fim da tarde se vai beber uma bebida agradável, tipo sangria, feita de cerveja e vinho branco, acompanhada com os populares tremoços, azeitonas e amendoins... desfrutando a ria, as embarcações, o pôr do sol e dando dois dedos de amena conversa com os amigos... Gostamos de lá ir, o Zé António e eu mais as nossas caras metades (e os nossos filhos, quando nos podem e querem acompanhar).

Fotos: © Luís Graça (2012). Todos os direitos reservados


1. No verão, em agosto, no nosso querido mês de agosto (que ninguém nos há-de roubar!),  eu gosto sempre, quando a caminho do norte, de passar pela Costa Nova e  gozar um dia  da minha existência na companhia da minha Alice e dos nossos amigos Zé António e Matilde Henriques, ele arquitecto, ilhavense, e ela, socióloga, lisboeta. Somos amigos, e velhos amigos, desde há mais de trinta anos. Eles moram habitualmente em Oeiras, Miraflores. Têm casa de verão na Costa Nova.

De seu nome completo José António Boia Paradela,  é também conhecido no Facebook onde tem uma página com o seu nome literário, Ábio de Láparo.. (Confesso que não sou muito "facebook...eiro", não acompanhando a sua página com a atenção que ele me merece; temos priviligeado, em contrapartida, o convívio, de prefreência à mesa...).

Na Costa Nova ele tem muitos amigos, alguns da infância e da adolescência como  o  Comandante Valdemar Aveiro, um dos últimos "lobos do mar" da Terra Nova, e notável memorialista dos tempos heróicos da pesca do bacalhau: dois dos seus livros já aqui foram objeto de recensão crítica no nosso blogue, há uns anos atrás......

O Zé António, como bom ilhavense, é, também ele, filho e neto de gente do mar, tendo passado, aos 16 anos, pela pesca do bacalhau, na Terra Nova... Foi verdadeiramente a sua tropa, a sua guerra da Guiné... Uma experiência, duríssima, de seis meses, que o marcou para sempre... Homem de múltiplos talentos, também ele acabou de escrever um livro - a pensar nos amigos -  a que deu o belíssimo título Uma Ilha no Nome: Crónica dos Dias Líquidos, e que eu tive a honra e o prazer de prefaciar.

O que o meu/nosso querido Zé António escreveu em 2007, ao quilómetro 70 da sua árdua, mas generosa e bem sucedida caminhada da vida, foi nem mais nem menos do que um belíssimo e comovente regresso ao passado, à sua infância, à sua ilha, à sua origem ilhavense… É também a redescoberta da sua/nossa insularidade e da situação-limite que é a própria vida, cercada de sinais de fragilidade, de solidão, de morte e de finitude por todos os lados....

Como eu escrevi no prefácio, não se pense, todavia, que é uma narrativa passadista ou pessimista... No final, Irineu - um dos personagens da narrativa e, seguramente, um alter ego do autor - (re)descobre o anátema da ilha… no nome, mas também (re)descobre que faz parte de um vasto arquipélago, e que um ilhéu, um ilhavense, mesmo quando deixa a sua ilha, em busca de mundo, de mais mundo,  nunca destrói as pontes, o cordão umbilical que o liga ao passado e ao futuro…

Passados cinco anos, o nosso Àbio [Boia]  de Lápara [Paradela], chegou muito naturalmente ao quilómetro 75 da sua autoestrada da vida..."Três quartos de século", comentou ele há dias, quando fomos ao encerramento do Doclisboa2012... Comentou ele, com uma ponta de orgulho, um outra de ternura, e uma terceira de desencanto... "Três quartos de século" é obra e vida, e  merecem ser comemorados, foi a minha resposta. Comemorar o nosso aniversário, todos os anos, "faz bem à saúde"... E eu sei que o Zé António gosta de se rodear da família e dos amigos nesse dia...

Estou, por isso,  seguro que ele vai gostar de ler estas palavrinhas que  hoje lhe escrevo, em dia de aniversário, e que vou publicar num sítio inesperado para ele e para os meus amigos e camaradas da Guiné. Mas este blogue não lhe é estranho, ele aparece aqui, mais do que um vez, não com um marcador próprio (a que não tem direito) mas através da referência "pesca de bacalhau"...

Ativo, como sempre, não tão superativo e produtivo como gostaria de continuar a ser   (,que a crise afeta e muito os gabinetes de arquitetura e planeamento, mas também a sua saúde aconselha já alguma moderação...), o Zé António, apesar de reformado (face à Segurança Social), continua a tocar o barco, o seu barco, e agora até a navegar por  mares nunca dantes navegados...

