terça-feira, 28 de setembro de 2021

Guiné 61/74 - P22577: "Lendas e contos da Guiné-Bissau": Um projeto literário, lusófono e solidário (Carlos Fortunato, presidente da ONGD Ajuda Amiga) - Parte VII: A lenda de Alfa Moló






A lenda de Alfa Moló - belíssimas ilustrações do mestre português José Ruy (Amadora, 1930), um dos maiores ilustradores e autores de banda desenhada (pp. 49, 50, 52 e 53)


1. Transcrição das págs. 49 a 54 do livro "Lendas e contos da Guiné-Bissau", com a devida autorização do autor (*)


J. Carlos M. Fortunato >
Lendas e contos da Guiné-Bissau



O autor, Carlos Fortunato, ex-fur mil arm pes inf, MA,
CCAÇ 13, Bissorã, 1969/71, é o presidente da direcção da ONGD Ajuda Amiga



Capa do livro "Lendas e contos da Guiné-Bissau / J. Carlos M. Fortunato ; il. Augusto Trigo... [et al.]. - 1ª ed. - [S.l.] : Ajuda Amiga : MIL Movimento Internacional Lusófono : DG Edições, 2017. - 102 p. : il. ; 24 cm. - ISBN 978-989-8661-68-5.



A lenda de Alfa Moló (pp. 50-54)


Um dia, um pobre mendigo chegou à tabanca (21)  de Amedalai (22) e,  pretendendo descansar, pediu hospitalidade em várias casas, mas todas elas a recusaram.

Até que chegou a uma pobre casa, onde uma mulher, apesar de o maridon não estar presente, o recebeu e lhe matou a fome.

Quando o marido, Moló Eigué, chegou, ficou contente pela hospitalidade dada pela sua mulher, pois fazia gosto e tinha orgulho em receber bem quem o visitasse.

Moló Eigué ao conversar com o mendigo, ficou admirado com a sua sabedoria, pois nunca tinha conhecido um mendigo tão sábio. Na verdade, o mendigo era um grande marabu (23) de nome Seiku Umarú (24), que viajava disfarçado de mendigo.

Depois de descansar, o mendigo decidiu seguir viagem, e Moló Eigué fez questão de o acompanhar.

Moló Eigué acompanhou o marabu de Amedalai até Coli (25) , e aí chegados, o marabu despediu-se, dizendo-lhe:

 Todas as terras que comigo percorreste, serão tuas, este será o teu Reino, pois é essa a vontade de Alá.

Moló Eigué ficou confuso e sem compreender as palavras do marabu. Como seria possível ele tornar-se Rei, sendo ele apenas um servo (26) de um rico fula, Samba Eigué, de quem já os seus pais também tinham sido servos…

Moló Eigué tinha em sua casa um carneiro do qual gostava muito, pois estava ensinado de tal maneira, que era como uma pessoa. Andava sempre atrás dele e até quando comia, o carneiro estava ao seu lado.

Um dia, ao voltar da caça, sentou-se à mesa para comer, e o carneiro não apareceu. Então ele perguntou à mulher:

 Onde está o meu carneiro?

A mulher respondeu-lhe:

– Eu queria que você comesse primeiro, para depois lhe contar. Os guerreiros mandingas vieram e levaram o seu carneiro para Cansalá. O Mansa Djanqui
Uali mandou levar o gado de todas as pessoas.

 O quê? –  disse Moló Eigué,  afastando a tigela com a comida.

Sem mais palavras montou no seu cavalo e cavalgou para Cansalá. Quando chegou à fortificação de Cansalá, Moló Eigué pediu aos guardas para falar com o Mansa.

 Está louco! Não pode falar com Mansa  disseram os guardas.

 R oubaram o meu carneiro, e eu quero o meu carneiro de volta! – exclamou Moló Eigué furioso.

 Cuidado, não fales mais assim, senão morres! O carneiro foi o almoço do Mansa. Vai caçar um porco do mato - responderam os guardas rindo.

 O Mansa vai pagar muito caro este carneiro  disse Moló Eigué e abandonou Cansalá.

Moló Eigué foi de tabanca em tabanca, apelando à revolta:

 Os mandingas estão a abusar, não nos respeitam, não param de aumentar os impostos, roubam as nossas coisas, tratam-nos como escravos, temos que nos revoltar.

Alguns responderam:

– Os mandingas são muito poderosos, nós não conseguimos vencê-los.

Moló Eigué a isto respondeu:

 Eu vou lutar! Se não me ajudarem a lutar, terão que fugir, porque quando as balas começarem a voar, então todos terão que fugir.

Muitos homens vieram juntar-se a Moló Eigué, pedindo-lhe para os guiar na luta contra o domínio mandinga, pois por todo o lado se iniciavam focos de revolta contra os abusos mandingas e era grande a vontade de substituir os reinos mandingas por reinos fulas. Além disso os fulas do Reino do Futa Djalon (27) tinham desencadeado uma jihad contra os reinos animistas, e era obrigação de todos os muçulmanos juntarem-se a essa jihad.

Moló Eigué era um devoto muçulmano, que possuía estudos corânicos, era
respeitado, e era também um famoso caçador, o que fazia dele o homem certo
para os conduzir nessa guerra. Assim ele tornou-se o líder de um grupo de 400
homens, na luta contra os mandingas animistas (28) do Império de Cabú.
 
As palavras do marabu, começavam agora a fazer sentido para Moló Eigué.
Moló Eigue pagou o seu resgate ao seu senhor, o nobre Samba Eigué, tornando-se um homem livre, e partiu para a guerra. E embora o seu nome fosse Moló Eigué Baldé, ficou para sempre conhecido como Alfa Moló.

A floresta onde Alfa Moló e muitos dos seus companheiros costumavam caçar, tornou-se a base para lançar a revolta, contra o Império animista de Cabú.

Após a derrota dos mandingas e a destruição da sua capital, Cansalá, o Reino do Firdu é alargado até Coli, com Alfa Moló como Rei, tal como o marabu tinha predito.

O nobre fula Samba Eigué, antigo senhor de Alfa Moló, não aceitou que este pudesse ser agora o Rei de Firdu, e furioso pelo poder que este tinha conquistado,
gritou:

 Um escravo não vai governar aqui!

Desencadeou-se assim uma guerra entre os fulas, mas Alfa Moló (29), com a ajuda do seu filho Mussá Moló e dos seus aliados, venceu os seus inimigos fulas, e tornou-se senhor incontestado do Reino de Firdu.

O Reino de Firdu tornou-se assim um Reino de fulas-pretos (30), um Reino em que os antigos escravos e servos são agora os novos senhores. (**)

 Esta é  uma das lendas de Alfa Moló.

Alfa Moló conseguiu um Reino, mas o seu filho Musá Moló teve que continuar a sua luta para manter o Reino do Firdu, pois continuaram a existir lutas internas entre os fulas.

Mussá Moló, para assegurar o seu poder e combater os seus inimigos, fez novas alianças. Uma das mais importantes foi a aliança com os franceses, mas isso não alterou o fim do Reino do Firdu, pois o fim dos Impérios Africanos estava próximo, e os novos senhores seriam em breve os países europeus.

__________

Notas do autor:

(21) Tabanca - é a designação usada para aldeia, a qual tem origem no
termo crioulo tabanka.

(22) Amedalai - situa-se no Firdu.

(23) Marabu - designação dada aos religiosos muçulmanos considerados santos ou sábios, nalguns textos é usado o termo mouro, que tem o mesmo significado. Os marabus tinham grande influência na socie dade fula e mandinga, eram homens letrados, muitas vezes considerados homens santos. Estes homens entendiam que o seu poder era uma emanação de Deus graças ao profeta Maomé, e que era sua obrigação levar a verdade divina aos povos pagãos, que consideram bárbaros ignorantes.

