terça-feira, 31 de março de 2009

Guiné 63/74 - P4115: Os Bu...rakos em que vivemos (1): Banjara, CART 1690 (Parte I) (António Moreira/Alfredo Reis/A. Marques Lopes)

1. As imagens, sem legenda, que se seguem são de Alfredo Reis(*), ex-Alf Mil da CART 1690. Mostram um pouco do quotidiano em Banjara, famosa estância de férias, localizada algures na estrada Bissau/Bafatá. Podem consultar qualquer prospeto turístico.
O texto é de António Moreira(*), também ex-Alf Mil da CART 1690.

Este trabalho foi enviado há já algum tempo pelo nosso camarada A. Marques Lopes, ex- Alf Mil At Inf, CART 1690 (Geba) / CCAÇ 3 (Barro) (1968/69, actualmente Cor DFA Reformado. Achamos por bem recuperá-lo nesta altura.
CV

Localização de Banjara no Google













Fotos: © Alfredo Reis (2009). Direitos reservados.

2. A vida em Banjara (I)

Este texto é do meu camarada António Moreira, ex-alferes miliciano da CART1690. Entre parênteses rectos alguns comentários meus. O Moreira esteve dois meses seguidos em Banjara depois de eu ter sido ferido. O que sucedia é que era eu que, na altura, fazia os abastecimentos aos destacamentos da companhia. Nessses dois meses ninguém lá foi. Comeram o que conseguiam caçar, até cobras e macacos...

O nosso camarada Fernando Chapouto sabe também como era Banjara.

«Banjara fica situada a cerca de 40 Km de Geba e a cerca de 20 Km de Mansabá, na estrada Bissau/Bafatá. Fica no coração da mata do Oio, e teve, antes da guerra colonial, uma unidade industrial de serração de madeiras.
Pertencia, durante a guerra, à área de actuação da Companhia de Geba, do Batalhão de Bafatá.

[Cabe aqui um parêntesis para dizer que aquela serração em Banjara pertenceu ao português Fausto Teixeira: "Antifascista desde a sua juventude, via-se no comportamento de Fausto Teixeira toda a história de um velho democrata que amou profundamente a liberdade, lutou por ela e acbou por ser vencido pelas forças da repressão e do mal. No entusiasmo e dedicação que pôs no cumprimento desta arriscada missão, sentia-se todo o seu orgulho em poder participar na luta que então travávamos, também pela liberdade, contra os mesmos inimigos". Isto diz Luís Cabral no seu livro Crónica da Libertação, aí referindo também que a missão do Fausto Teixeira foi ajudá-lo na sua fuga para o Senegal, em 1960, levando-o no seu "Peugeot 203 pintado de cor azul forte" desde as Oficinas Navais do porto de Bissau até perto da sua serração, de onde Luís Cabral seguiu a pé até a uma aldeia senegalesa,
passando por Fajonquito.]

Banjara gozava da fama, e do proveito, de ser o segundo pior destacamento da Guiné, a seguir a Beli, na zona de Madina do Boé. Não apenas pelos ataques mas, sobretudo, pelo perigo que representava, por estar muito isolado da Companhia, e por estar cercado por uma cintura de destacamentos IN, que vigiavam de fora do arame farpado e do alto das gigantescas árvores que o envolviam todos os movimentos da nossa tropa [tinha Sinchã Jobel do lado sul e Samba Culo do lado norte].

O destacamento era constituído por uma caserna, quatro abrigos subterrâneos e um posto de comando, que era uma casa abarracada, sem portas nem janelas, por onde os sardões e as cobras vagueavam livremente, sem nenhum obstáculo que lhes barrasse a passagem, a não ser a presença humana. Tinha ainda outros abrigos à superfície. A envolver este destacamento, que no essencial era uma clareira circular com cerca de mil metros de diâmetro, duas fiadas de arame farpado paralelas e em círculo. O capim era necessário cortá-lo de dois em dois meses, para evitar a aproximação camuflada do IN. As casas de banho, como é de calcular, eram a céu aberto.

A guarnição deste destacamento, comandado por um Alferes, variava entre 60 a 80 homens, normalmente (houve alturas em que tinha só um pelotão), bem armados e disciplinados, capazes de aguentar debaixo de fogo uma boas dezenas de horas. O seu comando era rotativo e por lá passámos os mais longos meses da nossa juventude, então com 23 anos, e responsabilidades tremendas em cima dos galões de Alferes.

A paisagem envolvente era de uma beleza indescritível, com dezenas de cajueiros, mangueiras, árvores gigantes, capim e as célebres lianas. O barulho ensurdecedor dos milhares de pássaros e a vozearia nocturna da mais variada bicharada, desde macacos a hienas, tornavam aquele ambiente um mistério todos os dias renovado.

O dia, em Banjara, iniciava-se naqueles anos (1967/1968), por volta das 18 horas. A essa hora o Comandante mandava distribuir a 3ª refeição, e as sentinelas avançadas ocupavam os seus postos. Toda a gente vestia então o seu camuflado, calçava as botas e recarregava as armas. Não é que de dia estivessem todos a dormir, mas durante a noite entrava-se em alerta máximo. Durante a noite era rigorosamente proibido acender luzes, fazer fogo e fumar à vista desarmada para não denunciar a presença e a localização de ninguém.
Tomada a 3ª refeição e colocadas as sentinelas, que eram sempre dobradas, iniciava-se toda uma série de rondas de posto a posto, podendo os soldados que estavam de folga, e só nos abrigos subterrâneos, jogar cartas, conviver e confraternizar, pôr a correspondência em dia, etc. De vez em quando dormia-se uma hora ou duas mas sempre em sobressalto, e sem a mínima tranquilidade. Posso dizer que durante o tempo que passei neste destacamento não dormi uma única noite descansado.

Durante a noite, de vez em quando, uma sentinela nossa dava um tiro, à aproximação do arame farpado de um macaco ou qualquer outro bicho (podia não ser...). Logo todos corriam para as armas pesadas e, normalmente, o IN respondia com dois tiros ao longe. Então a nossa sentinela, aquela ou outra, respondia passado algum tempo com três tiros. A seguir a resposta de novo do IN, então com 4 tiros. Era um jogo macabro, que nos mantinha constantementevivos e despertos.

O dia amanhecia, então, e, pelas 7 da manhã, iniciava-se a distribuição da 1ª refeição. As horas mortas do pessoal eram gastas, durante o dia, à caça, quando isso era possível e o capim estava seco e caído no chão, a jogar cartas, pôr a correspondência em dia e jogar futebol. O jogo de futebol era normalmente diário, mas sempre a horas diferentes, para não se cair na rotina, e sempre com os abrigos guarnecidos de atiradores.

Terminada a 1ª refeição iniciavam-se os trabalhos de rotina, para o que o efectivo estava dividido em 4 grupos, cada um deles composto por 15 ou 20 homens, comandados por um sargento.Um grupo estava de serviço à água e à lenha para as refeições. Os banhos eram tomados na bolanha a um quilómetro do arame farpado, e sempre com 10 ou 12 homens armados em vigia. Outro dos grupos era o piquete que realizava, normalmente, uma patrulha de reconhecimento nas imediações do aquartelamento. O terceiro grupo estava de prevenção rigorosa e o quarto estava de folga.

Este destacamento tinha apenas uma coluna de reabastecimento por mês, no máximo, mas chegava a estar mais de 2 meses sem alimentos frescos e sem correio. Não havia população civil, apenas militares.

[Em Outubro de 1969, quando a CART1690 saíu de Geba, a CCAÇ2406, que estava
em Mansabá, colocou um pelotão em Banjara. No entanto, saíu de lá em Janeiro
de 1970, sendo o destacamento desactivado]


3. Nota dos Editores:

Nem sequer tínhamos bunkers, a sério, de luxo, de cinco estrelas. Construídos pela Engenharia Militar à prova de canhão sem recuo, morteiro 120, foguetões 122, etc. Fala-se da ‘bunkerização’ da guerra da Guiné… Mas isso é um eufemismo, se não mesmo um insulto. Bunkers ? Buracos, valas, bidões cheios de areia, placas de zinco… Guileje era um pequeno luxo (que nos perdoem os camaradas que lá penaram, sofreram e morreram) comparado com Banjara e outros Bu…rakos onde vivemos, dormimos, lutámos, gritámos, respirámos, sangrámos, suámos, chorámos…

Camaradas e amigos: Estas foram as ‘estâncias turísticas’ onde passámos as melhores ‘férias’ do mundo, pagas com o dinheiro dos contribuintes portugueses… A sério, queremos aqui falar dos piores Bu…rakos da Guiné do nosso tempo. Das estações do nosso calvário. Da geografia da fome, da dor, da guerra, da alienação. Para que a memória, volátil, chegue até à geração dos nossos filhos e netos. Não queremos estátuas nas nossas vilas e cidades, de estética kitsch, queremos apenas não sermos ofendidos e humilhados pelos nossos contemporâneos e pelos nossos descendentes, do Governo à comunicação social. A pior ofensa e humilhação, para um ex-combatente que deu o melhor à sua Pátria, é a indiferença, o cinismo, o esquecimento, a desvalorização do seu sacrifício. Ironia à parte, queremos mostrar e documentar aqui alguns dos sítios por onde passámos e que as nossas mãezinhas nunca sonharam. Rapazes, toca a trabalhar.

Os editores,
LG/CV/VB
__________

Nota de CV:

(*) Vd. poste de 10 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2424: Álbum das Glórias (37): Os alferes da CART 1690 ou uma estória de amizade e camaradagem a toda a prova (A. Marques Lopes)

4 comentários:

Anónimo disse...

Duas surpresas ao ler o texto e ao ver as fotos:
1ª- Rever o Reis dos tempos de Liceu em Santarém;
2ª. Rever o Reis em Banjara, que,então, já não via dos empos de Santarém.
Em Banjara, em meados de 1967, nos deu guarida por uma noite, quando, no dia seguinte, dali saíu para Norte, para as margens do Rio Canjambari à procura do quartel IN de Sambaculo, que foi encontrado e destruido.
Se leres estecomentário, dá notícias.
O Marques Lopes também me deve conhecer, pois que eu o reconheço pela foto dos vinte anos que está no acesso ao blogue.
Um abraço e... saudades
Alberto Branquinho

Luís Graça disse...

Perguntei ao A. Marques Lopes:

António: Faz sentido convidar o resto dos teus camaradas alferes para integrarem a Tabanca Grande, o Moreira e o Reis ? O Maçarico já cá canta, por simpatia minha - ainda somos parentes distantes, já tentámos várias vezes encontrarmo-nos... Há tempos passei por Mira e perguntei por ele...

Só há uma companhia, a CCAÇ 2405, a do Paulo Raposo, em que eu consegui 'encaixar' os quatro alferes... Mas no vosso caso até faz mais sentido. há fotos, notícias, colaboram...Vamos continuar com esta série dos Bu...rakos. Com material teu, que está em 'armazém'... E a propósito, a elegeres um Bu...rako, qual deles é que seria o da tua estimação ?

Resposta do nosso tabanqueiro da primeira hora:

Já o os convidei várias vezes. Na próxima sexta-feira vou-me encontrar com eles em Lisboa. Será mais outra.

Daquilo que conheço, não tenho dúvidas que Banjara era o maior bu...rako.

Vasco da Gama disse...

Ao Triunvirato da Tabanca Grande
Caros Camaradas e Amigos,
Face ao vosso belo texto seria muito pobre uma resposta da minha autoria, pelo que, dou a voz a um poeta russo, Maiakovski, calado a seguir à revolução bolchevique:

Na primeira noite,eles se aproximam
e colhem uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.

Na segunda noite já não se escondem
pisam as flores,matam nosso cão.
E não dizemos nada.

Até que um dia o mais frágil deles,entra sózinho em nossa casa, rouba-nos a lua, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta

E porque não dissemos nada,
já não podemos dizer nada.

Queridos Combatentes da Guiné

Mesmo " de Baixa", ao ataque.....
NÃO TORNEMOS A PALAVRA INÚTL.
Vasco da Gama

Anónimo disse...

Informação que nos foi transmitida pelo Amaro Samúdio, Matosinhos:

amaromsamudio@hotmail.com


Caro Luís Graça

No pequeno luxo de Guilé«eje não cabia muita gente.

Não sei ao certo quantos cabiam, nos verdadeiros abrigos à prova de 122 perfurante,segundo diziam, mas não deviam ser mais de 20.

Digo eu. Vinte vezes quatro abrigos só dá oitenta.Os restantes estavam em abrigos artesanais. Sei, quase, mentalmente a sua localização.

Peço-te desculpa mas, por vezes, só me apetece transmitir revoltas e discordâncias ocasionais quando se fala da Guiné ou de Guileje. Talvez, quem sabe, um dia, esta revolta se venha a transmitir em escrita.

(...)