segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Guiné 63/74 - P15034: Notas de leitura (750): “Nhoma, uma trajetória de luta”, por Bnur-Batër (Respício Nuno e Eduíno Sanca), Edições Corubal, Guiné-Bissau, 2013 (1) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 8 de Setembro de 2014:

Queridos amigos,
O que me cativou do principio ao fim neste livro foi a língua portuguesa. Frases como estas: “Desenhou-se-lhe um fulgor bravo no rosto” e também: “Outra questão que sazonalmente visita os nossos pensamentos” e, mais ainda: “Transpirava aquecido pelas notícias”.
É uma biografia onde cabe tudo, até pormenores de feitiço e cartomancia no assassinato de Nino: “Um molhe de cartas estava em cima da mesa e ainda por revelar. Voltou sete cartas, quatro delas eram naipes de espadas, uma de paus e duas de copas. Logo junto ao corpo encontrou duas, o nove de paus colado ao peito e o rei de copas no chão, perto da cabeça do defunto. Debaixo de duas cadeiras encostadas à parede havia mais duas cartas, a quina e o sete de espadas. O dez de espadas estava junto à catana. À entrada, no chão e coberto de sangue, jazia o quatro de espadas. Na parede salpicada de sangue estava colado o sete de copas”.
É um livro de assombro, há que ler com cuidado, a memória do biografado escorrega por vezes para a fantasia.

Um abraço do
Mário


Nhoma, um combatente em várias guerras da Guiné-Bissau (1)

Beja Santos

“Nhoma, uma trajetória de luta”, por Bnur-Batër (Respício Nuno e Eduíno Sanca), Edições Corubal, Guiné-Bissau, 2013, é um livro surpreendente, viciante, numa primeira leitura fica-se perplexo e por várias razões: a sinceridade do depoimento, aquela criança balanta que queria ir para a luta e que se formou e mantém os seus rituais animistas, de valor indiscutível; o lindo idioma luso-guineense em que os biógrafos contam a história da vida de Bitchofula Na Fafe, nada me tinha sido dado ler neste estuário de um português antigo, derivado do crioulo, elegante, vocábulos que se entrelaçam como ramos de floresta-galeria e nos embriaga pelo prazer da leitura; e a própria trajetória de um homem que tudo ofereceu, que se enredou em fidelidades, que conheceu a prisão e a abjeção, e que viveu nas antecâmaras a ditadura de Nino Vieira, é diante do seu cadáver que termina este exercício biográfico.

Os biógrafos explicam os seus intentos: “Os factos aqui evidenciados poderão, em certa medida, contribuir para a compreensão do que tem constituído o grão de areia na engrenagem para a consolidação da ideia de Estado: o confronto obstinado entre o presente e o passado recente e o seu contágio ao imaginário coletivo das gerações mais novas”. Bitchofula Na Fafe é uma criança quando adere, na região de Catió, à guerrilha, entrará em Guileje depois da retirada das tropas portuguesas, não esconde a profunda admiração pelo Kabi, Nino ou João Bernardo Vieira. Irá participar no golpe de Estado de 14 de Novembro de 1980. Em 1986, é acusado e detido, alegadamente por estar envolvido na tentativa de um golpe de Estado capitaneado por Paulo Correia e Viriato Pã. Passou anos no cativeiro sem qualquer julgamento, descobriu à sua custa que a Guiné e os seus líderes tinham encetado um processo autofágico; durante a guerra civil Nhoma foi forçado a juntar-se à rebelião, por ter sido preso pelos fiéis a Nino, sem saber por que razão. Novamente preso, lidera uma fuga digna do cinema. Será um dos principais promotores da revolta contra Ansumane Mané, em defesa de Kumba Iyalá. Mas Nhoma tinha mais peripécias dramáticas para presenciar: a destituição do Presidente da República, os assassinatos de dois chefes de Estado-Maior General das Forças Armadas, o regresso de Nino e a sua execução. Vê desaparecer camaradas de trincheira e de muita conivência.