É homem de muitas paixões, para além da arquitectura e o planeamento urbanístico (de que foi um dos pioneiros entre nós),: o desenho, a música, a fotografia, a escrita, a multimédia.. Espero que ele tenha muita saúde e longa vida para poder mostrar os seus outros talentos, para além dos da esfera profissional.... Pessoalmente tenho-me deslumbrado e emocionado com as suas  criações em multimédia, algumas das quais já têm sido apresentados ao público, na Costa Nova...


Zé António:

Podia chamar-te, com justiça e propriedade, "meu amigo, meu irmão mais velho, meu camarada"... A ter um irmão, rapaz, que não tenho, podia ser alguém como tu, com quem a  gente aprende, com prazer, e convive, com naturalidade, por que és  uma pessoa culta, bem formada, com valores, vivida, afável, agradável, bem disposta, e não menos importante, humilde, que assume as suas origens, que é  amigo do seu amigo, alguém que  sabe também ouvir...

"Camarada" seria mais forçado: na realidade não fizeste a guerra (colonial), embora tenhas andado na "guerra dio bacalhau", servvindo outros senhores, lá pelos idos anos de 50 (1953?)... Algum camarada meu, militar, mais ortodoxo, poderia achar abusivo sentar-te aqui ao pé de mim, ao pé de nós, à sombra do mágico, secular e fraterno poilão da nossa Tabanca Grande.

Meu camarada é o Jorge Picado, mais eu sei que não vais ficar com ciúmes, meu amigo, meu irmão mais velho... De qualquer modo, tirando o Jorge Picado, quem é que dos ilhavenses foi parar à guerra colonial ? Claro, a malta da marinha de guerra, muitos dos teus amigos,  que  vocês só podiam ser duas ou três coisas na vida: pescadores, marinheiros, tripulantes da marinha mercante...

Não tenho aqui à mão o livro que me ofereceste, com uma bela dedicatória tua, e que está profusamente ilustrado, com sugestivas fotos do antigamente da vida da Costa Nova do Prado  (, imagem da capa acima)... Creio que o autor é o engº Senos Fonseca, cunhado ao que julgo do nosso Jorge Picado.  Com as inevitáveis limitações de tempo e de saber, quis apenas homenagear-te e associar-me à celebração dos teus bem vividos e bem merecidos  75 anos.

A Costa Nova, onde passo um dia por ano, é apenas um pretexto, e uma forma habilidosa de te pôr aqui na montra deste blogue que já não é meu... Por umas horas, que seja, tu mereces,  meu amigo, meu irmão mais velho, meu camarada de outras guerras... Mereces pelo que viveste, mereces pelo que ainda vais viver, mereceres pelo muito que tens dado a todos nós, da família aos amigos, dos clientes ao país...

Um xicoração apertado do Luís (+ Alice + Joana + João). Que tenhas um resto de dia feliz, com a tua Matilde e os teus "marinheiros" Marco e Jorge... Haveremos depois de beber um copo... à saúde, à  vida, à felicidade, à amizade, á fraternidade!... E para que nenhum  f.. da p... tenha um dia a lata ou a ousadia de troikar as nossas amizades, cumplicidades, memórias e afetos.

PS - Tomo a liberdade de reproduzir aqui o prefácio que escrevi, com muita ternura, para o teu livrinho, há cinco anos atrás.

2. Prefácio ao livro de Ábio de Lápara, Uma Ilha no Nome: Pequena Crónica dos Dias Líquidos. Lisboa: edição de autor, 2007, 77 pp. (Impressão: Critério - Impressão Gráfica Lda). Ábio de Lápara é o o pseudónimo literário de José António Boia Paradela, natural de Ilhavo, onde nasceu em 1937. Arquietcto, é o sócio-gerente da empresa PAL - Planeamento e Arquitectura Lda.

É num cenário pré-apocalíptico, mas perfeitamente verosímil, de destruição da orla costeira devida à progressiva subida das águas do mar, que se desenrola este conto – ou quiçá novela - , sob o título Uma Ilha no Nome… Prefiro simplesmente chamar-lhe narrativa.

Pela temática que lhe está subjacente – a morte, o mal escatológico, o pecado, a condenação – faz-me lembrar romances como A Peste, de Alberto Camus, ou o Ensaio da Cegueira, de José Saramago. Tem também ressonâncias da tragédia grega e, no mínimo, poderia dar uma belíssima peça do teatro português.

A originalidade (e o talento) do autor (ou não fosse ele arquitecto, de formação e profissão) consistiu em ultrapassar a questão do género ou ter criado um género novo, ao incorporar na sua narrativa o coro dos que se expressam através da palavra muda dos pichadores e grafiteiros das nossas cidades...

