domingo, 27 de novembro de 2016

Guiné 63/74 - P16765: Manuscrito(s) (Luís Graça) (102) : Para ti, camarada, que ainda não sabes que vais morrer, às 8h50 da madrugada do dia 26 de novembro de 1970...

Choro para uma morte anunciada!

por Luís Graça

Em memória 
de todas as vítimas 
da Op Abencerragem Candente,
Xime, 26/11/1970,
ontem, hoje, amanhã; 
em memória do Cunha,
em memória do Amaro dos Santos,
em memória de todos nós, afinal...


Esquecer a Guiné, camarada!,
a salada de atum, cebola e tomate,
que vai ser a tua última ração de combate,
e o copo de vinho verde
que tomas de um trago do teu cantil de fel
e o último cigarro
que partilhas connosco,
nharros de 1ª classe, 
tu,  camarada e amigo, ainda "pira",
que não sabes que vais morrer,
à hora marcada, 
às 8h50…

Um, dois,  três, quatro, cinco, seis homens
vão morrer daqui a três ou quatro horas,
às 8h50,
em vinte e seis de novembro
de mil novecentos e setenta,
no cacimbo da madrugada,
na antiga picada do Xime-Ponta do Inglês.
Cinco brancos e um preto,
a lotaria da morte, em L,
numa emboscada que é cubana, 
a roleta que é russa,
os RPG, amarelos, "made in China"...
O génio da morte que é, afinal,
universal!

Qualquer um de nós, 
que está aqui à volta da mesa,
pode vir a morrer, camaradas,
na próxima hora!, 
galhofas tu,
com um sorriso amarelo,
para exorcizar os teus medos,
os nossos medos coletivos...
Ou nem isso,
um gajo que se preza
não fala da morte na guerra, 
às 3 horas da madrugada,
no Xime de todas as batalhas,
a caminho do vespeiro da Ponta do Inglês,
indo exatamente pelo mesmo trilho da véspera,
porque não há outro,
e os olhos e os ouvidos e a boca dos irãs do Xime
não estão do teu lado,
pobre tuga,
que vais morrer a cinco mil quilómetros da tua terra,
lá no verde Minho, 
tu que nunca mais irás a Viana!

Camaradas, 
qualquer um de nós pode lerpar
na próxima saída para o mato,
ou até com os cornos enfiados no abrigo,
por que há sempre uma hora
para morrer.
De um tiro no coração,
de um roquetada, 
de uma canhoada,
de uma mina antipessoal, 
do despiste de um Unimogue,
de um ataque de abelhas assassinas,
da picadela mortal da cobra verde, 
da explosão de uma granada de morteiro
ou até de paludismo cerebral
ou de simples morte súbita,
fulminado por um raio dos irãs irados,
debaixo do poilão onde dormes com a tua bajuda... 

Esquecer a Guiné, camarada!,
o teu jovem capitão de artilharia, 
vinte e tal anos,
acabado de sair da Academia Militar,
que se recusa a sair com os seus homens
para a Ponta do Inglês…
E o safado do segundo comandante do batalhão
que lhe manda dizer, alto e som,
pelo altifalante da parada:
"O nosso capitão vai
e torna a ir,
nem que seja a reboque de uma GMC!"...

Esquecer a Guiné, camarada,
nem que seja por uma noite,
por esta noite 
em que um de nós,  quatro,  
que estão aqui à volta desta mesa, 
vai morrer!

O sabor a sangue e a merda
que a vida aqui tem,
aos vinte e poucos verdes anos,
a merda da Guiné,
a merda verde rubra do Xime,
a merda que te cobre o corpo e a alma,
é muito mais do que a merda toda,
das bolanhas, das lalas e do tarrafo

do Geba e do Corubal!
Podes lavar-te todos os dias,
mesmo que não morras amanhã, 
à hora aprazada,
às 8h50,
que essa merda nunca mais te sai,
nunca mais te sairá, 
nunca mais te sairá do corpo e da alma!
Podes até trocar de camuflado,
de bandeira,
arrancar a pele,
trocar a G3 pela Kalash,
venderes a alma ao diabo,
essa merda que te vai matar,
está te entranhada, 
no corpo e na alma, 
até ao tutano!

Quem disse que descansarás em paz, camarada,
e que a terra da tua pátria te será leve ?

Meu pobre camarada, 
meus bravos camaradas,
meu Deus,
que pedaço de inferno foi este
que nos coube em vida,
nesta terra?!
_____________

2 comentários:

José Nascimento disse...

Como dizes camarada, a Guiné foi uma roleta russa que felizmente não disparou contra nós, no entanto fez tamanha mossa no nosso ser, que parece não nos querer abandonar, nem que vivamos 100 anos.
Um abraço
José Nascimento

Tabanca Grande disse...

O Joaquim de Araújo Cunha não de era de Viana do Castelo, mas de Barcelos... Nasceu em Outeiuro, antiga freguesia de Carreira, concelho de Barcelos. Está sepultado noi cemit+erio da freguesia natal... Hoje Carreira faz parte da União das Freguesias de Carreira e Fonte Coberta.


http://ultramar.terraweb.biz/03Mortos%20na%20Guerra%20do%20Ultramar/LetraB/MEC_042n.pdf