(24) Seku Umaru – um grande marabu também conhecido pelo nome El Hadgi Omar

(25) Coli - o Rio Coli faz fronteira a leste da Guiné-Bissau com a Guiné Conacri, perto de Piche.

(26) Escravos e servos - era costume fulas e mandingas possuírem escravos e servos, Artur Augusto da Silva, na pag. 29 de “Usos e Costumes Jurídicos dos Mandingas”, faz a diferenciação entre estes estatutos sociais:

“Escravos - constituem esta classe os prisioneiros de guerra, aqueles que eram comprados e os que se entregavam voluntária ou compulsivamente para pagamento de uma dívida, e ainda os seus filhos.

Servos - que podiam ser da gleba, quando eram dados em recompensa a algum guerreiro juntamente com a terra a que ficavam adstritos por si e seus filhos, ou servos de ofícios, adquiridos pelos nobres para trabalharem em qualquer oficio. Além da casta a que pertenciam devido ao ofício exercido, eram servos porque trabalhavam por conta de outrem e eram sua propriedade.”

(27) Futa Djalon - O Reino Futa Djalon ou Futa Jalon, foi fundado em 1725, e estava localizado a sul do Império de Cabú, na Guiné-Conacri (República da Guiné).

(28) Mandingas animistas - são igualmente chamados de soninquês.

(29) Alfa Môlo - segundo René Pélissier na “História da Guiné I”, na pag. 212 refere que foi “Rei do Firdu, tendo rejeitado praticamente a tutela do Futa-Djalon, Alfa Molo foi, de 1869 até poucos anos antes da sua morte (1881), um dos coveiros do Gabu e, por todos os meios,
procurou manter a sua independência em relação aos Fulas-Forros.”
 
30 Fula-preto - é a designação dada aos fulas com origens noutras etnias que foram dominadas pelos fulas, e que seguiram o modo de vida fula, na sua maior parte são oriundos das etnias mandingas e beafadas, e de casamentos destes com fulas forros, e futa-fulas.

Fulas-forros - é a designação dada aos fulas originários do antigo Forreá.

Segundo o livro de José Mendes Moreira “Os fulas do Gabú”, o nome teria origem no nome dado à terra conquistada aos beafadas,

Forriá, que significa na língua fula “terra da liberdade”.

Futa-fulas - é a designação dada aos fulas originários do Futa Djalon (reino situado na Guiné-Conacri), normalmente têm as têmporas da face marcada por uma dupla incisão vertical ( || ).

2. Como ajudar a "Ajuda Amiga" ?


Caro/a leitor/a, podes ajudar a "Ajuda Amiga" (e mais concretamente o Projecto da Escola de Nhenque), fazendo uma transferência, em dinheiro, para a Conta da Ajuda Amiga:

NIB 0036 0133 99100025138 26

IBAN PT50 0036 0133 99100025138 26

BIC MPIOPTP

Para saber mais, vê aqui o sítio da ONGD Ajuda Amiga:

http://www.ajudaamiga.com

_________________


10 de julho de  2019 > Guiné 61/74 - P19966: Historiografia da presença portuguesa em África (166): Alfa Moló Baldé e o mito fundador do reino de Fuladu, em 1867 (Cherno Baldé) - II (e última) Parte

6 comentários:

Cherno Baldé disse...

Caros amigos,

O rio Corubal é o Coli para os fulas de Gabu (na GBissau), assim designado em memória do Chefe Fula Coli-Tenguela (Coli-Ten-Helá_Coli filho de Helá) que, em meados do séc. XVII, afastando-se do centro do Mandé (império do Mali) movimentou uma importante massa de gente de diversas origens etnícas em direção ao Norte (Tekrour-Senegal) onde fundaria o primeiro reino fula dos Denyankês, atravessando o Gabu (actual território da Guiné-Bissau) e o rio Corubal e que, mais tarde será a fronteira natural do reino que o Alfa Molo e depois o seu filho, com os seus partidários conquistaram das mãos de mandingas e biafadas.

Esses territórios, depois de guerras de conquista sangrentas no último quartel do sêc. XIX formarão os conhecidos regulados de Badora, Cossé, Corubal entre outros que depois farão parte do território da Guiné-portuguesa no meio de guerras intestinas e de alianças com as potências europeias que já tinham decidido pela ocupação efectiva após a histórica Conferência de Berlim que tinha parcelado o Continente a favor dos europeus.

Um abraço amigo,

Cherno Baldé




E o reino de Alfa Molo

Tabanca Grande Luís Graça disse...

Carlos, como te disse em email enviado esta tarde, sobre o Alfa Moló temos sete referências...

O apelido é grafado como Moló e não Môlo.. Aqui podemos discordar. Eu segui o que vem no blogue...

Temos sete referências com o descritor "Alfa Moló":

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.com/search/label/Alfa%20Mol%C3%B3

Valdemar Silva disse...

É interessante aparecer um carneiro nesta lenda/conto.
Por razões climáticas, seria muito difícil a criação de carneiros e ovelhas na África subsariana. Talvez o carneiro apareça na lenda por razões da religião muçulmana.
Como curiosidade, foram os portugueses há 200 anos que introduziram a criação de ovelhas na África do Sul, sendo actualmente um dos países exportadores de carne de ovinos a nível mundial.

Valdemar Queiroz

Tabanca Grande Luís Graça disse...

Onde é que a gente já viu esta "cena" no grande filme da História ? No Império Russo, a servidão (, não confundir com escravatura) só foi abolida em 1861... E foi com antigos servos e seus filhos, netos e bisnetos que o Lenine fez a revolução bolchevique de 1917...


(...) "O nobre fula Samba Eigué, antigo senhor de Alfa Moló, não aceitou que este pudesse ser agora o Rei de Firdu, e furioso pelo poder que este tinha conquistado,
gritou:

– Um escravo não vai governar aqui!

Desencadeou-se assim uma guerra entre os fulas, mas Alfa Moló (29), com a ajuda do seu filho Mussá Moló e dos seus aliados, venceu os seus inimigos fulas, e tornou-se senhor incontestado do Reino de Firdu." (...)

Cherno Baldé disse...

Caro Luis Graça,

De facto, Molo Egué, em colaboraçao com varios grupos mandingas muçulmanos da regiao e os Almames de Futa Djalon, conduziu a revolta dos fulas de Gabu que, finalmente, acabou com o dominio Soninqué numa grande extençao do império, e na distribuiçao dos territorios conquistados nao esqueceu os representantes dos seus antigos senhores, fulas-forros que, em grande medida, tinham garantido o fornecimento de homens (seus cativos) bem como a logistica (gado e cereal) necessarios para ganhar a guerra, todavia, nunca conseguiu controlar devidamente os chefes dos regulados da parte meridional do novo reino, sobretudo aqueles que estavam sob comando dos fula-forros (ver casos de Sancorla, Ganadu, Corubal e quase toda a zona que abrange a actual regiao de Gabu, Tumana, Chana, Mana etc.) e, em grande medida, é o facto que justificou a aliança com os portugueses e a incorporaçao desses territorios na Guiné-Portuguesa, como forma de fugir ao dominio de Alfa Molo (filho de antigos cativos de origem Bambara) e sobretudo do seu filho, Mussa Molo, considerado mais ambicioso que o pai. Mas, o verdadeiro problema que se punha, de facto, tinha a ver com as suas origens humildes que os ditos nobres nao queriam reconhecer.

abraços,

Cherno Baldé

Abilio Duarte disse...

Olá,

Sinceramente, como vocês sabem, todas estas historias???

Em que documentos, foram encontrar tais, acontecimentos???

Abraço

Abilio Duarte