segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Guiné 63/74 - P15035: FAP (82): Pedaços das Nossas Vidas: VI - Um ataque com "olhos azuis" - I Parte: "O ideal missionário do povo sueco" e "A escapatória ética da ajuda humanitária sueca" (José Nico, Gen PilAv)

1. Em mensagem do dia 22 de Agosto de 2015, o nosso camarada Miguel Pessoa, Cor PilAv Ref (ex-Ten PilAv, BA 12, Bissalanca, 1972/74), enviou-nos um trabalho para publicação, da autoria do General PilAv José Francisco Fernando Nico, versando a ajuda da Suécia aos Movimentos de Libertação africanos, durante a guerra colonial.

Caros editores Luís Graça e Carlos Vinhal
Após a conversa que tive com o Luís sobre este assunto, envio para os dois o texto que originou este meu contacto, pois não sei quem está de serviço ao trabalho editorial.
O texto em questão, da autoria do General PilAv José Nico, tem circulado na Net e o assunto que versa é certamente do interesse de muitos dos seguidores deste blogue. Por um lado, por ser assunto que é do conhecimento de poucas pessoas, por outro, por relatar factos passados na "nossa" Guiné, no início do longínquo ano de 1969, matéria que justifica uma ampla divulgação. É esse o motivo que me leva a reencaminhar-vos o referido texto para publicação no blogue, tendo-me sido já transmitida a anuência do seu autor - Gen. Nico - à sua edição no blogue "Luís Graça & Camaradas da Guiné".

Um abraço.
Miguel Pessoa

************

PEDAÇOS DAS NOSSAS VIDAS

Cumpri muitas missões durante a minha carreira na Força Aérea Portuguesa. A comissão na Guiné, porém, sobrepôs-se a todas as outras e marcou-me indelevelmente para o resto da vida. A mim e certamente a todos os que, de algum modo, partilharam a mesma experiência. É dela ou de acontecimentos com ela relacionados, que vos irei dando conta…
José Nico
Gen PilAv


VI – UM ATAQUE COM “OLHOS AZUIS” (1)

Embora não tenha tomado parte directa na acção nunca esqueci o dia 6 de Janeiro de 1969. Há uma razão para isso: conservo ainda uma munição da metralhadora AA quádrupla ZPU-4 que nesse dia abriu fogo contra os G-91, a partir de Sangonhá, no Sul da Guiné, local que tinha sido até poucos meses antes uma posição do Exército Português. Sempre que olho para aquele pedaço de metal inerte imagino a chuva de projécteis iguais que em diversas situações sairam dos tubos dos famosos “quatro bocas”1 e nos passaram ao lado sem nunca nos conseguirem derrubar2. Como é que essa memorabile de uma arma AA que efectivamente disparou contra os nossos aviões veio parar às minhas mãos é a história que me proponho contar neste episódio dos “Pedaços das nossas vidas”.

ZPU-4. Desenho de Paulo Alegria

____________

Notas:
1 - “Quatro bocas”, designação que os cubanos davam às metralhadoras AA ZPU-4. Embora, por razões de “auto-estima” os guineenses nunca tenham admitido, existem grandes probabilidades dos dispositivos anti-aéreos do PAIGC e, em particular as ZPU e os canhões AA 37mm, terem sido operadas por cubanos. Os quatro canos da ZPU-4 debitavam 2400 tiros por minuto e as munições chegavam aos 15.000 pés de altura embora o alcance eficaz fosse de 4600 pés. Em qualquer caso o perigo maior para um alvo rápido como era o G-91 era a densidade de projécteis na trajectória do avião e menos a destreza do apontador.
2 - Houve aviões abatidos por outros tipos de armas AA e também pelos mísseis Strella mas nunca tivemos uma perda provocada, nem pelas ZPU-1-2 ou 4, nem pelos canhões de 37mm.

************

O ideal missionário do povo sueco 

Não é possível descrever este acontecimento sem primeiro tentar traçar as linhas mestras do apoio sueco aos movimentos de libertação, durante a guerra que nos foi imposta em África, pois está directamente implicado no que vos quero relatar. Além disso, estou convencido que poucos terão consciência da dimensão e importância das acções que os suecos moveram contra Portugal nesse desastroso período da nossa história em que abdicámos totalmente do projecto da nação pluricontinental e multirracial, independentemente da situação objectiva em cada território, e embarcámos revolucionariamente na infame descolonização. Em última análise, os suecos contribuíram também para os mortos, estropiados e feridos que sofremos durante a guerra. Esta é, por isso, também uma oportunidade para lançar alguma luz sobre a dimensão e natureza do sistema adversário que enfrentámos e a que conseguimos resistir durante treze anos, apesar do diminuto peso estratégico do país.

Trata-se de uma questão que merece naturalmente uma análise muito mais abrangente do que o espaço para o presente artigo permite. Irei, por isso, tentar sintetizar o essencial do que achei até agora sobre a “amizade e solidariedade” sueca em relação aos movimentos de libertação e, consequentemente, o seu papel de inimigo como parte do sistema adversário que nos moveu a guerra.