A descrição da infância obrigatoriamente que nos maravilha: “O filho macho de Tchambu cresceu em Kablol e atingiu a classe de idade de nghayé-gdanh (última fase antes de atingir a fase adulta). Parecia uma palmeira, era alto e magro. Usava tranças rentes e negras. Enfeitava os pulsos e os tornozelos com braceletes de plástico e fibras vegetais. Ao pescoço pendurava um tubo de borracha preto e fino. Tapava as nádegas com lopé. Aprendeu com os miúdos da sua idade a olhar para o céu, com muita reverência”. E mais adiante: “A tiracolo, penduravam um barkafon (espécie de taleiga que serve para transportar comida e outros utensílios) onde guardava comida. Nesse grupo de rapazes, haveria quem soprasse trovas típicas com longos chifres de boi e também quem se ocupasse de uma vara de cana de bambu comprida, totalmente amarrada com três fios de nylon, passando por cima da cabaça forrada com couro de gazela, chamada viola”. Nhoma sabe que há jovens que estão a preparar-se para a luta e que têm um chefe, Kabi. Teimosamente, Nhoma impõe-se, quer aderir à luta. Vão para Cubucaré. Em Kablol aparece um capitão, irá disparar indiscriminadamente sobre gente indefesa, viera com um homem encapuçado que conhecia os guerrilheiros e simpatizantes. Segundo Nhoma, morreram sete pessoas. O capitão terá cometido um equívoco, a gente morta não colaborava com a guerrilha. Segue-se um pormenor curioso: “Kablol era exemplar para as autoridades coloniais desde os tempos em que o prisioneiro de delito comum, Btakda NGugna, recusou evadir-se durante a libertação de Nino do calabouço de Catió. A confiança dos tugas foi quebrada com o assassinato do guarda-sipaio Yalá Na NFad, que tinha iniciado o arrolamento para o imposto. O chefe da tabanca de Kablol pediu dois rapazes para escoltarem Yalá a um outro chefe de tabanca. Ao atracarem na outra margem, foram intercetados por Nino que capturou Yalá e o liquidou, deixando o cadáver no meio da estrada, como represália por o ter denunciado aos tugas”. Nhoma descreve a partida dos jovens para a guerrilha, como recebeu ordens para regressar a Kablol e ajudar a família, regressou mas pouco tempo depois quis voltar para a mata. Irá conhecer Abel Djassi, nome de guerra de Amílcar Cabral. O encontro foi intempestivo. Temos aqui referências aos acampamentos do Sul, pena é que a omissão cronológica seja absoluta, não sabemos se estamos ainda em 1962 ou 1963, fala-se em Porto de Gã-Djola, no acampamento de Mafelé-Dangó, em Tchuguesinho e nos seus primeiros combates com as tropas portuguesas.

Abruptamente, chegamos a 1969, já existem armas antiaéreas de quatro canos, ZPU-4, e chega Osvaldo Vieira da barraca de Unal, nova conversa intempestiva. Nhoma recebe uma incumbência precisa, não se sabe em que data, mas ele diz aos seus biógrafos: “A prioridade do comando da luta era impedir o projeto dos tugas de alcatroar a estrada de Kufar até Catió, via Cabaceira. O projeto já estava em execução e haviam construído um troço considerável. Nhoma e outros entraram em ação para bloquear o projeto, tendo transformado em cinzas o aeródromo de Kufar e Kuduku Nalu. O ataque custou um bocado da gengiva a Nhoma, que a perdeu ao tentar afastar uma granada inimiga que explodiu, um estilhaço atingiu-o na boca”. Depois em Janeiro de 1973 aparece Pedro Pires a comunicar a morte de Amílcar Cabral. Virá a saber que o seu irmão Kintie Na Fafe fora executado, fora um erro, ao que parece por uma denúncia de Maria Turra. E depois recebe instruções de Nino para ir até Mejo. Diz aos seus biógrafos que capturaram um alferes que depois foi expedido para Kandjafra (que nós designamos por Kandiafara). E diz algo que a historiografia portuguesa irá certamente dizer que é fantasioso: “Os guerrilheiros conseguiram do alferes capturado informações decisivas que viriam a servir na execução do plano de ataque a Guileje (importa recordar que o preparador desta operação, Osvaldo Lopes da Silva, nunca fala em informações oriundas dos portugueses). Porém, este discutiu com Kabi apostando que a guerrilha não será capaz de conquistar aquela guarnição altamente fortificada. As atitudes do oficial português perante o sucesso da operação determinaram a guerrilha e reforçaram a estratégia de ataque”. Depois da retirada das tropas portuguesas, Nhoma foi designado para guardar Guileje. Diz que o alferes capturado não sobreviveu e que os guerrilheiros encontraram jantar ainda no lume (coisa impossível, os guerrilheiros esperaram vários dias para entrar em Guileje, encontraram escombros, abrigos e muita bebida, houve bebedeira até fartar…). Estamos em crer que Nhoma quis dar uns ares de cowboy aos biógrafos e excedeu-se na fantasia. É pena.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 21 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P15026: Notas de leitura (749): "Kassumai", por David Campos, publicado pela Associação Chili com Carne, Dezembro de 2012 (Mário Beja Santos)

2 comentários:

António José Pereira da Costa disse...

Adoro vencedores!
E se forem imaginosos muito mais.
Mas começo a ter uma certa falta de paciência.
Um Ab.
António J. P. Costa

manuel carvalho disse...

A rapaziada do PAIGC manga de esperto no cabeço.Aquilo eram só vitórias.
No entanto estou muito grato ao camarada Mário Beja Santos por me mostrar estes livros.

Manuel Carvalho