terça-feira, 3 de maio de 2016

Guiné 63/74 - P16045: Historiografia da presença portuguesa em África (70): Vozes do império que não chegavam ao céu: António de Almeida, antropólogo e deputado à Assembelia Nacional: intervenção, antes da ordem do dia, por mor de Cabo Verde, em 24 de fevereiro de 1944




Folha de rosto do Diário das Sessões, nº 48, de 25 de fevereiro de 1944, 


1. António de Almeida (Penalva do Castelo, 1900 - Lisboa, 1984)

(i) professor, antropólogo e político português: foi, entre 1938 e 1957, deputado à Assembleia Nacional,pela União Nacional, o partido (único) do Estado Novo;

(ii) nasceu a 21 de agosto de 1900, em Sezures, em Penalva do Castelo, no distrito de Viseu;

(iii) formado em Medicina, exerceu medicina escolar e foi professor na Universidade de Lisboa e no Liceu Normal (Pedro Nunes);

(iv)  fez um pós-graduação na Escola de Medicina Tropical e na Escola Superior Colonial; doutorou-se em medicina pelo Instituto de Medicina Tropical (IMT);

(v) beneficiou, em 1934, de uma bolsa da Junta de Educação Nacional;

(vi)  dois anois depois, realizou trabalhos antropológicos em Angola e, a partir de 1935, foi lecionar Quimbundo e também Etnologia e Etnografia Colonial, na Escola Superior Colonial;

(vii) dirigiu o Centro de Estudos de Etnologia do Ultramar:

(viii)  participou em várias expedições antropológicas e etnológicas nas colónias portuguesas;

(ix) a partir de 1953 até 1954, chefiou a missão antropológica de Timor, acompanhado, entre outros, do antropólogo Mendes Correia e do poeta e investigador Ruy Cinatti;

(x) como antropólogo salientou, "com muita minúcia, nos seus estudos, a diversidade étnica dos povos, a vida cultural e social e a fisiologia e carácter dos indígenas";

(xi) "as suas publicações, escritas para um grande público ou para congressos internacionais, serviram para criar e fortalecer a imagem do trabalho científico dos portugueses nas colónias";

(xii) em 1970, foi jubilado do Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (ISCSPU), onde lecionou as matérias de Etnologia do Ultramar Português e de Antropobiologia;

(xiii) enquanto professor, "preocupou-se com o ensino colonial, tanto no estrangeiro, como em Portugal, e expôs várias medidas que permitiriam reformar a instrução ultramarina";

(xiv) faleceu a 16 de novembro de 1984, em Lisboa.

Fonte. Adapt de António de Almeida. In Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2016. [consult. 2016-05-03 10:37:58]. Disponível na Internet: http://www.infopedia.pt/$antonio-de-almeida,4



Cabo Verde > Ilha de São Vicente > Baía do Mindelo > c. 1943/44 > A foto não tem referências a datas mas é visível tratar-se do [navio] Colonial [, ainda a navegar no final dos anos 40]. Foto do álbum do Hélder Sousa (*)

Foto: © Hélder Sousa (2009). Todos os direitos reservados.

_______________


III legislatura (1942-1945) > 2ª sessão legislativa (1943-44)

Castilho, J. M. Tavares – Almeida, António de. In: Os deputados à Assembleia Nacional: biografia e carreira parlamentar. [Em linha] Lisboa: Assembleia da República. [Consult em 2 de maio de 2016],. Disponível em http://app.parlamento.pt/PublicacoesOnLine/DeputadosAN_1935-1974/html/pdf/a/almeida_antonio_de.pdf

Excerto de intervenão, antes da ordem do dia, em 24 de fevereiro de 1944, do depuitado António de Almeida,  referindo-se ao decreto-lei nº 33.508 que autorizava o governo a enviar a Cabo Verde uma missão técnica  "com o propósito de estudar e resolver os problemas relativos à construção e melhoramento das estradas, ao aproveitamento de recursos hidráulicos e ao revestimento florestal". Diário da Sessões, nº 48, pp. 65-66. Reproduzido com a devida vénia. Revisão e fixação de texto., (ª*) LG.


65 DIÁRIO DAS SESSÕES - N.º 48

O Sr. Presidente: - Tem a palavra o Sr. Deputado António de Almeida.

O Sr. António de Almeida: - Sr. Presidente: durante a interrupção dos trabalhos da Assembleia Nacional o Governo publicou, pelo Ministério das Colónias, um importantíssimo diploma, cuja futura e benéfica repercussão económica e social consideravelmente se há-de fazer sentir no Arquipélago de Cabo Verde, ao qual se destina tão oportuna disposição legislativa. Refiro-me ao decreto-lei n.° 33.508, que autoriza o Governo a organizar e a enviar às terras crioulas uma missão técnica com o propósito de estudar e resolver os problemas relativos à construção e melhoramento das estradas, ao aproveitamento de recursos hidráulicos e ao revestimento florestal.