Eles funcionam, de algum modo, como o coro da tragédia grega, invectivando os deuses, causticando o poder, contestando a (des)ordem estabelecida… No palimpsesto, mil vezes escrito e reescrito, o narrador vais buscar pérolas e pérolas de sabedoria, que vão pontuando e secundando o discurso dos penitentes, reunidos na Assembleia Final do Tempo:
- A saudade, mano… a nossa última riqueza! Porque a lembrança é a fonte de onde parte toda a riqueza….
- We are born to loose everything, everytime and nothing at all.
- Não faças sempre a mesma pergunta. Apenas luta por uma resposta diferente.
- Mudei a passagem para ir para a outra margem, esperando que o futuro não seja uma miragem…

O que o nosso querido Zé António escreveu, ao quilómetro 70 da sua árdua, mas generosa e bem sucedida caminhada da vida, foi nem mais nem menos do que um belíssima e comovente regresso ao passado, à sua infância, à sua ilha, à sua origem ilhavense… É também a redescoberta da sua/nossa insularidade e da situação-limite que é a própria vida, cercada de sinais de fragilidade, de solidão, de morte e de finitude por todos os lados…

Além do narrador, há um alter ego – Irineu – ou mais do que um – seguramente, o Ábio – e uma plêiade de personagens que ainda têm ou tiveram carne e osso:

O Avô Materno de Ábio, mais conhecido como O Valente, sepultado na Praia da Tijuca; o Pai de Ábio, marinheiro com 12 anos; a Avó materna, a mãe Rosa… Sem dúvida, o núcleo da sua intimidade, do seu doce lar… Como o pai, sempre ausente e sempre presente, gostava de dizer: “O mundo todo não vale o meu lar”…

Mas há também outros homens e outras mulheres ilhavenses, recriados pelo autor, que fazem parte desta galeria de memórias: O Mestre Zé, marinheiro; o Manuel da América; o Sacerdote Manuel, cego; o Sant’Ana, merceeiro e chefe dos escuteiros; o Ismael, o poeta, amigo dos gatos, funileiro, contador de estórias; o João Bocanegra, mais conhecido entre o povo como o Trampolineiro, homem de muitas falas e poucos saberes; a Rosa Cravo, a oficiante do Templo de Vénus; a Joana Paciência, vendedeira de peixe, matriarca, mãe de muitos filhos espalhado pelo mundo….

Criado no matriarcado, cercado de mulheres e das suas recordações, Ábio faz, o entanto, da figura do pai a mais bela evocação da narrativa:
- Estávamos todos em casa, isto é, ele não estava no mar, que é como quem diz, sabe-se lá onde…

Narrativa, é o termo mais exacto: é uma tocante narrativa que se lê de um ápice e por onde perpassa a memória de um povo, de um colectivo: povo das matas costeiras, gentes da areia, povo das águas, homens do bote, pescadores e marinheiros da Terra Novo… Mas também a memória dos lugares da infância: o Vale Central, a Gândara, o Vale das Padeiras, a Laguna, o Mar, sempre o Mar, atraindo e repelindo as gentes tal como Pátio dos Ressoeiros atraía e repelia os adolescentes…

Não se pense que é uma narrativa passadista ou pessimista… No final, Irineu (re)descobre o anátema da ilha… no nome, mas também (re)descobre que faz parte de um vasto arquipélago , e que um ilhéu, mesmo quando deixa a ilha, nunca destrói as pontes, o cordão umbilical que o liga ao passado e ao futuro…

Zé António, ao quilómetro 70, já não precisavas de provar nada, nem muito menos de fazer jus à ironia queirosiana do Zé Fernandes em relação ao seu príncipe, o Jacinto de A Cidade e as Serras (“Fazer um filho, plantar uma árvore, escrever um livro. Tens de te apressar, para ser um homem”…). Os teus amigos já conheciam e apreciavam o teu talento criativo, mas agora tramaste-os, deixando-os com água no bico, à espera da próxima surpresa…

Fica, desde já, marcada na agenda uma próxima paragem ao quilómetro 71. E até lá os meus duplos parabéns, ao jovem escritor e ao veterano corredor de fundo! Escusado será dizer, para mim e para todos nós, quanto é grande o privilégio de te ter como amigo!


[Fonte: Luís Graça > Blogpoesia > 23 de novembro de 2007 >  (Pré-)Textos (1) - Crónica dos dias líquidos]

_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 27 de outubro de 2012 > Guiné 63/74 - P10580: Memória dos lugares (193): O inferno de São Domingos, em março de 1972, ao tempo da CCAV 3365 / BCAV 3846, Os Quixotes (Bernardino Parreira / Plácido Teixeira)

Sem comentários: