domingo, 27 de novembro de 2016

Guiné 63/74 - P16766: Blogpoesia (482): "O cargueiro gigante"; "O render da Companhia..." e "Nevoeiro...", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

1. O nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil da CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66) vai-nos enviando ao longo da semana belíssimos poemas da sua autoria, dos quais publicamos estes, ao acaso, com prazer:


O cargueiro gigante

Ferrou-se em ferro à doca,
com unhas e dentes,
tentando levá-la.

Insano! Em vão.

Por que ele puxe,
se afunda no rio
que manda na doca.

Ali jaz dromedário.
Alapado.
Lhe enchem o bojo.
Atestam.
Sem um simples gemido.

Na hora exacta,
Desprendem-lhe as cordas.
Aceleram-lhe as máquinas.
Ateiam-lhe a hélice
E ele range e rumina com raiva
Na profundeza das águas.

Lento e pesado se desliga da doca.
Faz-se ao rio
E, navio sem velas,
Segue para o mar,
Cumprindo a rota...

Berlim, 27 de Novembro de 2016
9h18m

************

O render da Companhia...

Hora feliz da rendição.
No Cachil em guerra.
Duzentos presos em liberdade.
Era o fim.
À frente a mata.
Tanta incerteza,
Com o inimigo à espreita
E sem fim à vista.

Tanta hora de medo,
Nervos em franja,
Arriscando a vida.
Não há quem resista.

Até que, um dia,
No segredo dos deuses,
Chega uma LDM,
Com gente fresca.
Para a rendição...

Ó alvoroço!
Foi uma festa.

Pegámos nas trouxas,
Para Catió,
Terra de gente.

Cafés e lojas,
Uma igrejinha branca,
Muitas cubatas,
Tantas famílias.
Vivendo a vida.
Parecia o céu...

Berlim, 27 de Novembro de 2016
10h35m

************

Nevoeiro...

Uma manta espessa de nevoeiro
esconde o céu à terra.

Fez-se o silêncio.
Se calaram todos os sonhos.

Pelas ruas desatinadas apenas as rotinas seguem cegas suas rotinas.

Já não há escaparates de oferendas,
frente aos passeios,
porque se toldaram negros todos os horizontes.

A esperança foi escorraçada a pontapé pelos temores.

Só o sol da fé ainda brilha por dentro dos olhos amordaçados.

Há-de chegar o dia em que seus raios
rasgarão esta cortina pesada e negra
e, de novo, se verá o azul do céu...

ouvindo 2.º Concerto de Rachmaninov por Hélène Grimaud

Berlim, 25 de Novembro de 2016
8h39m
JLMG
____________

Nota do editor

Último poste da série de 20 de novembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16740: Blogpoesia (481): "Suaves momentos matinais..."; "Suavidade e elegância..." e "Apagou-se a noite...", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

Sem comentários: