quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Guiné 63/74 - P15177: Fotos à procura de... uma legenda (62): O sol, diz o povo, nasce para todos, mas a lua só para quem merece... Ou ainda, noutra variante do nosso imaginário, quanto mais luz ao luar, mais lhe hão-de os lobisomens uivar...







Fotos (e legendas): © Luís Graça (2015). Todos os direitos reservados. 


1. Da janela do meu quarto, na madrugad do dia 28 de setembro, por volta das 4h20,  o firmamento celeste  apresentava o tão esperado acontecimento astronómico do ano,  a ocorrência de Super Lua em simultâneo com um Eclipse Total da Lua... 

Peguei na máquina e obtive estas imagens que quero partilhar com os nossos leitores... Já estava a meio o eclipse, eu devia ter-me levantado mais cedo... Não acordei, acordaram-me...

Dizem que os lobisomens é que uivam à lua cheia, mas também em luas negras, e provavelmente em noites de  eclipse... Quando eu era puto, acreditava em lobisomens... Se acreditava!... E até me diziam que tinha um tio-avô que era lobisomem...  Metiam-nos medo, aos putos, os safados dos graúdos, com essas histórias de lobisomens, bruxas, almas penadas e espíritos maus que cochichavam por detrás das paredes, portas e armários...  Havia amuletos, gestos, rezas e mezinhas para nos defendermos do mau olhado e dos encontros funestos com essa seres do mundo das trevas...

2. Alguns provérbios populares  sobre a lua, recolhidos da Net [, e onde estranhamente o lobisomem está ausente]:

A lua alumia mas não aquece.
A lua e o amor, quando não crescem, diminuem.
A lua é mentirosa: quando diz que desce, cresce; quando diz que cresce, desce.
A lua não fica cheia em um só dia.
Arco na lua, chuva na rua.

Círculo na lua, chuva na rua.
Lua, a de janeiro, e amor, o primeiro.
Lua à tardinha com seu anel, dá chuva à noite ou vento a granel. 
Lua cercada, terra molhada.
Lua cheia, a tudo clareia.
Lua cheia, não cortes pau nem veia.
Lua de outubro sete luas cobre, e se chove, nove.
Lua deitada, marinheiro em pé.
Lua manchada, bonança assegurada.
Lua nova, muita rama e pouca abóbora.
Lua nova setembrina, sete meses determina.
Lua nova trovejada, trinta dias é molhada.
Luar de janeiro não tem parceiro; mas lá vem o de agosto que lhe dá no rosto.

Não há Entrudo sem lua nova, nem Páscoa sem lua cheia.

O amor é como a lua, quando não cresce mingua.
O sol nasce para todos, a lua para quem merece.

Pelas luas se tiram as marés.
Quando a lua minguar, não deves começar.
Quando a lua minguar, não deves regar.
Quando a lua minguar, nada hás-de semear.
Quanto mais luz ao luar, mais lhe hão-de os cães ladrar.

Riqueza e fortuna, mudam com a lua.


3. De acordo com as lendas e crenças populares, um homem foi mordido por um lobo em noite de lua cheia. A partir daí, passou  a transformar-se em lobisomem em todas as noites  de lua cheia. Feio, forte e peludo, aparecia a assustar as pessoas em sítios ermos como colinas, encruzilhadas e cemitérios. Se  o lobisomem mordesse outra pessoa, a vítima transformava-se também em lobisomem...  

A lenda terá origem na mitologia grega... E do continente europeu, e por via da colonização, espalhar-se-ia por quase todo o mundo, ou pelo menos pelo novo mundo (Brasil, etc.).  Portugal sempre foi  fértil em lendas ligadas ao fantástico: mouras encantadas, fadas, bruxas, lobisomens... E de algumas terras, "terras do demo", e nomeadamente das Beiras e de Trás-os-Montes,  se dizia que as mulheres lá... eram homens e os homens lobisomens...

Coisas do nosso imaginário (popular...) , e que hoje só parecem fazer as delícias dos antropólogos ou etnólogos...  Se calhar o imaginário dos nossos filhos e netos, muito mais ligado à fição científica,  é capaz de ser muito mais pobre do que no nosso tempo de meninos e moços...

Estivemos entretanto na Guiné, onde havia os irãs e os espíritos que habitavam as florestas, mas não temos falado muito disso... Fizemos muitas operações e emboscadas à noite, mas nunca demos grande atenção à lua, à lua cheia, ao luar, e menos ainda aos eclipes da lua... Nessa época, eu não fazia poesia, ou tinha deixado de o fazer... Escrevia, mas não eram poemas  à lua... ´

Mas já que falamos da guerra, é bom recordar outro provérbio que diz que "os lobos não se comem" (ou "lobo não come lobo",  não pratica o canibalismo nem se dedica a lutas fratricidas(... Já o homem é o predador de si próprio. "O homem é o lobo do homem" (em latim, "homo homini lupus")... Coitado do lobo, feito medida do homem! ... LG
 ___________

Nota do editor:

4 comentários:

Vasco Pires disse...

Bom dia Luis
Cordiais saudações.
Escrevo este para "Data maxima venia", discordar da tua afirmação ; então se não existem lobisomens, consequentemente também vampiros são mitos
Então, quem anda "sugando o sangue" de tanta gente?
Forte abraço.
VP

Hélder Valério disse...

É curioso como a partir deste eclipse se desenvolveram estas considerações, que achei interessantes.

A observação do Vasco Pires faz todo o sentido!
Quem tem sido, então?

Os "mercados"? As "agências de 'ratting'? O "Pai natal"?

Talvez os mosquitos. Deve ser isso, os mosquitos.

Hélder S.

Luís Graça disse...

Imperdoável, Vasco, eu esquecer-me dos vampiros!... Dos vampiros, direi o mesmo que os espanhóis dizem sobre as bruxas: "Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay!"...

Em sentido figurado, Portugal sempre foi uma sociedade "vampiresca"... As bruxas, coitadas, acabavam nas fogueiras, os "vampiros", esses, ficavam à janela dos palácios e conventos a assistir ao espectáculo macabro dos autos de fé, no Rossio, no Terreiro do Paço... É muito provável, por exemplo, que o nosso rei-sol, o 24º rei de Portugal, Dom João V (1707-1750), tenha assistido à infamante execução do escritor António José da Silva, "o Judeu", em 18 de outubro de 1739... Dizem os seus biógrafos que as "fogueiras" da Santa Inquisição eram um dos seus espetáculos favoritos, a quem assistiam, além do rei, a rainha, os infantes e o resto da corte... [vd. SILVA, Maria Beatriz Nizza da - D. João V. Lisboa: Círculo de Leitores, 2006, pp.114-115 (coleção "Reis de Portugal)].

Vasco Pires disse...

Mui obrigado Luis,a minha pergunta foi respondida a contento. Então, há vampiros!
Faço votos que o Nobre Camarada Helder Valerio,também considere respondidas as suas indagações.
Forte abraço.
VP