Sr. Presidente: descobertas há cerca de quinhentos anos pelos nossos navegadores, as desabitadas ilhas de então cedo constituíram objeto da nossa intensiva ação colonizadora; porém, a partir do domínio castelhano inicia-se a via dolorosa da população caboverdeana - ainda hoje não terminada -, parecendo que os agentes adversos, humanos e meteorológicos, se têm conluiado para molestar esta valiosa parcela do nosso Império de além-mar.

66 DIÁRIO DAS SESSÕES - N.º 48

Assim, até ao final do século XVIII, as ilhas não mais deixaram de ser alvo de persistentes assaltos dos corsários estrangeiros; algumas erupções do fumegante vulcão do Fogo projetaram suas lavas devastadoras a grandes distâncias; uma pavorosa inundação arrastou para o mar um quarteirão completo da vila da Ribeira Grande, a capital de outrora; e, por seu lado, no século XIX, os governos da metrópole alhearam-se dos assuntos cabo-verdianos, em virtude de, primeiramente, andarem empenhados em expulsar os franceses e depois por serem possuídos pela preocupação obsessiva de implantar entre nós as recém-importadas ideias liberais.

Para cúmulo da desventura surgem, temporariamente, as horrorosas crises alimentares, que, persistindo até aos nossos dias, irão vitimar muitas dezenas de milhar de pessoas e de animais: três grandes períodos de fome no século passado e já outros tantos no atual - em 1903, em 1921 e o último há três anos apenas; e para ensombrar mais este quadro de infortúnio, em 1856, uma mortífera epidemia de cholera morbus dizima famílias inteiras, ficando desertas muitas aldeias da Ilha de S. Nicolau.

Sr. Presidente: a ação erosiva dos homens e dos animais - especialmente os milhares de cabras domésticas e selvagens que, na maior liberdade, vagueiam pelo Arquipélago - tem auxiliado enormemente a repetição das vagas de miséria, motivando profundas alterações meteorológicas, derivadas da destruição contínua e desorientada das espécies botânicas que cobriam as ilhas até à data do seu descobrimento; e haveremos apontado as principais origens das calamidades cabo-verdianas se acrescentarmos as violentas lestadas, que, acelerando a desarborização, comprometem a pluviosidade e, por conseguinte, condicionam a escassez de água, com prejuízo grave para o clima e para a vida e bem-estar da gente crioula.

Frequentemente, também, se tem imputado à imperfeita divisão da propriedade, ao primitivismo de processos agronómicos utilizados pelos naturais e à sua indolência uma cota parte das causas dos males que afetam o Arquipélago. Se, com efeito, o cabo-verdiano não sabe ainda tirar da terra tudo o que esta lhe pode oferecer, no entanto numerosas pessoas, no tempo das lavouras, mourejam nos campos ingratos e ressequidos, desenvolvendo esforços pertinazes e admiráveis; outras dedicam-se afanosamente às labutas da pesca marítima, laboram nos trapiches ou engenhos do açúcar, nas fábricas de conservas de peixe e de manipulação de tabaco e na indústria salineira, quando não se ocupam no transporte de pesados fardos, à cabeça e a pau e corda, por carreiros alcantilados, pedregosos e difíceis, tão característicos destas acidentadas ilhas.

E se seus habitantes não conseguem empregar-se na terra-mãe e arranjam possibilidades de emigrar, fazem-no de preferência para as colónias portuguesas de África, Américas e ilhas de Sandwich, territórios onde são apreciados condignamente, tanto pelo seu amor ao trabalho como pelas qualidades morais e intelectual que possuem.

Ultimamente, e por causa da guerra, as dificuldades dos caboverdeanos aumentaram extraordinariamente; a falta de navios mercantes estrangeiros que, antes do conflito e não obstante a temerosa competição das Canárias e de Dakar, se serviam dos seus portos a fim de se abastecerem de alimentos frescos e de combustíveis, junta a outros fatores de esmorecimento comercial, concorre bastante para o estado de depressão económica em que o Arquipélago se encontra.

Sr. Presidente: o Governo, após a elaboração de demorado e indispensável plano de obras - para o qual preponderantemente contribuiu a visita a Cabo Verde do ilustre Ministro das Colónias, realizada em 1942 -, conhecendo minuciosa e perfeitamente todas as circunstâncias, propõe-se enfrentar satisfazer as mais instantes necessidades da colónia e estimular o seu progresso, promovendo, tanto quanto humanamente for possível, a extinção ou a neutralização das crises de fome que, de onde em onde, apoquentam os naturais.

No notabilíssimo relatório que acompanha o decreto-lei n.° 33.508, em síntese magistral, focam-se as múltiplas facetas dos problemas postos em equação: construção de estradas e caminhos de montanha e beneficiamento das vias existentes, poucas e mal conservadas; aproveitamento da água das ribeiras, das nascentes e do subsolo, quer para abastecimento de água potável às povoações e para os serviços de salubridade pública, quer para regas, favorecendo a fertilidade dos terrenos e melhoria da produção; e, finalmente, a intensificação do repovoamento florestal, tarefa basilar, sem a qual não se obterão regularidade de chuvas, abundância de água e benefício do clima.

É a primeira vez, Sr. Presidente, que as ilhas crioulas veem as suas questões vitais tratadas em conjunto pela metrópole, com o carinho, inteligência e bom senso que há tanto tempo reclamavam o portuguesismo dos cabo-verdianos e o excecional valor político e estratégico da posição do Arquipélago no Atlântico. (Ao fazer esta afirmação não pretendo esquecer as diferentes tentativas parcelares, e que por isso resultaram infrutíferas, ensaiadas em favor de Cabo Verde).

A par das indicações de carácter administrativo e técnico e dos patrióticos fins a atingir pela missão, e com a maior brevidade - no diploma declara-se que as obras começarão a executar-se imediatamente após a conclusão dos trabalhos de gabinete e dentro de um prazo que nunca excederá dezoito meses -, a presente medida legislativa contém nova e excelente doutrina que enche de contentamento não só os cabo-verdianos como ainda todos quantos se entregam ao estudo dos seus problemas.

Sr. Presidente: a demonstrar, por forma objetiva e insofismável, que «ali também é Portugal», o Governo da Nação, depois de haver preparado, convenientemente, um plano de trabalhos, vai ordenar o respetivo estudo in loco, em condições análogas às que, em matéria de obras públicas, se estão pondo em prática nas ilhas adjacentes, o que equivale a dizer que os encargos da missão correm por conta da Mãe-Pátria, talqualmente o que acontece com as missões técnicas enviadas à Madeira e aos Açores.

Contudo, não é a liberalidade financeira do Governo central que deve impressionar, mais em especial esta nobilíssima atitude, de incalculável significado político, nacional e internacional, no momento presente, traduz absoluta garantia e certeza indubitável da dedicação e interesse que a Nação vota às ilhas, de Cabo Verde, aproximando-as espiritualmente cada vez mais da metrópole, colocando-as em situação moral semelhante à das ilhas adjacentes - o caminho natural para a respetiva identidade de regimes administrativos, a aspiração máxima dos portugueses de lei que são todos os filhos do Arquipélago, completamente integrados na civilização ocidental e cristã, inteiramente assimilados ao nosso espírito, à cultura lusitana.

Tenho dito.

2. Comentário do editor LG:

É um texto de um grande cinismo ou de uma grande ingenuidade. O médico e professor de antropologia colonial António de Almeida fala-nos da grande tragédia que foi, afinal,  a sociedade esclavagista de Cabo Verde, e das grandes secas e fomes que dizimaram a sua população ao longo dos séculos.  Mas é incapaz de dar conta do germes do nacionalismo que começam a despontar, no início dos anos 30 do séc. XX, muito antes de Amílcar Cabral, guinéu de origem caboverdiana. É verdade que, com a I República, as gentes de Cabo Verde foram os primeiros, de entre as populações africanas, a aceder ao estatuto de cidadania portuguesa. Mas como é que se podia, em 1944,evocar genuíno e arreigado o portugesismo dos cabo-verdianos. e "demonstrar de forma objetiva e insofismável", que 'ali também é (era) Portugal', quando o auxílio de Salazar chegava tarde e a mais horas ? Mais fizeram, isso sim,  os "expedicionários" que, como o meu pai, Luís Henriques (1920-2012)  ou o pai do Hélder Sousa, Ângelo Ferreira de Sousa (1921-2001), ou o pai do Luís Dias, Porfírio Dias (1919-1988),  ou o capitão médico José Baptista de Sousa (1904-1967), Chefe dos Serviços Cirúrgicos das Forças Expedicionárias de Cabo Verde, organizaram, livre e espontaneamente, campanhas de socorro à população das ilhas (, nomeadamente da ilha de São Vicente onde se concentrou o grosso das NT durante a II Guerra Mundial).
______________

Notas de leitura:

6 comentários:

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas
É impossível que o Ministério das Colónias não soubesse disto. Só que era tão difícil socorrer os pretinhos coitadinhos!
Era tão longe, havia a Guerra, o país estava em dificuldades, enfim, só problemas...
Aceita-se a cobardia institucional dos deputados, como instrumento de trabalho para análise da situação.
Houve outros avisos de que as coisas não estavam bem, noutros aspectos e noutras áreas, só que...
O resto já sabemos.
Perguntando porque é que, se havia condições para um sublevação, ela não ocorreu teremos que verificar que não havia condições táctica/estratégicas para tal. A repressão seria terrível (e para tal já haveria meios) e tudo ficaria(?) na mesma ou pior.
Além disso, qual era a solidariedade internacional que poderia surgir a favor de um arquipélago-colónia que ninguém conhecia, lá meio do oceano?
Deve ter sido um tempo de miséria espiritual e material.
E a propósito de espiritual: onde estava a igreja católica no meio desta situação? E o bispo local, como autoridade religiosa única e com acesso às autoridades civis e militares locais e nacionais?
Seria bom saber-se, digo eu...
Um Ab.
António J. P. Costa

Luís Graça disse...

Há 11 anos atrás, ainda o meu pai, Luís henriques (1920-2012), era vivo, evoquei no nosso blogue esses tempos duros, de fome e de miéria, por que passou Cabo Verde, em plena II Guerra Mundial... Era ele 1º cabo, mobilizado pleo RI 5 (Caldas da Rainha). Esteve no Mindelo, São Vicente, 26 meses (junho 1941/setembro 1943)... LG

________________


22 DE OUTUBRO DE 2005
Guiné 63/74 - P234: Cabo Verde (1941/43) (3): sodade di Son Vicente (Luís Graça)
http://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2005/10/guine-6374-ccliv-cabo-verde-194143-3.html
O meu pai tem hoje 85 anos feitos. Nasceu, portanto, em 1920. Aos vinte e um anos partiu para Cabo Verde, no paquete Mouzinho, integrado no 1º Batalhão do Regimento de Infantaria nº 5 (Caldas da Raínha), para reforço do sistema de defesa do arquipélago (1).

(...) Ao longo de 26 meses, foi mandando cartas e fotografias (estas, geralmente em formato pequeno), sempre com legendas no verso. As cartas infelizmente perderam-se. Mas das fotos ainda restam algumas dezenas. Têm algum interesse para documentar a vida dos miliatares, expedicionários em Cabo Verde, naquela época.

Ainda hoje ele me conta estórias e factos desse tempo. O que me impressiona é a sua memória: sabe de cor os nomes e os números de identificação de alguns dos seus melhores amigos e camaradas. Era, além disso, um jovem sensível à miséria com que então vivia a população local. Quando estava no hospital, "fraco dos pulmões", recebeu a visita da irmã do seu "impedido", o Joãozinho, de cinco anos:
- Bo cabo Luís, o bo impedido Joãozinho morreu!

O meu pai pegou no dinheiro que tinha, ali à mão, na enfermaria do hospital - "dezasseis escudos e oitenta centavos" - e deu-o á família do Joãozinho. Acho que foi um gesto bonito e solidário...

Naquela época, o pré de um 1º cabo deveria andar nos 130 escudos por mês. As mulheres cabo-verdianas, muitas vezes com os filhos às costas, trabalhavam no porto, descarregando milho: uma equipa de duas ganhava 2 tostões (um tostão para cada uma) por cada saco de milho descarregado dos barcos...

Além disso, o 1º cabo 188/41 gostava de ajudar os seus camaradas, escrevendo-lhe as cartas para a Metrópole. Ele terá escrito centenas ou até milhares de cartas. Só para um dos seus amigos, rancheiro, analfabeto, ele escrevia 22 cartas por semana. Mas tinha muitos mais clientes. Ele diz-me que no seu pelotão (na época 45 homens), "se calhar metade não sabia ler nem escrever"...

(...) As dificuldades eram muitas para o pessoal expedicionário. A alimentação era má e pouco ou nada variada: "Massa com feijão ao almoço; feijão com massa ao jantar". A morbimortalidade elevada (tuberculose, febres intestinais, doenças venéreas...), fazendo jus à frase que ele memorizou e que estava na parede do fotógrafo no Mindelo: "Ouro, seda, vaidade, podridão / No cemitério, igualdade / Mas debaixo do chão"...

