sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Guiné 63/74 - P15190: História de vida (40): Casei-me, em 31/7/1966, nove meses depois do regresso da guerra; quinze dias depois, embarquei no paquete Império, a caminho de Angola onde trabalhei como professor primário e quadro bancário (José Augusto Miranda Ribeiro, ex-fur mil, CART 566, 1963/65)





Cerimónia de casamento , em 31 de julho de 1965, do José Augusto e da Adriana...

Fotos: © José Augusto Ribeiro (2015). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: LG]


1. Texto enviado hoje, às 0h14 pelo José Augusto Miranda Ribeiro (ex-fur mil da CART 566, Ilha do Sal - Cabo Verde, Outubro de 1963 a Julho de 1964, e Olossato - Guiné, Julho de 1964 a Outubro de 1965; professor do ensino básico, reformado, que vive em Condeixa):

Camarada amigo, Luís Graça:

Regressei da Guiné no dia 1 de novembro de 1965 e fui colocado como professor na Escola do Magistério de Coimbra. 

Casei-me nove meses depois, do regresso da Guiné, no dia 31 de Julho de 1966 (*). 

Partimos para Angola 15 dias depois do casamento, no Paquete Império e fui trabalhar como professor em Sá da Bandeira, onde nasceu o meu filho João, que tem agora 48 anos, casado há já 20 anos, mas não tem descendentes.

Em 1968, saí de Sá da Bandeira e fui para Luanda, a 1100 Km,  trabalhar no Banco de Angola, para dar oportunidade à minha mulher de ntirar o curso do Magistério. Teve a nota de 17 valores, que nunca ninguém ultrapassou. 

Regressei de Angola em 1975 e voltei a trabalhar como professor em Condeixa, até à aposentação em 1999. 

Em Luanda nasceu a filha Helga que tem agora 43 anos e 3 filhas. A Carolina tem 17 anos e está no 12º ano e pretende ser arquiteta, a Matilde tem 13 anos e frequenta o 8º ano e, por fim a Filipa faz dois anos no próximo domingo. Sou um "avô babado"  e, com muito gosto, sou também o taxista delas todas, e da avó Adriana,  que nunca teve nenhum acidente, mas deixou de conduzir desde que lhe foi aplicada, há 4 anos, uma prótese, na anca direita. 

Desculpa, Luís Graça,  ter roubado o teu tempo a ler parte da "história da minha vida". (**)

Um abraço. José Augusto Miranda Ribeiro

_______________

Notas de leitura:

(*) Vd. poste de 2 de outubro de 2015 > Guiné 63/74 - P15188: Inquérito "on line" (1): "Camarada, casaste antes, durante ou depois da guerra ?"... Respostas aceitam-se, até ao dia 7, 4ª feira, às 12h30

(...) Também podem contar histórias do vosso casamento e mandar fotos... Referimo-nos, naturalmente ao primeiro, que é o que tem graça, o casamento antes, durante ou depois da Guiné... 

A pouco e pouco vamos conhecendo melhor o perfil sociodemográfico do "camarada da Guiné"... que hoje tende a ser, tipicamente, um avô e até bisavô babado. (...)


(**) Último poste da série > 24 de setembro de 2015 > Guiné 63/74 - P15152: História de vida (39): Voltar finalmente, não mais rico mas diferente (Juvenal Amado)

3 comentários:

Luís Graça disse...

Obrigado, José,a noiva ia linda e tu eras o herói!... Luis

José Botelho Colaço disse...

Comecei a gostar do camarada José Ribeiro pela forma simples dos seus textos mas com um conteudo super.
Em 2015 no encontro da Tabanca Grande em Monte Real quis o acaso de confraternizar pessoalmente na mesma mesa e confirmar tudo o que de bom tinha imaginado naquele homem de uma cultura super mas de uma simplicidade também super.

Amigo um abraço
Colaço.

Hélder Valério disse...

Caro camarada Miranda Ribeiro

O que tu fizeste, em termos de 'tempos' é o que seria o mais 'normal'.
Cumpria-se o serviço militar, sobrevivia-se, regressava-se à rotina familiar e/ou profissional e 'orientava-se' a vida.

Claro que nem todos agiram assim. Como se costuma dizer "cada caso é um caso".
Ainda bem que as coisas vos correram bem!

A propósito, concordo com o Luís sobre as características dos noivos....

Hélder S.