sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Guiné 63/74 - P16572: Notas de leitura (887): “Paz e Guerra, Memórias da Guiné", pelo Coronel António Melo de Carvalho, edição de autor, 2015 (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 16 de Setembro de 2015:

Queridos amigos,

Logo pelo título se percebe para onde pendem os maiores afetos do autor: para a obra deixada em Bissum Naga, veem-se aquelas imagens e sente-se que houve um formidável espírito de corpo a refazer no quartel e a tornar a vida das populações daquela porção do Chão Manjaco muito mais digna.
Relato pessoal e coletivo, dá-se voz a um apreciável grupo de intervenientes na discreta saga em que estiveram envolvidos, patrulhando, reconstruindo e formando. Dir-me-ão que estamos a falar de pequenos trabalhos, não terá havido ali obra militar de tomo. Mas concordo com o que sobre eles escreveu o então Tenente-Coronel Polidoro Monteiro, falando do extraordinário relevo da sua ação junto das populações a quem foi dado muito apoio e assistência. Foi uma unidade de escol e é bom lembrarmos aqui o que de tão bom aconteceu em Bissum Naga.

Um abraço do
Mário


Paz e guerra, memórias da Guiné, por António Melo de Carvalho

Beja Santos

O Coronel António Melo de Carvalho foi Comandante da CCAÇ 2465, tendo cumprido a sua comissão entre 1969 e 1970, primeiro na proteção dos trabalhos de reconstrução e asfaltagem da estrada Bula-Có-Pelundo e depois, no destacamento de Bissum (Naga), cabendo-lhe nesta porção do Chão Manjaco enfrentar a guerrilha, recuperar elementos da população, tendo reconstruído e reordenado a tabanca de Bissum.
Em “Paz e Guerra, Memórias da Guiné", edição de autor, 2015, Melo de Carvalho conta como foi. [É nosso grã-tabanqueiro, nº 688, desde 26/5/2015].

Os trabalhos no troço de Có para Pelundo não eram um petisco. Um elemento da Companhia faz a descrição:  ´

“Os soldados dormiam em abrigos semienterrados. Uma lona servia de teto a esses abrigos. Os habituais colchões de espuma deram lugar, desde o primeiro dia, a colchões pneumáticos. A mala de cada soldado estava arrumada no chão junto ao dito colchão pneumático. A maioria delas, porém também brindou os soldados com uma surpresa. De mala só tinha a parte visível. O fundo tinha desaparecido. No projeto da instalação improvisada do pessoal não se contou com a voracidade das formigas da Guiné”.

Melo de Carvalho vive em meados de Abril uma experiência trágica. Andava na companhia do Alferes [Manuel Maria] Pires da CCAÇ 2312 a verificar a estrutura de segurança à capinação e obras da estrada quando, no corta mato, rebentou ali bem perto dele uma engenho explosivo:  

“Meio cambaleante, levantei-me, movimentei as pernas para me certificar de que ainda lá estavam. E então lembrei-me que não vinha só. Olho para trás à procura do Alferes Pires. Apesar da visão ainda meio turva, o quadro que se me deparava deixou-me atordoado. Na cratera da mina jazia uma figura de contornos imprecisos, imóvel e silenciosa, enrodilhada em poeira cinzenta. Era o Alferes Pires. Um dos pés tinha desaparecido. O que restava da perna, a seguir ao joelho, era uma banana meia descascada. A brancura da tíbia e perónio furava entre as massas musculares, toscamente arregaçadas em escuras tiras. Quase cobriam o joelho. Não se distinguiam olhos, nariz ou boca”.

O Alferes Pires cicia agonizante. Foi evacuado para Lisboa dois dias depois do rebentamento, aí expirou, a causa da morte teria sido uma pneumonia dupla. [Manuel Maria Pires, natural de Mirandela, é dado como morto em combnate em 18/4/1969]

Melo de Carvalho deriva por muitas memórias da sua preparação militar, procura interpretar o contexto político da guerra colonial e retoma à vida da CCAÇ 2465, aos meses de Có-Pelundo e depois apresenta-nos Bissum Naga, a Companhia estava integrada no setor do BCAÇ 2861, com sede em Bissorã.