(...) A tropa, em S. Vicente, não teria muito que fazer, paa além de uns exercícios de manutenção de homens e material. Uma das actividades favorias dos militares portugueses era a praia e o mergulho. O meu pai, nascido à beira-mar, filho, neto e bisneto de gente ligada ao mar, adorava nadar e fazer mergulho, mas tinha medo dos tubarões... Há várias fotos de tubarões apanhados ao largo da ilha. Todavia, os ataques a seres humanos não seria muito frequente, embora ele ainda hoje me conte estórias de tubarões que arrancaram pernas e deixaram marcas de dentes no corpo de alguns incautos... (...)

Luís Graça disse...


Em 1940 e depois em 1942 e anos seguintes a seca prolongada foi responsável por uma das maiores catástrofes demográficas da história de Cabo Verde: este é o pano de fundo do romance Hora di Bai, publicado em 1962, pelo escritor português Manuel Ferreira (Gândara dos Olivais, Leiria, 1917- Linda a Velha, Oeiras, 1994), também ele mobilizado como expedicionário em 1941, para São Vicente, onde viria a casar e onde permaneceu até 1947.

Na cidade do Mindelo, na Ilha de São Vicente, conviveu com os grupos intelectuais cabo-verdianos ligados às revistas Claridade e Certeza. Casou com a escritora cabo-verdiana Orlanda Amarílis.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Manuel_Ferreira_(escritor)

alma disse...

Conheci muito bem o Escritor Manuel Ferreira.Continuou na vida militar. Nos anos 70, estava colocado no Distrito de Recrutamento de Lisboa. Era licenciado em Farmácia, mas foi Professor Convidado na Faculdade de Letras. Ele e a Mulher dançavam muito bem. Estive com eles,uma vez,numa festa caboverdiana. Abraço. J.Cabral

Antº Rosinha disse...

António J.P.Costa, pergunta-se, e qualquer um devia perguntar a um qualquer caboverdeano qual a razão porque os Caboverdeanos com tantas dificuldades, misérias e abandonos e esquecimento, da parte de Portugal, nunca se revoltaram contra a mãe pátria.

É que é muito intrigante, como um povo tão sacrificado, nunca se revoltou contra Portugal, contra a natureza e contra o mundo.

E mesmo durante a guerra colonial, que aqui apenas falamos da Guiné de Amílcar, porque em Caboverde ninguém "tugiu nem mugiu"?

Chegou a haver revolta na Madeira nos princípios de Salazar, de que Alberto J. Jardim se refere de vez em quando, também em Angola, Açores e Moçambique foram registados alguns recalcitrantes, mas em Caboverde nunca se fala em casos de revolta.

Trabalhei e convivi em Angola e na Guiné, com tantos caboverdeanos e só tenho duas explicações, para eu nunca ter perguntado a um deles, porque os caboverdeanos nunca se revoltaram.

Só me faço esta pergunta, hoje, porque ontem nem queria saber disto para nada.

Nunca perguntei, penso eu, primeiro sempre tive a ideia que, em Caboverde eram eles que se governavam com presença reduzida de portugueses.

E em segundo, penso eu, que eles não se imaginavam a sobreviver sem a aquele conjunto de terras que eles ajudaram a moldar, Angola, São Tomé e Guiné.

Eles julgavam-se mais responsáveis que nós povo do Minho ao Algarve, e que o próprio Salazar.

Mas atenção que conheci gente da Praia que não eram tão "fiéis" à bandeira como de ilhas como São Vicente e São Nicolau por exemplo.

Mas bem que os caboverdeanos já podiam estudar e contar melhor a sua história, para nós compreendermos, porque eles sabem muito bem aquilo que são, em todos os sentidos.

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas
A Revolta de Batepá - S. Tomé e Príncipe - elucida o que eu quis dizer.
Tratou-se talvez mais de um conflito laboral.
As coisas corriam mal administrativamente nas roças do BNU e a morte do brigadeiro Themudo Vera (e outros acontecimentos) está ligada com isso.
Claro que quando o patrão tem problemas de "paridade" "liquidez" ou similares a culpa é dos trabalhadores/empregados/"colaboradores" (adoro estas modernices linguísticas!).
A repressão civil/militar foi duríssima, com torturados, mortos, feridos e "desaparecidos" e não sei se se melhorou algo. Sei que, na altura, se atribuiu a submarinos russos (talvez louros) a infiltração de elementos revolucionários que instigaram a revolta.
A cor do cabelo dos submarinos não confirmo porque ninguém os viu...
Enfim mais uma de que temos que nos "orgulhar".
De qualquer modo não creio que tenha havido qualquer espécie de "solidariedade" nacional ou internacional e que haja registos jornalísticos além das referências nos jornais portugueses.
Um Ab.
António J. P. Costa