Comecemos então pelo conceito de sistema adversário, por contraposição com a ideia corrente de que os nossos inimigos foram apenas os movimentos de libertação. Na realidade, estes beneficiaram de promotores e de apoios externos que foram engrossando com o passar do tempo até atingirem uma escala quase global. Estes apoios e os próprios movimentos de libertação estavam interligados e actuavam de forma coordenada para alcançar o mesmo objectivo estratégico e por isso devem ser considerados como um sistema. Assim, todos os que contribuíram objectivamente, por qualquer forma, para desapossar Portugal dos seus territórios ultramarinos, promovendo a liberdade de acção e a capacidade dos movimentos de libertação, foram elementos desse sistema adversário e, portanto, foram também nossos inimigos na guerra.3

Numa listagem por defeito aponto os que me parecem os mais óbvios mas, muitos outros, incluindo a gama dos países amigos com comportamentos ambivalentes, ficam por mencionar: as oposições políticas internas, diversas individualidades espalhadas um pouco por todo o Mundo, a URSS, a China, a Coreia do Norte, Cuba, os países do Norte da Europa, Argélia, Tunísia, Egipto, Senegal, Guiné-Conacri, República do Congo, República Democrática do Congo, Zâmbia, Tanzânia, o Movimento dos Não-Alinhados, a Organização da Unidade Africana e a Organização das Nações Unidas.

No grupo dos países do Norte da Europa notabilizou-se sempre a Suécia que, após uma fase de apoio informal mas efectivo, acabou por dinamizar os restantes países nórdicos4 para actuarem também abertamente contra Portugal, a partir de 1969.

De forma algo diferente dos que agiram apenas por razões políticas de natureza institucional, na Suécia verificou-se sempre uma simbiose entre a sociedade civil e o Estado. Ambos foram actores proactivos e actuaram combinados. Em última análise, o comportamento de um grupo significativo de suecos e de algumas das suas instituições foi claramente um acto de guerra contra os portugueses, muito semelhante ao dos cubanos que enviaram militares e armamento em apoio directo das acções de guerrilha sem que Portugal alguma vez os tivesse atacado ou declarado a guerra. As razões que sustentam esta atitude são naturalmente diversas mas podem ser explicadas e decorrem do sucesso do estado social sueco e de outros factores que justificam os excelentes indicadores de qualidade de vida que entronizaram o país como uma referência de desenvolvimento a partir de finais dos anos vinte do século passado.

Anteriormente, a Suécia fora um país rural, economicamente relativamente débil, que só começou a industrializar-se em meados do século XIX, na cauda dos países europeus economicamente desenvolvidos. Todavia, já nesse período, os fundamentos do estado social que iria ser, no futuro, um pilar fundamental do sucesso do país há muito que estavam enraizados na cultura sueca5. Conseguiu então, a partir daí, começar a tirar dividendos da Revolução Industrial e a partir do final do século XIX e princípios do século XX a economia acelerou definitivamente dinamizada por numerosos inventores e empresários6. No entanto, o ambiente social era ainda tão frágil que, desde meados do século XIX até aos anos 30 do século XX, muitos suecos se viram forçados a engrossar o fluxo da emigração europeia para os Estados Unidos.

Com o desenvolvimento económico e a resultante segurança material, cresceu o bem-estar social que por sua vez influenciou a melhoria da estabilidade interna e externa do país e o incremento das liberdades civis. Foram estas conquistas, reconhecidas e elogiadas internacionalmente, que acabaram por incutir nos suecos a presunção de que tinham adquirido não só o direito mas também a obrigação moral de exportar o seu modelo civilizacional para os países menos desenvolvidos e áreas problemáticas. Foi uma atitude que derivou dos princípios luteranos inculcados há muito na sociedade e no Estado7, os quais exigem que seja feito sempre o melhor (a ética dos virtuosos)8 e nestes termos os suecos nunca admitem fazer menos que o melhor, em quaisquer circunstâncias. É por isso que mesmo perante um insucesso um sueco dificilmente reconhece que errou. Este singular comportamento pode ser retratado da seguinte maneira: basicamente “os suecos não têm perguntas sobre os problemas do Mundo mas apenas respostas, que julgam serem as melhores e universais, configurando-se como modelo. Presumidamente, esse modelo poderá conduzir o resto do mundo ao estádio a que eles chegaram, no pressuposto de que isso seria possível e bom para todos”9.

Por estas razões instalou-se um pendor missionário na cultura sueca que foi reforçado por altura da nomeação, em 1953, de Dag Hammarskjöl para Secretário-Geral das Nações Unidas. O povo sueco passou então a sentir a orientação política e os programas civis e militares da ONU como uma responsabilidade também sua, como foi o caso do programa de descolonização. Psicologicamente, terá sido um lema do tipo “a ONU somos nós” um dos factores que mais influenciaram, nessa altura, a motivação internacionalista da comunicação social, juventudes universitárias, sindicatos e partidos políticos suecos. A acção de Dag Hammarskjöld à frente das Nações Unidas foi avidamente assumida como uma extensão da política externa da Suécia a qual se considerava moralmente responsável por resolver os problemas do mundo, tal como a ONU10. Foi tão intensa essa motivação que a longínqua e pouco africana Suécia resolveu participar, logo em Dezembro de 1958, na I Conferência de Povos Africanos em Acra, no Gana, claramente em busca de oportunidades de realização. Foi nessa conferência que o Partido Social Democrata sueco, então no governo, estabeleceu os primeiros contactos com os movimentos de libertação africanos os quais constituíram os alicerces do subsequente apoio sob a eufemística capa de “ajuda humanitária”.

É claro que esse ideal de “olhos azuis”, como os suecos gostam de classificar as suas “boas intenções”, a “inocência” e aparente “ingenuidade” das suas iniciativas extra-muros, nunca deu ao Mundo novas Suécias pela simples razão de que o que sustenta o estado social e as liberdades suecas é o potencial económico. São tudo coisas muito caras que não são obtidas por ideologias, nem por pretensas boas intenções mas sim com recursos e esses só podem ser gerados por um estado eficaz, investimento, educação e trabalho. Nada disso alguma vez acabou por acontecer nos países seleccionados pela ajuda humanitária sueca e em particular na Guiné-Bissau11.

Outro aspecto marcante, já referido atrás, foi a clara cumplicidade entre o Estado e a sociedade civil. A explicação para isso parece decorrer do conceito de “solidariedade” que, em sueco, não só se refere à coesão social mas também ao empenhamento e responsabilidade (tanto na Suécia como externamente) quanto a questões humanitárias12 e desenvolvimentos de natureza política. Essa atitude contribuiu para reforçar a auto-identificação dos suecos como um povo tradicionalmente avançado moral e tecnologicamente e começou a ganhar visibilidade por altura da Segunda Guerra Mundial, período que colocou em risco os valores civilizados, cabendo à Suécia, acreditam eles, o papel de sua guardiã13.

É tudo isto que justifica a paranóia missionária do povo sueco e o fervor no apoio, logo a partir de 1961, através dos OCS, organizações estudantis e partidos políticos, numa altura em que o PAIGC ainda não tinha sequer iniciado as hostilidades (excepto a casca de banana no cais do Pindjiguiti em 3 de Agosto de 1959)14 e a política oficial do Estado ainda estava longe de acometer Portugal.
____________

Notas:
3 - Tor Sellström, Sweden and National Liberation in Southern Africa, pág 64: “...Cabral himself who was the chief architect behind the commodity programme. Supplied with arms from the Soviet Union and its allies, he had from the outset ruled out the idea of military support from Sweden, designing instead a programme of civilian cooperation that at the close of the 1960s was met by no other country”...“Sweden and the Soviet Union were the largest donors to PAIGC. While the former was predominant on the civilian side, the latter was the leading supplier to the military struggle.
4 - Noruega, Finlândia, Dinamarca, Holanda e Islândia.
5 - Tudo terá começado com a Igreja Luterana que, em 1734, lançou as primeiras pedras na construção do Estado Social sueco ao instituir a obrigação de cada paróquia ter um asilo para os mais desfavorecidos e economicamente carenciados - O mito do "socialismo sueco", João José Horta Nobre, Mestre em História Contemporânea, 07 maio 2014.
6 - Mises Daily, Stefan Karlsson, August 7, 2006.
7 - In the Swedish religious and political tradition, the connection between Lutheranism and Swedish national identity stayed relevant long after the disappearance of religion as an all-encompassing norm in daily life. Catholicism and the Idea of Public Legitimacy in Sweden, ACADEMIC JOURNAL ARTICLE By Harvard, Jonas, European Studies , No. 31 , January 1, 2013.
8 - Até ao ano 2000, a religião Luterana foi a religião oficial do Estado sueco. O luteranismo atribui significado religioso ao trabalho mundano do dia a dia, por meio do qual se pode expressar o amor ao próximo e, consequentemente, agradar a Deus.
9 - Why Swedes would talk about themselves?, Astréia Soares, Doutora em Sociologia pelo IFCS/UFRJ, professora da Universidade Fumec/MG.
10 - Gustafsson, 1964, pág. 115.
11 - Returning to Guinea-Bissau twenty years after his visit to PAIGC’s liberated areas, in 1993 Anders Ehnmark reflected upon liberation and liberty, independence and development, dreams and realities, in his essay ‘The Trip to Kilimanjaro’, concluding that “something which was not predicted has taken place” (Ehnmark (1993) op. cit., pág. 113).
12 - Brian Palmer (1996).
13 - Why Swedes would talk about themselves?, Astréia Soares, Doutora em Sociologia pelo IFCS/UFRJ, professora da Universidade Fumec/MG.
14 - O “massacre do Pindjiguiti” foi intencionalmente provocado especialmente pelo PAI (depois PAIGC) que se tinha organizado três anos antes sob a direcção de Amílcar Cabral. A título de exemplo, para mostrar a mistura explosiva então instalada em Bissau, alguns dos membros do PAI eram membros do PCP na clandestinidade (Elysée Turpin, Carlos Correia, Abílio Duarte e Rafael Barbosa), outros eram empregados da Casa Gouveia (Elysée Turpin e Carlos Correia estes com duplo chapéu e Luís Cabral). Existiam ainda outros grupos, alguns também dinamizados por Amílcar Cabral e Rafael Barbosa. Toda esta gente conspirava e andava em bicos dos pés para provocar os “colonialistas” e foram eles que manipularam os marinheiros manjacos até à confrontação com a polícia. Basicamente tratou-se de uma greve por razões salariais, que já tinha sido ensaiada antes, e que se foi exarcebando até que em 3 Agosto 1959 deu-se uma inevitável confrontação com a polícia. Nessa altura, os grevistas picados pelos agitadores quiseram assaltar a Casa Gouveia tendo atacado os polícias (papéis) com arpões, paus, barras de ferro e remos na tentativa de os desarmar. Obviamente isto resultou em mortes. A partir desse lamentável desfecho, o desejado “massacre” passou a ser, imediata e incessantemente, utilizado no estrangeiro e em particular na Suécia como bandeira para a luta de libertação. Os mortos do Pindjiguiti ficaram para a história da libertação como um crime dos colonialistas e aos companheiros de Amílcar Cabral nunca nada lhes pesou na consciência. Tudo se justificava na lógica marxista que os iluminava. Ver também “Sweden and National Liberation in Southern Africa: Solidarity and assistance”, Tor Sellström, pág. 45.

************

A escapatória ética da ajuda humanitária sueca

Os suecos podem querer convencer o Mundo de que, eticamente, são “de olhos azuis” mas todos sabemos que o estado de desenvolvimento e bem-estar que conseguiram15 são indicadores que não permitem outra interpretação das suas atitudes que não seja a da intencionalidade fundamentada e objectiva. Tinham certamente consciência de que todas as formas de apoio aos movimentos de libertação e em particular ao PAIGC que, dentre eles foi o mais beneficiado, eram letais e redundavam em mortos, feridos e destruição quer entre as forças portuguesas, incluindo as de recrutamento local e ainda as populações civis. De facto, não interessava que a ajuda sueca apenas fosse direccionada para a propaganda, para melhorar e manter as bases no Senegal e na Guiné-Conacri, para fornecer meios de transporte, para o tratamento de doentes e feridos, para financiar deslocações dos dirigentes, etc. Toda a ajuda contribuía para a capacitação do movimento cujo objectivo último era fazer a guerra e acabar com a presença portuguesa pela força. Não pode ter sido, nem foi outra, a motivação dos suecos.

Ciosos do seu estatuto como país de referência viram-se, por isso, obrigados a arranjar uma forma subtil de conferir uma aura de bondade às suas acções de modo a conservar as consciências impolutas e, em particular, não pôr em causa os preceitos que exigiam não patrocinar ou promover nada que implicasse perda de vidas ou mais sofrimento. Apresentando-se como “um país muito escrupuloso quanto aos princípios”, a ajuda aos movimentos de libertação e em particular ao PAIGC teve que ser justificada de modo a encobrir a sua finalidade última e as respectivas consequências.

Atentemos por isso no termo escolhido para designar esse apoio, precisamente o de “ajuda humanitária”. Efectivamente, esta designação não só dava a ideia de inocuidade como soava bem (para os pouco avisados que eram a generalidade dentro e fora de portas) e transpirava bondade. Outro factor muito utilizado foi a classificação do regime português como sendo uma ditadura fascista e portanto tudo o que dele emanasse estava automaticamente condenado. Por politicamente correcta validava todo o tipo de iniciativas contra Portugal, promovia a unidade de esforço com as oposições ao regime português e com a comunidade internacional democrática e, também com a não democrática, desde que não fosse ocidental ou, por exemplo, pertencesse ao bloco soviético. O problema é que o que estava em jogo era o projecto e futuro de uma sociedade pluricontinental e multirracial e não a sobrevivência do regime que transitoriamente a governava. A Suécia justificava assim a “ajuda humanitária” aos movimentos de libertação fazendo de conta que estava a combater um regime político quando, na realidade, estava a influenciar decisivamente o futuro de uma comunidade que em termos humanos se projectava muito mais avançada que as que hoje temos. As pessoas não contavam, o que importava eram os “amanhãs que cantam” das ideologias em voga16 com consequências terríveis como a conflitualidade, a ingovernabilidade ou as actuais avalanches emigratórias. Também eles, suecos, sopraram os ventos da história contra Portugal e condicionaram a seu belo prazer o futuro dos povos que habitavam os territórios então portugueses. É por isso que entre as características já inventariadas na mentalidade sueca não tenho dúvidas em acrescentar mais uma e esta bem negativa: a hipocrisia, nua e crua.

Mas não eram apenas estes os argumentos falaciosos que os suecos coligiram para justificar a sua “ajuda humanitária”. Outros que pareceriam “não ter pernas para andar” mas foram prontamente validados pelo imaculado povo “dos olhos azuis” foram a invocação do atraso português em termos económicos e o facto da colonização estar a ser feita com pessoas de baixa ou média condição social. Tanto o primeiro como o segundo argumento queriam apenas dizer que os povos africanos de Angola, Moçambique e Guiné-Bissau mereciam colonos mais ricos, mais educados e de mais elevada condição social. Presumivelmente, se esses colonos fossem suecos então estaria tudo bem e esses territórios já seriam uma espécie de Suécias dos Trópicos. No entanto, enquanto nós sentíamos que as características da população portuguesa presente em África nos aproximavam mais das populações autóctones e por isso conferiam melhores condições de entrosamento, convivência e uma evolução comum mais equilibrada e eficaz, para os nossos detractores era tudo negativo e justificava a guerra que promoviam.

Para além destas considerações é no relato escrito por Tör Sellström, em 200817, que se pode perceber melhor grande parte do racional sueco para justificar o apoio aos movimentos de libertação anti-Portugal:

Declarava-se que essa ajuda não poderia entrar em conflito com o primado do direito internacional, no âmbito do qual se define que nenhum estado tem o direito de interferir nos assuntos internos de outro. Contudo, relativamente aos movimentos de libertação em África, a ajuda humanitária e o apoio à formação académica não devem ser interpretados como estando em conflito com as referidas normas internacionais nos casos em que as Nações Unidas tenham tomado uma posição inequívoca contra a opressão dos povos que lutam pela liberdade nacional. Considera-se que a África Austral ocidental, a Rodésia e os territórios africanos sob suserania portuguesa estão abarcados por essa definição.

Passaremos a seguir a explicar o processo que levou a esta decisão. Entretanto, é de notar que poucos países ocidentais eram tão diferentes entre si como Portugal e a Suécia no período pós-guerra e que as ligações económicas eram inicialmente fracas.

Apesar de ambos os países terem passado à margem da segunda guerra mundial, o fosso, que separava a ditadura fascista do Portugal católico da social-democracia da Suécia protestante, era abissal. Na arena internacional, Portugal via-se como um importante portador do estandarte do destino imperial e tinha aderido à OTAN, enquanto a Suécia fazia gala do seu passado não-colonial. Em termos nacionais, o regime de Lisboa seguia uma via ultra-proteccionista, que administrava uma economia retrógrada e estagnada, baseada no sector primário, enquanto que o governo social democrata da Suécia registava um crescimento económico acelerado e era um país cada vez mais exportador, em resultado directo duma política de transformação industrial assente na qualificação. No prisma social, as políticas elitistas praticadas em Portugal criaram taxas de analfabetismo e má saúde pública que colocavam o país mais no terceiro mundo, enquanto as práticas igualitárias do "modelo sueco" colocavam este país na vanguarda da educação e da saúde. 

As relações comerciais entre Suécia e Portugal eram bastante marginais até meados dos anos 60. Em 1950, o valor das exportações suecas para Portugal chegava a 28,3 milhões de coroas suecas, ou seja 0,5 por cento do total de exportações. Os números correspondentes para as importações suecas feitas por Portugal representavam nesse mesmo ano 25,1 milhões de coroas suecas, ou seja 0,4 por cento. Dez anos mais tarde o valor das exportações suecas tinha aumentado para 60,9 milhões de coroas suecas, mas a parte de Portugal no total de exportações ficou estável, enquanto a proporção relativa das importações de Portugal diminuiu para 0,3 por cento. Era fácil de ver que o comércio externo que a Suécia tinha com Portugal era muito menos relevante do que o que tinha com a antiga colónia portuguesa, o Brasil. Os investimentos directos em Portugal foram, durante muito tempo, apenas de relevância marginal. Apenas algumas empresas suecas, como a SKF e a Electrolux tinham estabelecido sucursais em Portugal nos anos 20, ao passo que algumas empresas têxteis viriam, mais tarde, a fazer investimentos directos. Por junto, havia apenas cerca de cinco empresas suecas em Portugal em 1960 e os seus produtos combinados eram bastante reduzidos.

Esta é uma pequena amostra do convencimento e arrogância sueca em relação a Portugal. A construção ética apenas visou dar cobertura ao que desejavam fazer a todo o custo e que tinha começado a ganhar momento ao tempo de Dag Hammarskjöl nas Nações Unidas. Sentiram-se, assim, com base em análises claramente preconceituosas, auto-mandatados a dar-nos uma lição. Todavia, tudo o que acima se transcreveu pode agora, que a guerra acabou há muito, ser contra-argumentado. Para não me alongar demasiado limitar-me-ei a comentar a invocação da virgindade sueca em relação ao colonialismo e ao facto do Estado-Novo “criar taxas de analfabetismo e má saúde pública que colocavam o país mais no terceiro mundo”. Em relação ao primeiro ponto é preciso frisar que, no passado, os interesses da Suécia assentaram no comércio marítimo e na indústria do ferro. Por essa razão nunca estiveram muito interessados em ocupar território mas sim em garantir o acesso dos seus navios a pontos de carga e descarga em África e em vender ferro trabalhado. Para além disso, estabeleceram, embora por um curto período, diversos entrepostos na costa do Ghana destinados à aquisição e trânsito de escravos com destino às Américas. Em paralelo com esse comércio avultava o fornecimento das barras de ferro para lastro dos navios negreiros e as argolas e grilhetas com que os escravos eram sujeitos a bordo e nos pontos de embarque e desembarque. Também mantiveram uma colónia de escravos em Saint-Berthélemy desde 1787 até Outubro de 184718. Por último, em finais do Séc XIX a Suécia participou na Conferência de Berlin com o mesmo estatuto e as mesmas intenções das restantes potências europeias. Não parece por tudo isto que a Suécia se possa distanciar agora, em termos morais, nem dos portugueses nem dos outros países que colonizaram África.

Sobre “as políticas elitistas praticadas em Portugal que criaram taxas de analfabetismo e má saúde pública” este argumento difundido na opinião pública sueca era claramente mal intencionado. Dava a impressão que o regime era tão mau que estava a fazer o país “andar para trás”. A verdade é que o regime português, apesar de tudo, fazia o que podia depois do descalabro da 1.ª República e havia evolução. Não tão rápida como seria desejável, ou não tão rápida como a da Suécia, mas isso decorria do que se pudesse considerar como a situação de referência para efeitos de comparação, por exemplo, à data da instauração do Estado Novo. Também resulta claro, bastando para isso olhar para as fotografias da época, que o país de 1926 era completamente diferente do país de 1960. Este alegado retrocesso invocado pelos suecos parece ser resultado da propaganda dos opositores ao regime e dos líderes dos movimentos de libertação, em particular de Amílcar Cabral, Eduardo Mondlane e Holden Roberto, que foi de quem os suecos se aproximaram mais. Outra coisa não seria de esperar.
____________

Notas:
15 - A admissão de que a ingenuidade seja um traço da cultura sueca contrasta com a imagem da Suécia moderna, secular e tecnologicamente avançada e com um alto índice de informação sobre questões internacionais (Why Swedes would talk about themselves?, Astréia Soares, Doutora em Sociologia pelo IFCS/UFRJ, professora da Universidade Fumec/MG).16 - Nada mais elucidativo do que comparar as projecções de liberdade e desenvolvimento de Amílcar Cabral para a Guiné-Bissau e a situação real do país após quarenta anos de independência.
17 - A Suécia e as lutas de libertação nacional em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, Tor Sellström, Nordiska Afrikainstitutet, Uppsala 2008
18 - Up until the 9th of October 1847 Sweden had a colony in the West Indies called Saint-Berthélemy where there were thousands of slaves. When Gustav III was asked to end slavery in the beginning of the 19th century by Great Britain where the abolitionist movement had grown strong the Swedish king firmly neglected that Sweden had had any participation in having slaves. This denial has lived to our days in Sweden as well on the former Swedish colony Saint-Berthélemy, Pan African Visions » Afro-Swedish Perspectives, Blogs » Living in Denial: Sweden and the slave trade, October 16th, 2012

(Continua)

************
____________

Nota do editor

Poste anterior da série de 29 de julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13443: FAP (81): A propósito do voo MH17 das linhas aéreas da Malásia atingido por um míssil, em 17/7/2014, sob o céu da Ucrânia... Deus nos livre da antiaérea amiga, que da inimiga livramo-nos nós (António Martins de Matos, ex-ten pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74)

13 comentários:

Antº Rosinha disse...

Tenho que reler este post trinta vezes e enviá-lo a umas dezenas de amigos meus retornados, porque me parece que era isto quase tudo que queriamos explicar e não tinhamos sabedoria nem direito a gritar.

Calavam-nos!

Obrigado Miguel Pessoa e Luís Graça por isto.

Luís reforço tudo o que tenho para aí.

Mas os suecos também vão pagar as favas, que os guineenses e os congoleses não deitam as culpas todas para os "tugas". (Os pretos não são burros nem tão coitadinhos, têm muita memória e muita inteligência e estão a ir lá para o Norte à procura dos responsáveis que há por lá)

Luís Graça disse...

O nosso camarada Aires Ferreira já nos tinha enviado um pdf com este texto, em 7 do corrente... Não o publicámos logo por estarmos de férias e sobretudo porque precisávamos da competente autorização do autor...

De qualquer miodo obrigado a todos, ao Aires, ao Miguel e obviamente ao José Nico a quem faço o convite, formal, para integrar esta Tabanca Grande onde cabem todos os camaradas que passaram pelo TO da Guiné, qualquer que tenha sido o seu posto, a sua arma, a sua especialidade.. LG

_________________

De: Aires Ferreira
Enviada: sexta-feira, 7 de Agosto de 2015 00:58

Assunto: Guiné - 1969

Caro Luís Graça

Este acontecimento passou-se no fim da minha comissão.
Ouvi falar dele, mas com pouco pormenor.

Envio tal como recebi porque me parece que fica bem na
TABANCA GRANDE.

Um abraço
Aires Ferreira
Alf.Mil. Inf
1912 Mansoa

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas
Está mais que dito e redito que os "países não têm amigos, têm interesses" e, nesta perspectiva, é ingenuidade admitir que a Suécia ou outro país similar é um "chemol cântury" desinteressado em bonzinho que ajudava os guerrilheiros do glorioso PAIGC na sua justa luta contra o colonialismo, salazarismo e imperialismo português.
Por mim penso que esta operação montada pelo governo sueco terá tido uma vertente importantíssima para "gastos de casa", ao "mobilizar" o seu dinâmico e clarividente, porém pacífico, povo para o apoio a uma causa tão nobre. Estão a ver os cidadãos suecos - esses talvez desinteressadamente - a participarem no apoio aos movimentos de libertação com a melhor das intenções.
Não posso censurar o governo sueco por isso. No fundo é necessário mobilizar os povos para causas justas e especialmente a favor da Paz...
A guerra realmente não tem graça nenhuma nem mobiliza muito.
Reparem depois no que sucedeu. O PAIGC declarou a independência no início de 1973 e os suecos abençoaram o acto (simbólico) quer com a presença, mesmo em território da Guiné (Konakry) quer com o respectivo reconhecimento. Após a independência efectiva a "cooperação" avençou em força. Depois... Bem, depois...
E hoje? Sinceramente não acredito no empenhamento, nem na simples participação, da Suécia na resolução dos problemas internos da Guiné, o que nos dá preciosas indicações...
Mas as coisas são como são e não como gostaríamos que "sessem".
PS: Em 1968, colaborei no abandono de Sangonhá e Cacoca e distribuição das respectivas populações por Cacine (a maior parte) e Gadamael. Foi um risco calculado que deu o mau resultado que conhecemos. Há riscos que mesmo assumidos não correm bem.
Um Abraço do
António J. P. Costa

antonio graça de abreu disse...

Essa dos suecos do século XIX venderem ferro para o lastro dos navios negreiros e fabricarem argolas de ferro para algemar os escravos negros das guinés e outras áfricas, (além da existência da ilha de escravos nas Caraíbas), merece um retrato, uma chapa com os homens de olhos azuis chorando convulsivamente com pena dos escravos algemados.Ou melhor, uivando de satisfação
face à concretização de tão bons negócios. Claro que os colonialistas, os esclavagistas eram
os portugueses,sempre foram, mesmo que já tínhamos abolido a escravatura em 1856.

Muito interessante e bem documentado o artigo do nosso general.
Abraço,

António Graça de Abreu

Anónimo disse...



O senhor general PilAv. José Nico faz uma análise brilhante e ilusoriamente objectiva quando fala nesse período da nossa história "em que abdicámos totalmente do projecto da nação pluricontinental e multirracial, independentemente da situação objectiva em cada território, e embarcámos revolucionariamente na infame descolonização". O senhor general PilAv. devia ver muito do alto a realidade deste país messiânico, miserável e empobrecido mais do que todos os da Europa que teimava em ajudar "os pretinhos" da África a serem crentes, ignorantes e miseráveis como eram os habitantes de Portugal continental no fim da década de 60 do século passado. Sou natural duma aldeia nordeste transmontano, na década de sessenta os homens válidos da terra fugiram todos por planícies, montes e vales, de Portugal e de Espanha para a França. Nesse tempo os nossos trabalhadores miseráveis do campo podiam ser comparados às hordas dos africanos e asiáticos que tentam atravessar o Mediterrâneo à procura duma vida melhor. Apesar de tudo tiveram melhor sorte do que os outros pois não tiveram que atravessar nenhum mar, onde tantos encontram o fim de todas as ilusões.
Senhor General gosto muito da minha aldeia e das suas gentes mas confesso-lhe que tenho um grande desgosto, todos os meus praças, os rapazes da minha idade, eram sete, com quem convivi desde que nasci até à idade adulta, todas as raparigas da minha idade, eram nove, estão foram da aldeia, tal como eu, eu em Portugal, todos os outros no estrangeiro. Gente humilde, que nunca soube que tinha quaisquer direitos de cidadão, que aceitou a sua condição sem revolta, como uma fatalidade, que mesmo maltratados pela Pátria alguns ainda vieram de França, "dar a tropa" na expressão deles a uma Pátria que nunca lhes deu nada.
Senhor General não entendo muito bem este ataque à Suécia, quando houve tantos outros países que por actos ou omissões lutaram contra nós, ao ajudar os movimentos de libertação. Terá a Suécia materialmente lucrado muito com esse apoio, estará a explorar poços de petróleo ou fábricas de óleo de amendoim na Guiné.
A maioria do povo português nunca beneficiou nada com a colonização, a grande maioria dos povos colonizados nada beneficiou com a colonização. Chegados ao século vinte, as provas do desenvolvimento económico, social e educacional, do país e das colónias, estavam à vista de todos, Portugal não mostrava obra válida para continuar a ser o único país colonizador e o colonizador modelo. De 1970 a 1972 fui alferes miliciano na Guiné, não minto se disser que mais de metade dos soldados do meu pelotão, na sua maioria naturais do Alentejo, fizeram a quarta classe em Buba. De Trás-Os-Montes já falei. Na Guiné era difícil encontrar uma africano que falasse o português com alguma correção.
Os meus cumprimentos ao General PilAv. José Nico e ao Coronel PilAv. Miguel Pessoa e a todos os camaradas desta Tabanca Grande.
Francisco Baptista

Torcato Mendonca disse...

Caros Luis graça, Miguel Pessoa e Carlos Vinhal,

Passei os olhos pelo escrito e depois li com atenção. Espero a continuação e novos comentários. estes enriqueceram o escrito.

Quando, agora, aparece aqui a Suécia lembro-me do nosso camarada e amigo José Belo. Antes, para mim, o que sobressai-a era um filosofo e matemático francês mas que, devido ao rigor dos invernos suecos e aos habitos da rainha sueca Cristina? (a memória falha-me e , ainda por cima, depois de um atribulado Agosto), mas esse homem que admiro é René Descartes que faleceu em Estocolmo. Creio que foi trasladado para França. Um outro, quase um mentor é o já falecido (assasinado) politico sueco Olof Palme. Pode isto colidir com o escrito ou comentários. Já não estamos em tempos de pensamento unico.Por isso o interesse em continuar a ler e guardar o que aqui se escreve sobre a Suécia. Apoios ás africas deixam-me sempre de pé atrás. (O.Palme era contra o apartheid) mas isso parece-me ser diferente.
Venham mais escritos e comentários a assuntos destes.

Abraço para todos,

Ab,T.

antonio graça de abreu disse...

Diz o Francisco Batista: "(Portugal)teimava em ajudar "os pretinhos" da África a serem crentes, ignorantes e miseráveis como eram os habitantes de Portugal continental no fim da década de 60 do século passado."

Não sejas tão radical,meu caro Batista, há sempre as paixões políticas, entendimentos datados, realidades mal digeridas.E eu nunca fui admirador do regime de Salazar e Caetano, e nunca serei. Repara o que escrevi em Teixeira Pinto, em 1972, sobre o ensino a jovens negros no chão manjaco:

"Teixeira Pinto, 21 de Outubro de 1972

Estou a dar aulas de Português e Francês no Ciclo Preparatório que foi criado há já mais de dois anos para possibilitar a continuação dos estudos a estes rapazes que têm a 4º. Classe e são privilegiados porque a esmagadora maioria da população da Guiné nem a 3ª tem. Faltam tantas escolas nesta martirizada terra! Os oficiais do CAOP e do Batalhão asseguram a leccionação. Ganho mais um conto e quinhentos por mês que me faz muito jeito.
Vou aprender bastante com estes 28 rapazes, dos onze aos dezanove anos. Não há raparigas porque infelizmente nesta sociedade a mulher vale dez vezes menos do que o homem e não vai à escola. Eles sabem tão pouco! São normais e tão capazes como quaisquer outros, brancos, amarelos ou azuis. O problema é que atrás deles e à volta têm séculos de atraso, a modernidade, o conhecimento do mundo é um salto que os deixa confundidos, vivem ainda muito fechados dentro das estruturas mentais e sociais das suas tabancas. Preciso de os conhecer melhor. Vou pô-los a escrever sobre a vida, não lhes vou impor nenhum tipo de cultura. Aprendem bem Francês, é a vantagem de saberem falar três línguas, crioulo, português e a da sua etnia. Escrevem Português com muitos erros e são ainda tímidos, retraídos para com o professor que é branco. Para mim é uma experiência rica e como as aulas começam ao fim da tarde, tenho tempo para tudo".

Abraço,

António Graça de Abreu

Cherno AB disse...

Caro amigo AGA,

O teu primeiro comentario foi claro e bem entendido, escrito a tua maneira, claro, o Francisco Baptista teceu o dele, tambem, a sua maneira.

Nao se percebe entao, porque eh que o Francisco Baptisa devia pensar e reagir a tua maneira e nao a maneira (com a cabeca) dele.

Por mim, nao adianta e ajuda muito pouco apresentar as notas do teu Diario escrito ha mais de 40 anos e cujo conteudo, tu mesmo o afirmaste, nao tem nada a ver com o AGA de hoje que, entretanto, mudou como mudam todas as pessoas normais.

Sugiro que deixem cada um apresentar as suas ideias de acordo com a compreensao que tem da historia de Portugal que, no fundo, eh um patrimonio colectivo que pertence a todos, mas onde cada um tem o direito e legitimidade de ter o seu proprio ponto de vista, sem deixar de ser, por isso, mais ou menos Portugues.