“Em termos operacionais era como se fosse uma ilha, pois não tinha quaisquer ligações terrestres, quer com o comando do BCAÇ 286, quer com quaisquer outras unidades, devido ao domínio que o INE tinha sobre as áreas circundantes. O reabastecimento mensal era feito por lanchas dos fuzileiros, através do rio Cacheu". 

Enumeram-se patrulhamentos, operações, flagelações, estas muito mal sucedidas para as gentes de guerrilha: 

“De realçar que nunca aconteceu qualquer baixa na Companhia durante as flagelações ao aquartelamento. Não será de estranhar porque nunca conseguiram meter qualquer granada de morteiro dentro do perímetro do quartel. Aliás, foi esta a única arma utilizada em todas as flagelações”.

E depois ficamos a compreender como era o quartel de Bissum, um quadrado com cerca de 100 metros de lado, em que todas as instalações tinham cerca de dois terços de altura abaixo da quota da parada. Seguem-se diferentes depoimentos de intervenientes nas patrulhas, batidas e operações.

É tocante o episódio da evacuação de um militar altamente perturbado, o Mário, e depois o hoje General Nico descreve as peripécias de ter viajado num Dornier com um transviado da cabeça, sentindo-se ameaçado atirou o avião para cima e para baixo até chegar a Bissalanca para reduzir a fúria do Mário que porventura já estava esquizofrénico e que virá a ter um fim trágico.

Para além dos tiros, a relação desta Companhia com a população de Bissum Naga foi extraordinária, lê-se e veem-se as imagens, foi obra, a formação escolar da população, os apoios de toda a ordem, desde o apoio médico até ajudar um vitelo a nascer. Estão ali os dados fundamentais de uma vida quotidiana: a alimentação, a horta, o pão a saber a chouriço, a alfaiataria, as benfeitorias no quartel, o heliporto, a formação dos milícias do Pelotão de Milícias 284, tudo descrito com elevo discreto, até se chegar aos louvores e aos convívios. Aqui fica mais a história de uma Companhia que combateu e fomentou a paz e que ainda hoje tem orgulho em ter contribuído para construir um Bissum melhor.


____________

Nota do editor

Último poste da série de 6 de outubro de 2016 > Guiné 63/74 - P16566: Notas de leitura (886): Um"cheirinho" do livro do Paulo Salgado, "Guiné: crónicas de guerra e de amor", a ser lançado 5ª feira, dia 20, na A25A, em Lisboa

1 comentário:

Tabanca Grande disse...

Parabéns ao Melo de Carvalho, pelo seu livro de memórias que vem enriquecer o nosso património historiogafico sobre a guerra colonial e, em paricular, da Guiné.

Recorde-se aqui alguns dados do CV:

(i) Nasceu em Barcouço, em 18-8-1940;

(ii) Fez o liceu em Coimbra;

(iii) Entrou para a Academia Militar em 1960;

(iv) Cumpriu 2 comissões no Ultramar: uma na Guiné, em 1969/70, como cmdt da CCAÇ 2465 / BCAÇ 2861; outra em Moçambique, de uut 1973 a abril 1975, no Serviço de Reconhecimento das Transmissões;

(v) A última unidade que comandou foi o Batalhão Infantaria Mecanizado, da Brigada Mista Independente (Santa Margarida);

(vi) É coronel na situação de reforma;

(vii) Depois de passar à situação de reforma, desempenhou várias funções na empresa MCG durante 13 anos, no Carregado, sendo a última a de Director Administrativo e Financeiro.

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2015/05/guine-6374-p14665-tabanca-grande-464.html