terça-feira, 26 de junho de 2018

Guiné 61/74 - P18780: Historiografia da presença portuguesa em África (119): O primeiro voo, ligando Lisboa a Bolama, em 1925, e a primeira tentativa de usar a aviação com fins militares naquele território (Armando Tavares da Silva) (Parte I)





Lisboa > 1955 > O caça F-84, a ser descarregado, de um navio da armada dos EUA, no cais do Poço do Bispo.

Fotos ( e legenda): © Armando Tavares da Silva (2018). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem, com data de 4 do corrente, :do nosso amigo e grã-tabanqueiro Armando Tavares da Silva, historiador, autor de “A Presença Portuguesa na Guiné, História Política e Militar, 1878-1926”:

Caro Luís Graça,

A publicação do Post P18647 de 18.5.2018 relativo ao voo dos caças F-86 para a Guiné – Operação ATLAS (*) – fêz-me rever o que havia escrito sobre os primeiras desejos e tentativas de utilizar na Guiné a aviação com fins militares.

Como naquele Post se mencionam os caças F-84 (e que foram deslocados para Luanda com o início da guerra em Angola), ao texto que segue [sobre o raide Lisboa-Bolama em 1925]  junto algumas imagens por mim tiradas e que mostram os F-84 a serem descarregados de um navio da armada dos EUA no cais do Poço do Bispo, aquando da sua chegada a Lisboa em 1955. Pode ver-se que ainda mantinham o distintivo da USAF, e a respectiva numeração.

Anexo ainda algumas imagens tiradas de um texto da Net sobre o raide Lisboa-Bolama, o primeiro voo para a Guiné (1925), e que em parte utilizei.

Abraço,
Armando Tavares da Silva

(Continua)
 ______________

6 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia.

Faço notar que a versão utilizada em Portugal do F-84 foi a G (Thunderjet), que possuía asas direitas.
Pelo contrário, as aeronaves ilustradas nestas imagens, dotadas de asas em flecha, são Thunderstreak, ou seja, F-84F, que embora tenham sido cedidos a vários países europeus, nunca foram utilizados pela FAP.

Cumprimentos

Alexandre Velhinho

Anónimo disse...

Se nunca foram utilizados pela FAP, para que é que serviram?
ATS

Anónimo disse...

Descarregados em trânsito para outro destino? Partindo do princípio de que as imagens foram efectivamente captadas em Cabo Ruivo.

Aproveito para juntar o endereço de um F-84G da FAP: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=365570573626248&set=g.1410289889188207&type=1&theater&ifg=1

Cumprimentos

Alexandre Velhinho

Anónimo disse...

As imagens foram efectivamente captadas por mim em Cabo Ruivo. Sobre isto não dúvidas!
ATS

Anónimo disse...

Nesse caso, parece-me que a hipótese mais provável é mesmo a de que tenham sido descarregados em trânsito para outro destino.

Evidentemente a autonomia das aeronaves não lhes permitia a travessia do Atlântico, mas podem ter sido transportadas por via marítima até ao porto NATO mais próximo dos Estados Unidos, daí seguindo por via terrestre ou fluvial para um campo de aviação (Alverca, por exemplo, estaria excelentemente posicionada, contando ainda com apoio oficinal para as manutenções/verificações que fossem necessárias) e seguidamente por via aérea para o seu utilizador final, fosse ele uma unidade da USAFE (United States Air Force in Europe) ou de outro país da NATO, tendo à disposição a possibilidade de realizar as escalas que fossem necessárias durante o trajecto.

Aliás, os F-84G portugueses realizaram algumas deslocações semelhantes na Europa, no âmbito de exercícios da NATO, e chegaram inclusivamente a efectuar um exercício em que se deslocaram aos Açores (embora para tal tenham praticamente esgotado a autonomia das aeronaves e a resistência dos pilotos).

Cumprimentos

Alexandre Velhinho

Anónimo disse...

Parece-me que o assunto requer alguma investigação, se não houver alguém que possa definitivamente esclarecer o assunto.
ATS