Com tudo isso quero dizer que, para reflexao, considero os dois pontos de vista validos, dependendo da forma como os vemos, mas estou mais inclinado para os (contra)argumentos do F. Baptista.

Um abraco amigo,

Cherno AB

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas

Esqueci-me de focar, actuação internacional da Suécia a actuação do Dag Hammarskjöl Secretário-Geral da ONU e que a CIA matou num desastre de avião mais do que suspeito quando estava a desenvolver diligências para a paz no Congo (Leopoldeville).
Foi pena, mas os "maricanos" não são de vinganças, mas quem não toca no ritmo deles normalmente... tem azar na vida.

Um Ab.
António J. P. Costa

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas (de novo)

Tenho de memória que, em meados de 1968, na área de Guileje, numa parelha de Jesus Vasquez e Costa Campos(?), comandante do Gr Operacional este foi atingido à metralhadora incendiou-se e, por aviso do "asa", saltou a caiu perto do quartel.
Se não foi assim, o Miguel ou o Nico, corrijam-me.

Um Ab.
António J. P, Costa

Miguel disse...

O nome do piloto abatido, Cmdt do GO1201, era Costa Gomes (TCor.).
Ab. Miguel Pessoa

JD disse...

Olá Camaradas!
Fiquei muito agradavelmente surpreendido com a leitura deste post. Aborda várias situações que me parece poder resumir no seguinte: a Suécia tornou-se um país rico pelo aproveitamento e manipulação da sua principal riqueza natural, por oposição à tradicional pobreza dos portugueses, que, dispondo de ricas e variadas matérias-primas nos territórios que administrava, não tiveram vontade e arte para desenvolverem o país. Ao único ministro com vontade de o fazer durante a monarquia, companheiro de ideias com Colbert, o Conde da Ericeira, foi encomendado o assassínio. A ruralidade buçal, representada por "ilustres" membros especializados no tráfico de influências, ditou, dessa maneira, o modelo de comunidade que resistiu à implantação da república, ao governo da Ditadura, e ao remanescente temporal parido pelo golpe de Abril.
Dessas andanças Portugal já se arroga de democrático, mas, na prática, já perdeu a soberania desde que entrou para a CEE, desastre reforçado com o Tratado de Lisboa e com as intervenções da Troika, tudo isso decisões arrogantes e sublimadas dos governos em exercício, que desprezaram o principio constitucional de que a soberania está no Povo, que não respondeu em referendo a qualquer daquelas decisões, logo, feridas de inconstitucionalidade e semelhantes a actos ditatoriais. A Suécia deixou-se de eventuais pretensões colonizadoras, ainda que maquilhadas de ajudas humanitárias, e as suas instituições, parece, ainda provêem às necessidades dos suecos.
No entanto, para sermos rigorosos, se a situação governativa dos anos posteriores ao golpe tem sido fiel a execuções orçamentais deficitárias, devemos registar que desde o inicio do conflito africano, Portugal (nas vertentes de Angola, Moçambique e metrópole) registava taxas de crescimento muito interessantes, situação interrompida em 1974, e a sociedade multirracial portuguesa em África afirmava solidez para reivindicar a autonomia financeira (pelo menos), tanto que a URSS, como os EUA já tinham suspendido ou amenizado as apoios aos movimentos de libertação em Angola (onde a guerra estava confinada a uma pequena área e com escassa influência) e Moçambique.
Sobre os apoios da Suécia aos sectores anti-situacionistas (maioritariamente aos socialistas) que nos exílios faziam a pior propaganda sobre os seus concidadãos, veio a verificar-se pelo que antecede, que se enganou também sobre as competências desses elementos que vieram a revelar-se vorazes sanguessugas dos trabalhadores portugueses, espoliados dos bens que produzem (e de patrimónios), afirmando-se à saciedade como insaciáveis no uso e abuso do poder político, regime que despudoradamente ensaiam perpetuar.
Abraços fraternos
JD
















Manuel Luís Lomba disse...

Boas férias, malta!
O comentário do Francisco Baptista ao notável testemunho do general José Nico revela ainda bem viva a marca de um do milhão de portugueses que foram contrariados a dar com o costado às guerras do Ultramar, por erros nossos e de outros, de antepassados e da posteridade mas, essencialmente, em cumprimento do seu dever de cidadania. Fomos nação muitos séculos antes da Suécia, tínhamos Estado e Constituição reconhecidas por todo o mundo, a década dessa guerra foi a de maior crescimento da nossa história económica e Portugal muito mais independente do que a partir da "Descolonização exemplar" e da importação do socialismo "made in Suécia"...

Referindo-nos à Guiné, a sua realidade geográfica e política foi construída por gerações de guinéus e portugueses, não raro a matar-se mutuamente - a génese do ideal da guerra da libertação de Portugal, de Amílcar Cabral e da sua malta, tão portugueses como Honório Barreto, João Bacar ou Marcelino da Mata. Os portugueses demoraram 12 anos a largar as trouxas, libertaram e libertaram-se da Guiné, que passou a rubrica do "Orçamento de Estado" do reino da Suécia & Cia, que demoraram 50 anos a desistir da liberdade e da independência do povo da Guiné, que tanto tarda a chegar...
Parafraseando Eça de Queiroz: união da Guiné com a Suécia - só com as suecas...
Fazer a terraplanagem dos nossos 800 anos de História e dos 500 anos de Império, à cota da falácia ou preconceito (tanto vale o diabo como a mãe) do "colonialismo" português será, no mínimo, uma injustiça!
Agradeço ao general José Nico o seu sincero depoimento - e viva a pluralidade do blogue!
Manuel Luís Lomba